Trajetórias históricas da pecuária familiar e processos de mudanças na Campanha Gaúcha/RS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26767/coloquio.v19i1,%20jan/mar.2359

Palavras-chave:

Pecuária familiar. Economia Evolucionária. Processos. Dinâmica familiar.

Resumo

O cenário agropecuário brasileiro tem sido marcado por sistemas produtivos cada vez mais intensivos em tecnologia. Porém, a heterogeneidade do rural traz a multiplicidade de sistemas produtivos, nem sempre reconhecidos, como por exemplo, a pecuária de corte na Região da Campanha no RS. Tendo em vista tal diversidade, este artigo tem como objetivo geral: identificar mudanças nos processos produtivos da pecuária familiar através de suas trajetórias históricas na Campanha Gaúcha do RS. O aporte teórico utiliza conceitos orientadores da economia evolucionária para a interpretação da realidade empírica. Nos procedimentos metodológicos, optou-se pela abordagem qualitativa e estudo de casos múltiplos. Identificou-se três casos a serem estudados, conduzidos através de entrevistas com pecuaristas familiares. Os dados foram analisados através das técnicas da análise de conteúdo temática. As categorias analisadas neste artigo foram: 1. Histórico familiar; 2. Trajetória na pecuária; 3. Práticas de gerações anteriores. Os históricos familiares evidenciam a presença geracional da pecuária dentre todos os entrevistados, embora alguns caminhos sejam distintos. Nas trajetórias dos próprios entrevistados na pecuária, alguns iniciam a atividade na propriedade da família, outros vinculam-se às trajetórias no trabalho rural e adquirem áreas próprias. Quanto às práticas de gerações anteriores, as percepções são variáveis, desde aqueles que presam por mudanças até aqueles relatam a continuidade de algumas práticas. A partir disso, os processos de mudanças na pecuária familiar podem ser percebidos como contínuos em suas trajetórias históricas, reafirmando sua capacidade de adaptação e cuidados em introduzir mudanças em seus sistemas produtivos que os descaracterizem.  

Biografia do Autor

Tatielle Belem Langbecker, Professora da Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA).

Doutorado em Extensão Rural (UFSM).  

Alessandro Porporatti Arbage, Professor da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

Doutorado em Administração (UFRGS). 

João Garibaldi Almeida Viana, Professor da Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA).

Doutorado em Agronegócio (UFRGS). 

Referências

ALDRICH, H. E.; MARTINEZ, M. A. Many are Called, but Few are Chosen: An Evolutionary Perspective for the Study of Entrepreneurship. In: CUERVO, Á.; RIBEIRO, D.; ROIG, S. (Eds.). Entrepreneurship: Concepts, Theory and Perspective. Berlin, Heidelberg: Springer Berlin Heidelberg, 2007. p. 293–311.

ALSOS, G. A.; CARTER, S.; LJUNGGREN, E. Kinship and business: how entrepreneurial househoulds facilitate business growth. Entrepreneurship & Regional Development, Aberdeen, v. 26, n. 1-2, p. 97 – 122, 2014.

BOULDING, K. E. Agricultural economics in an evolutionary perspective. American Journal of Agricultural Economics, Worcestr, v. 63, n. 5, p. 788-795, 1981.

CORAZZA, R. I.; FRACALANZA, P. S. Caminhos do pensamento neo-schumpeteriano: para além das analogias biológicas. Revista Nova Economia, Belo Horizonte, v. 14, n. 2, p. 127 – 155, 2004.

DOSI, G.; NELSON, R. An introduction to evolutionary theories in economics. Journal of Evolutionary Economics, v. 4, p. 153-172, 1994.

ELIAS, D. Agronegócio e reestruturação urbana e regional no Brasil. In: BÜHLER, Eve Anne; GUIBERT, Martine; OLIVEIRA, Valter Lúcio. Agriculturas empresariais e espaços rurais na globalização: abordagens a partir da América do Sul. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2016.

FERNANDES, L. A.; MIGUEL, V. D. A presença histórica da pecuária familiar na região da campanha do Rio Grande do Sul (Santana do Livramento, século XIX). In: WAQUIL, P. D. et al. (Orgs.). Pecuária familiar no Rio Grande do Sul: história, diversidade social e dinâmicas de desenvolvimento. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2016.

FILIPE, E. S. As instituições e os neoschumpeterianos: a noção de aprendizado a partir do pilar cognitivo da Instituições. Pesquisa & Debate, v. 19, n. 1 (33) p.15-32, 2008.

FREDIN, S. New perspectives on innovative entrepreneurship and path dependence – a regional approach. Center for Strategic Innovation Research, n. 6, p. 1-18, 2013.

FREITAS, G. S. Tecnologia no setor agrícola brasileiro: um olhar sob a ótica da teoria evolucionária. Revista Eletrônica de Administração e Turismo – ReAT, v. 2, n. 1, p. 140-154, 2013.

