Agroecologia e produção orgânica: características que distinguem e/ou aproximam os sistemas de produção sustentáveis

Autores

  • Camila Lais Ramalho Batista Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS).
  • Janete Stoffel Professora da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), campus Laranjeiras do Sul/PR.

Palavras-chave:

Transformações tecnológicas. Agricultura alternativa. Agroecologia. Agricultura orgânica. Sistemas de produção sustentáveis.

Resumo

O artigo discute as transformações tecnológicas na agricultura, no que diz respeito às suas interações com o meio ambiente, colocando ênfase nos surgimentos de agriculturas sustentáveis e nos conceitos que sustentam a produção agroecológica e a orgânica. Com o avanço tecnológico da modernização agrícola no campo, os movimentos sociais agrícolas voltados à agricultura sustentável passaram a ganhar espaços antes inexistentes. Dentre as práticas agrícolas que consideram os equilíbrios ecológicos naturais estão a agroecologia e a produção orgânica. Para esta reflexão, o trabalho procura analisar quais as características que distinguem e quais aquelas que aproximam os sistemas de produção agroecológico e orgânico. Com base em um levantamento bibliográfico, é desenvolvida a contextualização e embasamento do texto. Observa-se que a agroecologia pode servir como base para a produção orgânica, porém, não se pode cometer o equívoco de confundir ambas, pois o conceito de agroecologia a considera como ciência, que surge a partir da procura por bases teóricas, enquanto a produção orgânica é considerada um sistema de produção. A produção orgânica dispõe de maiores debates e políticas públicas, impulsionadas por perspectivas de avanço a nível de mercado. Estas práticas têm difundido o conceito de produção orgânica, mas o aumento da escala produtiva, bem como o foco apenas na substituição de insumos agroquímicos convencionais por insumos orgânicos, não necessariamente respeita os princípios defendidos pela agroecologia, devendo-se evitar confusões quanto ao emprego correto de cada categoria.

Biografia do Autor

Camila Lais Ramalho Batista, Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS).

Graduada em Ciências Econômicas (UFFS).

Janete Stoffel, Professora da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), campus Laranjeiras do Sul/PR.

Doutorado em Desenvolvimento Regional (UNISC). 

Referências

ALMEIDA JUNIOR, A. R. A planta desfigurada. Crítica das representações da planta como máquina química e como mercadoria. São Paulo, 1995, 447 p. Tese (Doutorado) - Universidade de São Paulo.

ALMEIDA, Eduardo Simões de; PEROBELLI, Fernando Salgueiro; FERREIRA, Pedro Guilherme Costa. Existe convergência espacial da produtividade agrícola no Brasil? Rev. Econ. Sociol. Rural, Brasília, v. 46, n. 1, p. 31-52, Mar. 2008.

ALTIERI, M.A. Agroecology: the scientific basis of alternative agriculture. Boulder: Westview Press, 1987

__________. Agroecologia: as bases científicas da agricultura alternativa. 4. ed. – Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2004. 23 p.

___________. Agroecologia, agricultura camponesa e soberania alimentar. Revista Nera, n.16, p. 22-32, 2012.

ALTIERI, M; NICHOLLS, C. Agroecologia: Potenciando agricultura camponesa para reverter a fome e a insegurança alimentar no mundo. Journal of Economics Review, N ou 10, Madrid. 2010.

ALVES, E. Migração rural–urbana, agricultura familiar e novas tecnologias: coletânea de artigos revistos. - Brasília, DF: Embrapa Informação Tecnológica, 2006. 181 p.

ALVES, E; SOUZA, G. S; MARRA, R. Êxodo e sua contribuição à urbanização de 1950 a 2010. Revista de política agrícola. Ano XX – No 2 – abr./maio/jun. 2011.

ANDRADE, L.N.T.; NUNES. M.U.C. Produtos alternativos para controle de doenças e pragas em agricultura orgânica. Aracaju: Embrapa-Tabuleiros Costeiros, 2001. 20p. (Embrapa Tabuleiros Costeiros. Documentos, 281).

ASSIS, R. L.; AREZZO, D. c.; DE-POLLI, H. Consumo de produtos da agricultura orgânica no estado do Rio de Janeiro. Revista de Administração, São Paulo, v. 30, n. 1, p. 84-89, 1995.

