Relações Brasil-Paraguai: uma abordagem econômica do crime de descaminho

Alexandre Barros da Costa, Gilson Batista de Oliveira

Resumo


O descaminho, modalidade de comércio internacional ilícito, está tipificado no artigo 334 do Código Penal Brasileiro. O objetivo principal deste trabalho é identificar quais foram os fatores determinantes do descaminho do Paraguai para o Brasil no período de 2006 a 2016, através de um modelo econométrico e tendo como suporte teórico a teoria econômica racional de Gary S. Becker (1968). Os objetivos específicos são: a) verificar o grau de influência de cada fator determinante identificado; e b) identificados os fatores determinantes e observado o grau de influência de cada um deles, subsidiar os formuladores de políticas públicas na elaboração de uma estratégia mais eficiente de combate ao descaminho. Para tanto, foi realizada uma pesquisa quantitativa, proposto um modelo econométrico e, para obtenção dos resultados, aplicado o método da Regressão Logarítmica, modelo log-log. Os resultados do modelo econométrico indicaram que uma variação positiva de 1% na taxa de câmbio, na renda dos Brasileiros e nas operações provoca uma variação de 1,72% (negativa), 1,54% (positiva) e 0,09% (negativa) no descaminho, respectivamente. Diante destes resultados, a política pública que se propõe para o combate ao descaminho é a criação de uma “Zona Franca Binacional” na fronteira entre Brasil e Paraguai, bem como a criação de uma “Área Integrada de Controle Aduaneiro” para fiscalização e compartilhamento de informações entre os dois países no contexto de um regime preferencial de tributação denominado de “Regime de Turismo”.


Texto completo:

PDF

Referências


Alves, D., Pereda, P., Grimaldi, D., Fraga, A. Estimação da Elasticidade-Preço da Demanda dos Clientes Comerciais e Industriais da SABESP. Fundação Instituto de Pesquisas Econômias (FIPE). São Paulo, fevereiro/2009. Disponível em: . Acesso em: 21 abr. 2020.

Balbinotto , G. Economia do Comportamento Humano: teoria econômica do crime. Notas de Aula. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2019. Disponível em: < https://www.ufrgs.br/ppge/giacomo/wp-content/uploads/2019/03/AULA-10-ECONOMIA-DO-CRIME.pdf>.Acesso em: 22 mar. 2020.

Becker, G. S. Crime and Punishment: An Economic Approach. Journal of Political Economy. Vol. 76, p. 169-217, 1968. Disponível em: . Acesso em: 22 mar. 2020.

Bochenek, A. C. A Fronteira no Cenário do Delito. In: BARROS, L., LUDWIG, F. (Re) Definições das fronteiras. Visões Interdisciplinares. Curitiba: Juruá, 2016, p. 117-129.

Borba, P., Cepik, M. Crime organizado, estado e segurança internacional. Contexto Internacio-nal. Vol.33, nº02, p. 375-405, jul/dez de de 2011, Rio de Janeiro (RJ). Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S010285292011000200005&script=sci_abstract&tlng=pt >. Acesso em: 22 mar. 2020.

Braga, F. L., Oliveira, A. C. A Influência da Taxa de Câmbio e Renda Mundial Sobre as Expor-tações Brasileiras de Soja (2000-2015). Revista de Economia e Sociologia Rural. Vol. 56, n º 04, p. 663-680, Out./Dez. De 2018. Piracicaba (SP). Disponível em: . Acesso em: 29 mar. 2020.

Brasil. Decreto 6759 – Regulamento Aduaneiro. Brasília: Presidência da República, 2009. Dispo-nível em: . Acesso em: 22 mar. 2020.

Brasil. Decreto-Lei nº 2.848 – Código Penal. Rio de Janeiro: Presidência da República, 1940. Dis-ponível em: . Acesso em: 22 mar. 2020.

Brasil. Portaria do Ministério da Economia nº 440, de 30 de julho de 2010. Disponível em: < http://www.fazenda.gov.br/acesso-a-informacao/institucional/legislacao/portarias-ministeriais/2010/portaria440 >. Acesso em: 23 abr 2020.