LANGBECKER, T. B. Trabalho e gênero: mulheres na atividade pecuária familiar no município de Encruzilhada Do Sul/RS. 2016. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Rural) – Faculdade de Ciências Econômicas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2016.

MATTE, A. Convenções e mercados da pecuária familiar no sul do Rio Grande do Sul, Brasil. 2017. 292 f. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Rural) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2017.

MCELWEE, G. The enterprising farmer: a review of entrepreneurship in agriculture. Journal of the Royal Agricultural Society of England, v. 167, p. 2006.

METCALFE, J. S. Entrepreneurship: An Evolutionary Perspective. In: BASU, A.; CASSON, M.; WADESON, N.; YEUNG, B. (Eds). The Oxford Handbook of Entrepreneurship. Oxford: Oxford University Press, 2008.

MIELITZ, C. G. A. A modernização da bovinocultura de corte brasileira. Ensaio FEE, v. 16, n. 1. p. 66-104, 1995.

MILAGRES, R. Rotinas e redes: o caso Genolyptus. REUNA, v.19, n.1, p.105-122, 2014.

MILONE, P. Agriculture in transition: a neo-institutional analysis. Perugia: Van Gorcum, 2009.

NELSON, R. Economics from an evolutionary perspective. In: NELSON, R. Modern Evolutionary Economics: an overview. New York: Cambridge, 2018.

NELSON, R.; WINTER, S. Uma teoria evolucionária da mudança econômica. Tradução de Claudia Heller. Campinas: Editora da Unicamp, 2005.

OLIVEIRA, G. N. O processo decisório na adoção de inovações na vitivinicultura da Serra Gaúcha – o Caso da Apromontes. 2014. 272 f. Tese (Doutorado em Extensão Rural) –Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2014.

OSÓRIO, H. Pastores e lavradores do Rio Grande, séculos XVIII e XIX. In: WAQUIL, P. D. et al. (Orgs.). Pecuária familiar no Rio Grande do Sul: história, diversidade social e dinâmicas de desenvolvimento. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2016.

OVERBECK, G. et al. Fisionomia dos campos. In: PILLAR, V. P.; LANGE, O. (Eds.). Os Campos do Sul. Porto Alegre: Rede Campos Sulinos/UFRGS, 2015.

PEREZ, C. Technological revolutions and techno-economic paradigms. Cambridge Journal of Economics, v. 34, p. 185-202, 2010.

PIRES, A. P. Amostragem e pesquisa qualitativa: ensaio teórico e metodológico. In: POUPART, J. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Tradução de Ana Cristina Nasser. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

POSSAS, M. L.; SALLES-FILHOS, S.; SILVEIRA, J. M. An evolutionary approach to technological innovation in agriculture: some preliminary remarks. Research Policy, v. 25, p. 933-945, 1996.

RIBEIRO, C. M. Estudo do modo de vida dos pecuaristas familiares da Região da Campanha do Rio Grande do Sul. 2009. 303 f. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Rural) –Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.

SUERTEGARAY, D. M. A.; SILVA, L.A. P. Tchê Pampa: histórias da natureza gaúcha. In: PILLAR, V. P. et al. (Orgs.) Campos Sulinos: conservação e uso sustentável da biodiversidade. Brasília: MMA, 2009.

TEECE, D. As aptidões das empresas e o desenvolvimento econômico: implicações para as economias de industrialização recente. In: KIM, L.; NELSON, R. Tecnologia, aprendizado e inovação: as experiências das economias de industrialização recente. Campinas: Editora da Unicamp, 2005.

TIGRE, P. B. Inovação e teorias da firma em três paradigmas. Revista de Economia Contemporânea, n. 3, p. 67-111, 1998.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em Ciências Sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Editora Atlas S.A., 1987.

VERGNE, J. P.; DURAND, R. The path of most persistence: an evolutionary perspective on path dependence and dynamic capabilities. Organization Studies, v. 32, n. 3, p. 1-18, 2011.

VIANA, J. G. A.; WAQUIL, P. D. Uma perspectiva evolucionária da economia agrícola: o caso da produção ovina no Brasil e Uruguai. Revista de Economia e Sociologia Rural, 52(3), 471-494. https://dx.doi.org/10.1590/S0103-20032014000300004. 2014.

VIEIRA-FILHO, J. E. R.; SILVEIRA, J. M. F. J. Modelo evolucionário de aprendizado agrícola. Revista Brasileira de Inovação, v. 10, n. 2, p. 265-300, 2011.

WINTER, S. Pursuing the evolutionary agenda in economics and management research. Cambridge Journal of Economics, v. 41, n. 3, p. 721-747, 2017.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 5. ed. Porto Alegre: Bookman, 2015.

Downloads

Publicado

2021-12-30

Edição

Seção

Artigos