ASSIS, Renato L.; ROMEIRO, Ademar R. Agroecologia e agricultura orgânica: controvérsias e tendências. Desenvolvimento e Meio Ambiente, Editora UFPR n. 6, p. 67-80, jul./dez. 2002.

BENINI, M. L. A; JÚNIOR, R. D. S. Traçando possibilidades metodológicas para os desafios dos estudos do consumo na agroecologia. Estudos Sociedade e Agricultura, Rio de Janeiro, v. 27, n. 2, p. 352-370, jun. 2019. Disponível em: Acesso em: 8 jan. 2021.

BRASIL. Lei nº 10831, de 23 de dezembro de 2003. Dispõe sobre a agricultura orgânica e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/2003/L10.831.htm. Acesso em: 10 de Mar de 2021.

BRASIL. Governo do Brasil. Mercado brasileiro de orgânicos fatura R$ 4 bilhões. Disponível em:< https://www.gov.br/pt-br/noticias/financas-impostos-e-gestao-publica/2019/04/mercado-brasileiro-de-organicos-fatura-r-4-bilhoes#:~:text=O%20mercado%20brasileiro%20de%20org%C3%A2nicos,de%2060%20empresas%20do%20setor.>. Acesso em: 10 de fev. 2021.

CAPORAL, Francisco R. Agroecologia: uma nova ciência para apoiar a transição a agriculturas mais sustentáveis. Desenvolvimento Rural Sustentável, Brasília: 2009. 30 p.

CAPORAL, F. R.; COSTABEBER, J. A. Construindo uma Nova Extensão Rural no Rio Grande do Sul. Agroecologia e Desenvolvimento Rural Sustentável. Porto Alegre, v.3, n.4, out/dez 2002a.

CAPORAL, F. R.; COSTABEBER, J. A. Agroecologia: alguns conceitos e princípios. Brasília: MDA/SAF/DATER-IICA, 2004. p.10-25.

CAPORAL, F. R.; COSTABEBER, J. A. Análise Multidimensional da Sustentabilidade: uma proposta metodológica a partir da agroecologia. Agroecol. e Desenv. Rur. Sustent, Porto Alegre, v. 3, n. 3, p. 70-85, jul./set. 2002b.

CAPORAL, F. R.; AZEVEDO, E. O. Princípios e perspectivas da Agroecologia. Instituto Federal de Educação, Ciência e tecnologia do Paraná. 2011.

CERTIFICATIONS CONTROLUNION. USDA – Regulamento no orgânico para os EUA. Disponível em: https://certifications.controlunion.com/pt/certification-programs/certification-programs/usda-regulamento-nop-organico-para-os-eua. Acesso em: 20 out. 2020.

CERVEIRA, R; CASTRO, M. C. Perfil socioeconômico dos consumidores de produtos orgânicos da cidade de São Paulo. Boletim Agroecológico, Botucatu, V. 3, n. 11, p. 7, 1999

CORBARI, F; MIRANDA, C. A. R; ZONIN, W. J. Agroecologia e Produção orgânica: Panorama e desafios desde o cenário global até a bacia do Paraná. Revista Geo Pantanal • UFMS/AGB • Corumbá/MS • N. 26 • 15-31 • jan./jun. 2019.

DAROLT, Moacir R. As Dimensões da Sustentabilidade: Um estudo da agricultura orgânica na região metropolitana de Curitiba-PR. Curitiba, 2000. Tese de Doutorado em Meio Ambiente e Desenvolvimento, Universidade Federal do Paraná/ParisVII. 2001.

DAROLT, Moacir Roberto. As principais correntes do movimento orgânico e suas particularidades. 2011.

DELGADO, Guilherme C. Expansão e modernização do setor agropecuário no pós-guerra: um estudo da reflexão agrária. Estud. av., São Paulo, v.15, n.43, p.157-172, Dec. 2001.

