Como nascem e a quem interessam os mitos na agricultura brasileira?

Autores

Palavras-chave:

Agro brasileiro; Mitos; Narrativas; Fundamentação científica

Resumo

O presente texto procura entender a origem e a essência dos mitos sobre o agro brasileiro, os quais alimentam narrativas prejudiciais à imagem da agricultura nacional que tem se destacado na obtenção da segurança alimentar interna e contribuído para alimentação de parte da população mundial. A metodologia utilizada é tipicamente qualitativa, tendo como abordagem um enquadramento por autores institucionalistas e neo-institucionalistas e como método de procedimento, a análise dos discursos míticos presentes na literatura, na mídia convencional e nas redes sociais. Em continuação, contrapõe-se argumentos contrários aos discursos míticos visando caracterizar uma controvérsia que ajude a entender o que se objetiva ao defender um mito. Pretende-se com o mesmo contribuir para posicionar os debates em um nível menos impregnado de subjetividade e mais fundamentado em evidências empíricas

Biografia do Autor

Amilcar Baiardi, Programa de Pós-Graduação em Território, Ambiente e Sociedade da Universidade Católica do Salvador (UCSAL).

Doutorado em Economia pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Pós-Doutorado em Políticas de Ciência e Tecnologia (IMSS, Firenze, Itália). Professor do Programa de Pós-Graduação em Território, Ambiente e Sociedade da Universidade Católica do Salvador (UCSAL) e do Programa de Pós-Graduação em Ensino, Filosofia e História da Ciência da Universidade Federal da Bahia (UFBA). 

Maria Thereza Macedo Pedroso, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).

Doutorado em Ciências Sociais (UnB). Pesquisadora da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - Embrapa Hortaliças. 

Referências

BAIARDI, A. Sociedade e Estado no apoio à ciência e à tecnologia: uma análise histórica. São Paulo: HUCITEC, 1996.

BAIARDI, A.; SANTOS, A. V. A Cultura Científica e seu Papel no Desenvolvimento da Ciência e da Atividade Inovativa e seu Fomento na Periferia da Ciência In: Terceiro Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, 2007, Salvador. Anais do Terceiro Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura. Salvador: CULT e Póscultura FACOM UFBA, 2007, pp. 389-403.

BAIARDI, A. Prefácio. In: OLIVER, G.S. Institucionalização das ciências agrícolas e seu ensino no Brasil /1930-1950. São Paulo: FAPESP / ANNABLUME, 2009.

______. Poderá o Crescimento do Agronegócio Compensar as Perdas Econômicas Decorrentes da Desindustrialização? Revista de Política Agrícola. v. XXV, p.123 - 126, 2016.

_____. Agronomia: vicissitudes de ser ciência. Ciência e Cultura. v. 69, p.29 - 33, 2017.

______. O Campo Brasileiro: Mitos, Conquistas e Desafios. Política Democrática., v. XVII, p.55 - 63, 2018.

BAIARDI, A.; PEDROSO, M. T. M. Demystifying agroecology in Brazil. Ciência Rural. v.50, n. 12, p.67 - 86, 2020.

BRUNET, A. La civilization occidentale: Paris: Hachette, 1990.

COLLINS, H. M. Knowledge and controversy: Studies of modern natural science. Newbury Park, CA: Sage Publications, 1981.

De MIRANDA, E. E. Áreas cultivadas no Brasil e no mundo. AgroANALYSIS, v. 38, n. 2, p. 25-27, 2018.

De MIRANDA, E.; de CARVALHO, C. A.; MARTINHO, P. R. R. Contribuições do geoprocessamento à compreensão do mundo rural e do desmatamento no bioma Amazônia. COLÓQUIO-Revista do Desenvolvimento Regional, 17(1), 16-34, 2020.

GRAZIANO, X.; GAZZONI, D. L.; PEDROSO, M.T. Agricultura fatos e mitos: fundamentos para um debate racional sobre o agro brasileiro. São Paulo: Editora Baraúna, 2020.

HALDANE, J. Medieval and Renaissance ethics. In: SINGER, P. (e) A companion to ethics. Oxford: Blackwell Publishers, 1997. pp 133-146.

HOFFMANN, R. A agricultura familiar produz 70% dos alimentos consumidos no Brasil? Segurança Alimentar e Nutricional v.21, n.1, p. 417-421, 2014.

_____. A distribuição da posse de terra no Brasil (1985-2017) In: VIEIRA FILHO, J.E.R.; GASQUES, J. G. Uma jornada pelos contrastes do Brasil: Cem anos do Censo Agropecuário. Brasília: IPEA/IBGE/MAPA, 2020. pp 77-90

HUMAN, U. New report on agricultural policy monitoring and evaluation. FarmBiz, v. 5, n. 9, p. 14-15, 2019.

IBGE. Censo Agropecuário 2017 – Resultados Preliminares. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2018.

MERTON, R.K. The sociology of science: theoretical and empirical investigations. Chicago: The University of Chicago Press, 1998.

MUCCHIELLI, A. Dictionnaire des méthodes qualitatives en sciences humaines. Paris: Armand Colin, 2009.

NAVARRO, Z. Agroecologia: as coisas em seu lugar (A agronomia brasileira visita a terra dos duendes). Colóquio-Revista do desenvolvimento regional, v. 10, n. 1, p. 11-45, 2013.

NAVICKAS, K. The search for ‘General Ludd’: the mythology of Luddism. Social History, v. 30, n. 3, p. 281-295, 2005.

NORTH, D. C. Institutions, Institutional change and Economic Performance. New York: Cambridge University Press, 1990.

ORGANISATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT (OECD). Agricultural policy monitoring and evaluation 2018. Paris: OECD Publishing, 2018.

REYNA, E. F.; BRAGA, M.J.; MORAIS, G. A. S. Impactos do uso de agrotóxicos sobre a eficiência técnica na agricultura brasileira. In: VIEIRA FILHO, J.E.R.; GASQUES, J. G. Uma jornada pelos contrastes do Brasil: Cem anos do Censo Agropecuário. Brasília: IPEA/IBGE/MAPA, 2020. pp 172-187

SHAPIN, S. The scientific life, a moral history of a late modern vocation. Chicago: The University of Chicago Press, 2008.

SKOCPOL, T. Protecting Soldiers and Mothers: The Political Origins of Social Policy in the United States. Cambridge: Cambridge University Press, 1995.

VENTURA, L. ONGS NEGACIONISTAS, 2021. Recuperado em 08 de março de 2022 em: https://www.agrolink.com.br/noticias/conheca-as-ongs-negacionistas-mais-Perigosas_448764.html?utm_source=agrolink-.

VICTORIA, L. A. P. Dicionário básico de mitologia. Rio de Janeiro: Ediouro, 2000.

WEBER, M. A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo: texto integral. São Paulo: Martin Claret, 2001.

____. Economy and Society. Berkeley: University of California Press, 1978.

Downloads

Publicado

2022-07-01

Edição

Seção

Artigos