Brasil. Portaria do Ministério da Economia nº 601, de 12 de novembro de 2019. Disponível em: < http://www.in.gov.br/web/dou/-/portaria-n-601-de-12-de-novembro-de-2019-227985765 >. Acesso em: 23 abr. 2020.

Brasil. Supremo Tribunal Federal (STF). HABEAS CORUPUS: 136958/RS. Relator: Ministro Ricardo Lewandowski. Data de Julgamento: 04/04/2017, Segunda Turma, Data de Publicação: 27/04/2017. Dje: 87. Disponível em JusBrasil, 2017: . Acesso em: 22 mar. 2020.

Brasil. Supremo Tribunal Federal (STF). HABEAS CORUPUS: 130453/MT. Relator: Ministro Edson Fachin. Data de Julgamento: 08/08/2017, Segunda Turma, Data de Publicação: 23/08/2017. Dje: 186. Disponível em JusBrasil, 2017: . Acesso em: 22 mar. 2020.

Cardin, E. G. Sacoleiros e Laranjas na Tríplice Fronteira: Uma Análise da Precarização do Traba-lho no Capitalismo Contemporâneo. Dissertação apresentada à Universidade Estadual Paulista como requisito parcial para a obtenção do título de Mestre em Sociologia. Araraquara (SP), 2006. Disponível em: . Acesso em : 29 mar. 2020.

Cardoso, L. E. D., Gonçalves, J. Análise Econômica do Crime: abordagem acerca da aplicação do princípio da eficiência econômico-social em matéria penal. Revista de Criminologias e Políticas Criminais. Vol. 2, nº 2, p. 77 - 98 , Jul/Dez. 2016. Curitiba (PR). Disponível em: . Acesso em: 22 mar. 2020.

Carneiro, F. L. Estimando a influência da taxa de câmbio sobre os fluxos de comércio exteri-or Brasileiro. Texto para discussão / Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – Brasília. Rio de Janeiro : IPEA, 2014. Disponível em: . Acesso em: 29 mar. 2020.

Cerqueira, D., Waldir, L. Determinantes da criminalidade: arcabouços teóricos e resultados empíricos. DADOS – Revista de Ciências Sociais. Vol. 47, nº 2, p. 233-269. Rio de Janeiro, 2004. Disponível em: < http://www.ipea.gov.br/atlasviolencia/artigo/5/determinantes-da-criminalidade-arcaboucos-teoricos-e-resultados-empiricos> . Acesso em: 22 mar. 2020.

César, G. Integração Produtiva Paraguai-Brasil: novos passos no relacionamento bilateral. Boletim de Economia e Política Internacional. Nº 22. Brasília: IPEA, Jan./Abr. de 2016, p.19-32. Disponível em: . Acesso em: 22 mar. 2020.

Clemente, A, Welters, A. Reflexões sobre o modelo original da economia do crime. Revista de Economia, v. 33, n.º 2 (ano 31), p. 139-157, jul./dez. 2007. Curitiba: Editora UFPR. Disponível em: . Acesso em: 22 mar. 2020.

Conti, T. V., Justus, M. A história do pensamento econômico sobre crime e punição de Adam Smith a Gary Becker: Parte I. Texto para discussão – Instituto de Economia da Unicamp. Dispo-nível em: < www.eco.unicamp.br> . Acesso em: 22 mar. 2020.

Costa, A. B, Dolzan, R. R., Silva, M. A. O Custo Triangular: reexportação e descaminho nas re-lações Brasil-Paraguai. In: BARROS, L., LUDWIG, F. (Re) Definições das Fronteiras: desafios para o século XXI. Foz do Iguaçu: IDESF, 2019, p. 49-64.

Costa, A. B, Silva, M. A. A Tríplice Fronteira e a aprendizagem do contrabando: da “era dos comboios” à “era do crime organizado”. In: BARROS, L., LUDWIG, F. (Re)Definições de frontei-ras: velhos e novos paradigmas. Foz do Iguaçu: IDESF, 2018, p. 163-177.

Diallo, M., Silva, M.A. Notas Introdutórias: o pós-guerra fria e a inserção internacional da Tríplice Fronteira. Revista Orbis Latina. Vol. 9, nº 02, p. 223-231, jul/dez de 2019. Foz do Iguaçu (PR). Disponível em: < https://revistas.unila.edu.br/index.php/orbis > . Acesso em: 22 mar. 2020.