DELGADO, Guilherme. A questão agrária no Brasil, 1950-2003. In: JACCOUD, Luciana (org.). Questão social e políticas sociais no Brasil contemporâneo. Brasília: Ipea, 2009. p. 51-90. link: http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=5599

DINIZ, Belísia Lúcia M. Toscano. Cadernos de Licenciatura em Ciências Agrárias / Universidade Aberta do Brasil - Agroecologia e Agricultura Orgânica Bananeiras: Editora Universitária/UFPB, 2011. v. 7.

DULLEY, Richard D. Agricultura orgânica, biodinâmica, natural, agroecológica ou ecológica. São Paulo: Informações Econômicas, v.33, n.10, out. 2003.

ESCOBAR, A. La invención del Tercer Mundo. Construcción y descontrucción del desarrollo. Caracas: Fundación Editorial el perro y la rana, 2007.

FAO. The State of the World’s Biodiversity for Food and Agriculture. Roma: FAO Commission on Genetic Resources for Food and Agriculture Assessments, 2019.

________. Representante da FAO Brasil apresenta cenário da demanda por alimentos. Food and Agriculture Organization of the United Nations. 2017. Disponível em: https://www.fao.org/brasil/noticias/detail-events/en/c/901168/. acesso em: 21 de outubro. 2021.

FEIDEN, A. Agroecologia: Introdução e Conceitos. In: AQUINO, A. M. de; ASSIS, R. L. de. (Ed.). Agroecologia: princípios e técnicas para uma agricultura orgânica sustentável. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica; Seropédica: Embrapa Agrobiologia, 2005.

FONSECA, M. F. A. C. Agricultura orgânica: regulamentos técnicos para acesso aos mercados dos produtos orgânicos no Brasil - Niterói: PESAGRO-RIO, 2009.

FURTADO, Celso. 1959 - Formatação econômica do Brasil / Celso Furtado. - 32. ed. - Companhia Editora Nacional, 2005. - (Biblioteca universitária. Série 2, citadas sociais». v 23).

GIL, Antônio Carlos; 1946 - Como elaborar projetos de pesquisa - 4. ed. - São Paulo: Atlas, 2002.

________________. Métodos e técnicas de pesquisa social. - 6. ed. - São Paulo: Atlas, 2008.

GIRALDO, O. F.; ROSSET, P. M. La agroecología en una encrucijada: entre la institucionalidad y los movimientos sociales. Guaju, Matinhos, v.2, n.1, p. 14-37, jan./jun. 2016.

GLIESSMAN, Stephen R. Agroecologia: processos ecológicos em agricultura sustentável. Porto Alegre: Editora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul- UFRGS, 2000.

_______________. Agroecology: the ecology of sustainable food systems. 2ª ed. CRC press, 1998.

GLIESSMAN, S.; FERGUSON, B. An urgent call for deep food system change. Agroecology and Sustainable Food Systems, v. 45, n. 01, p. 1-2, 2021 Doi: https://doi.org/10.1080/21683565.2020.1831731

GRAZIANO NETO, F. Questão agrária e ecologia: crítica da moderna agricultura. São Paulo: Editora Brasiliense, 1982. (Coleção Primeiros Voos, 12).

GUBUR, D. M. P.; TONÁ, N. Agroecologia. In: CALDART, R. S.; PEREIRA, I. B.; ALENTEJANO, P. Dicionário da educação do campo. 3ª ed. Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio / Expressão popular. Rio de Janeiro, São Paulo: 2013.

GUDYNAS, E. Transições ao pós-extrativismo. Sentidos, opções e âmbitos. In: DILGER, G.; LANG, M.; FILHO, J. P. Descolonizar o imaginário. Debates sobre pós-extrativismo e alternativas ao desenvolvimento. São Paulo: Fundação Rosa Luxemburgo, 2016. p. 174-212.

GUZMÁN CASADO, G.; GONZÁLEZ DE MOLINA, M.; SEVILLA GUZMÁN, E. (coord.). Introducción a la Agroecología como desarrollo rural sostenible. Madrid: Ediciones Mundi-Prensa, 2000.

GUZMÁN, E. S. Agroecologia e desarrollo rural sustentable. In: Curso intensivo em agroecologia: princípios e técnicas ecológicas aplicadas à agricultura, 11., 2002, Seropédica. Palestra... Seropédica: Embrapa Agrobiologia, 2002. Não publicado.