Froyen, R. T. Macroeconomia. Tradução da 5ª Edição. São Paulo: Saraiva, 1999.

Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial - ETCO. “Brasil perde R$ 193 bilhões para o mercado ilegal”. Publicado em 14/03/2019. Disponível em: < https://www.etco.org.br/noticias/Brasil-perde-r-193-bilhoes-para-o-mercado-ilegal/> . Acesso em: 22 mar. 2020.

Guillén, S. Diversificación y quiebre estructural de las exportaciones paraguayas. Observatorio de Economía Internacional (OBEI), Centro de Análisis y Difusión de la Economía Paraguaya (CA-DEP), jun. 2013. Disponível em: < http://www.cadep.org.py/2015/10/diversificacionyquiebre-estructural-de-las exportaciones-paraguayas-2/> . Acesso em: 22 mar. 2020

Hoffmann, R. Estatística para Economistas. Edição: 4ª. São Paulo: Cengage Learning, 2006.

Lisboa, M.T., Silva, M.A. Criminalidade no século XXI e a Tríplice Fronteira: reflexões a partir de Coleman, Naim e Robinson. Revista Espaço Acadêmico. Vol. 18, nº 214, p. 68-77, mar-ço/2019. Maringá/PR. Disponível em: . Acesso em: 22 mar. 2020.

Maia, A. G. Econometria: conceitos e aplicações. São Paulo: Saint Paul, 2019. E-book. ISBN: 9788580041385. Disponível em: . Acesso em: 21 abr. 2020.

Mariano, R. S. Fatores Socioeconômicos da Criminalidade no Estado de São Paulo. Disserta-ção apresentada ao programa de Pós-Graduação em Economia da Pontifícia Universidade Cató-lica de São Paulo para obtenção do título de Mestre em Economia. São Paulo, 2010. Disponível em: < https://tese2.pucsp.br/handle/handle/9414> . Acesso em: 22 mar. 2010.

Masi, F. Paraguai-Brasil e o projeto MERCOSUL. Política Externa. Vol. 14, nº 03, p.23-32. São Paulo: Editora Paz e Terra, 2006.

Oliveira, C. A. Ensaios em Economia do Crime: dissuasão, armas e carreira criminosa. Tese apresentada ao programa de Pós-Graduação em Economia da Faculdade de Economia da Uni-versidade Federal do Rio Grande do Sul para obtenção do título de Doutor em Economia, enfâse em Economia Aplicada. Porto Alegre, 2011. Disponível em: . Acesso em: 22 mar. 2020.

Oliveira, N. M., Nobrega, A.M., Medeiros, M.R. Desenvolvimento econômico e regional se-gundo a teoria da base de exportação. Revista Tocantinense de Geografia, Ano 01, nº01, p.51-65, jul/dez de 2012. Araguaína (TO). Disponível em: Acesso em: 22 mar. 2020.

Paraguai. Banco Central do Paraguai (BCP). Disponível em: . Acesso em: 22 mar. 2020.

Paschoalino, P. T., Caldarelli, C. E., Parré, J. Taxa de Câmbio e Renda Externa como determi-nantes da balança comercial de produtos básicos no estado do Paraná, 2000 a 2015. Revista de Economia. Vol. 43, nº 2 (ano 40), mai./ago. 2016. Disponível em: < https://revistas.ufpr.br/economia/article/view/51643 > . Acesso em: 29 mar. 2020.

Schaefer, G. J., Shikida, P. Economia do crime: elementos teóricos e evidencias empíricas. Re-vista Análise Econômica. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Vol. 19, nº 36, p.195-217, mar/set de 2001, Porto Alegre (RS). Disponível em: . Acesso em: 22 mar. 2020.

Werner, G. C. O Crime Organizado Transnacional e as Redes Criminosas: presença e influência nas relações internacionais contemporâneas. Tese (Doutorado em Ciência Política). Universidade de São Paulo. São Paulo, 2009. Disponível em: . Acesso em: 22 mar. 2020.




DOI: https://doi.org/10.26767/coloquio.v18i2.2039

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.