HOWARD, A. Un testamento agrícola. Santiago de Chile: Imprenta Universitaria, 1947. 237 p.

KAGEYAMA, Angela. DESENVOLVIMENTO RURAL: CONCEITO E MEDIDA. Cadernos de Ciência & Tecnologia, Brasília, v. 21, n. 3, p. 379-408, set./dez. 2004.

LAKATOS, Eva. M; MARCONI, M. A. Metodologia do trabalho científico: procedimentos básicos, pesquisa bibliográfica, projeto e relatório, publicações e trabalhos científicos – 4. Ed. – São Paulo: Atlas, 1992.

LEFF, E. Agroecologia e saber ambiental. Agroecologia e Desenvolvimento Rural Sustentável. Porto Alegre, v.3, n.1, p. 36 – 51, jan. – mar, 2002.

LIMA, Sandra K. (et al). Produção e consumo de produtos orgânicos no mundo e no Brasil. Rio De Janeiro: IPEA. Texto para discussão nº 2538, janeiro de 2020.

LOPES, Paulo Rogério. LOPES, Keila Cássia Santos Araújo. Sistemas de produção de base ecológica – a busca por um desenvolvimento rural sustentável - REDD – Revista Espaço de Diálogo e Desconexão, Araraquara, v. 4, n. 1, jul/dez. 2011.

LOMBARDI-NETO, Francisco et al. Rotação de culturas: análise estatística de um experimento de longa duração em Campinas (SP). Bragantia, Campinas, v. 61, n.2, p. 127-141, Aug. 2002.

LUCENA, R. B. O PAPEL DA AGRICULTURA NO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO BRASILEIRO, 1980/1998. Porto Alegre – RG, 2000.

MAZOYER, Marcel; ROUDART, Laurence. História das agriculturas no mundo: do neolítico à crise contemporânea. São Paulo: Editora UNESP; Brasília, DF: NEAD, 2010.

MERABET, Daniel; BARROS, Denise Franca. Superando as limitações do pensamento hegemônico em marketing: um olhar sobre o mercado brasileiro de produtos orgânicos a partir do macromarketing. IN: JOHANN, Liana; DALMORO, Marlon; MACIEL, Mônica Jachetti (org.). Alimentos Orgânicos: dinâmicas da produção e comercialização. Lajeado: Editora Univates, 2019, 191p.

MONTIBELLER-FILHO, Gilberto. O mito do desenvolvimento sustentável: meio ambiente e custos sociais no moderno sistema produtor de mercadorias. 3.ed.rev.e atual. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2008, 316.

MOTTA, Ronaldo Serroa. Padrão de consumo, distribuição de renda e o meio ambiente no Brasil. Rio De Janeiro: IPEA. Texto para discussão nº 856, janeiro de 2002.

MUELLER, Charles C. Os economistas e as relações entre o sistema econômico e o meio ambiente. Brasília: Editora Universidade de Brasília. 1ª reimpressão, 2012.

NAVARRO, Zander. Desenvolvimento rural no Brasil: os limites do passado e os caminhos do futuro. Estud. av., São Paulo, v. 15, n. 43, p. 83-100, Dec. 2001. Disponível em:<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142001000300009&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 14 de março. 2021.

PADUA, Juliana, B. (et al). Agricultura familiar e produção orgânica: uma análise comparativa considerando os dados dos censos de 1996 e 2006. INTERAÇÕES, Campo Grande, v. 14, n. 2, p. 225-235, jul./dez. 2013.

PRADO Jr. Caio. História Econômica do Brasil (1945). São Paulo: Brasiliense, 2008.

PLANETA ORGÂNICO. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 007, DE 17 DE MAIO DE 1999. Disponível em: < http://planetaorganico.com.br/site/?p=2999&preview=true>. Acesso em: 15 de março. 2021.

PRIMAVESI, Ana. Revisão do conceito de agricultura orgânica: conservação do solo e seu efeito sobre a água (palestra). São Paulo: Biológico, v. 65, n.1/2, p. 69-73, jan/dez. 2003.

PRIORI, A., POMARI, L. R.; AMÂNCIO, S. M.; IPÓLITO, V. K. História do Paraná: séculos XIX e XX [online]. Maringá: Eduem, 2012. A modernização do campo e o êxodo rural. pp. 115-127.

PRODANOV, Cleber Cristiano; FREITAS, Ernani Cesar. Metodologia do trabalho científico [recurso eletrônico]: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2. ed. – Novo Hamburgo: Feevale, 2013.

REIFSCHNEIDER, Francisco José Becker. HENZ, Gilmar Paulo; RAGASSI, Carlos Francisco; ANJOS, Uander Gonçalves dos; FERRAZ, Rodrigo Montalvão. Novos ângulos da história da agricultura no Brasil– 2.ed. – Brasília, DF: Embrapa, 2010.

REZENDE, Joelito de Oliveira. AS ORIGENS DO ENSINO DA AGRONOMIA NO IMPÉRIO E SUAS REPERCUSSÕES NO BRASIL. Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, 24 e 25 de novembro de 2009.

ROTHER, E. T. Revisão sistemática X revisão narrativa. Acta Paulista de Enfermagem. 2007, v. 20, n. 2. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0103-21002007000200001. Acesso em: 10 de Agosto, 2021.

ROSSET, P.; ALTIERI, M. Agroecología: Ciencia y política. Ciudad de México: Miguel Angel Porrúa, 2019.

ROSSET, P. M.; BARBOSA, L. P. Territorialização da Agroecologia na Via Campesina. Boletim N.39 Sociedade Brasileira de Economia Ecológica (ECOECO). P.46-51, 2019. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/334259970_TERRITORIALIZACAO_DA_AGROECOLOGIA_NA_VIA_CAMPESINA. Acesso em: 16 jan. 2021.

ROSSET, P; ALTIERI, M.A. Agroecología: ciencia y política. Equador: SOCLA, 2018.

ROSSET, P. M.; BARBOSA, L. P.; VAL, V.; MCCUNE, N. Pensamiento Latinoamericano Agroecológico: the emergence of a critical Latin American agroecology? Agroecology and Sustainable Food Systems, p.01-23, jul., 2020. Doi: 10.1080/21683565.2020.1789908.

SCHNEIDER, Sergio. Situando o desenvolvimento rural no Brasil: o contexto e as questões em debate. Rev. Econ. Polit., São Paulo, v. 30, n. 3, p. 511-531, Sept. 2010. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-31572010000300009&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 11 de março. 2021.

SMANIOTTO, M. A. Tempos conservadores: estudos críticos sobre as direitas. Volume 2: Direitas no Cone Sul / Organização: Rodrigo Jurucê Mattos Gonçalves, Marcos Vinicius Ribeiro e Guilherme Ignácio Franco de Andrade. Goiânia: Edições Gárgula, 2018. 260 p.

SOUZA, Renato Santos de. Entendendo a questão ambiental: temas de economia, política e gestão do meio ambiente. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2000, 461 p.

STOFFEL, Janete; RAMBO, Anelise Graciele; EBERHARDT, Patrícia Luiza. Condições de acesso à linha do Pronaf Agroecologia no Território da Cantuquiriguaçu/PR. Redes (Santa Cruz do Sul/RS, Online), v.25, n.2, p. 809-831, maio-agosto, 2020.

STONE, Luís Fernando; SILVEIRA, P. M; MOREIRA, J. A. A. Atributos físico-hídricos do solo sob plantio direto - Santo Antônio de Goiás: Embrapa Arroz e Feijão, 2006.

UNITED STATES DEPARTAMENT OF AGRICULTURE (USDA). Relatório e Recomendações sobre Agricultura Orgânica. Brasília: CNPQ, 1984. 128 p.

WEZEL, A.; BELLON, S.; DORÉ, T.; FRANCIS, C.; VALLOD, D.; DAVID, C. Agroecology as a science, a movement and a practice. A review. Agron. Sustain. Dev., v. 29, p. 503–515, 2009. Doi: 10.1051/agro/2009004.

ZONIN, W. J. Transição agroecológica: modalidades e estágios na Região Metropolitana de Curitiba. 2007. Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Paraná. Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa. Curso de Doutorado em Meio Ambiente e Desenvolvimento. Curitiba, PR, 2007.

Downloads

Publicado

2022-03-15