Comunidade que sustenta a agricultura (CSA): representa uma tendência de transição do sistema agroalimentar?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26767/coloquio.v19i1,%20jan/mar.2352

Palavras-chave:

comunidade que sustenta a agricultura; regime alimentar; transição agroalimentar.

Resumo

A partir das discussões nos círculos acadêmicos, políticos e econômicos sobre o sistema produtivo existente nas últimas décadas, questiona-se a transição do sistema agroalimentar, pensando-se, nesse contexto, a comunidade que sustenta a agricultura (CSA), se esta poderia representar uma tendência dessa mudança. No sentido de ser um movimento internacional, que busca implementar uma rede comunitária alimentar periurbana, promovendo o fortalecimento da agricultura familiar por meio do financiamento prévio da produção, gerando uma estabilidade financeira ao agricultor. Por conseguinte, este artigo visa observar a CSA, de modo a descrever as características de produção, distribuição e desenvolvimento dessa comunidade no Distrito Federal. Nos resultados, pode-se observar que a transição do regime agroalimentar ocorre de forma regular, com surgimento de alguns movimentos que buscam minimizar os impactos ambientais, até mesmo com a grande indústria tendo que se adaptar aos protocolos internacionais, com condicionalidades. Ao mesmo tempo, com a população mais urbanizada, necessita-se de um mercado próximo para abastecer essa demanda, com consumidores mais ativos e preocupados com questões além da sua dieta. Logo, as CSAs acabam por atingir pequenos nichos que não têm o peso econômico ou o poder de produzir a transformação necessária do sistema agroalimentar, mas têm a possibilidade de se apresentar como um gérmen de uma mudança, ao propor um novo modelo de articulação entre produtores e consumidores, bem como disseminar e aumentar a influência sobre outros agentes para adotar tal modelo.

Biografia do Autor

Marina de Camargo Santos Neta, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Agronegócios (UFRGS). 

Glauco Schultz, Professor dos Programas de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural e em Agronegócios da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Doutorado em Agronegócios (UFRGS). .  Email:

Marcelino Souza, Professor dos Programas de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural e em Agronegócios da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Doutorado em Engenharia Agrícola (UNICAMP). 

Referências

BORSELLINO, V.; SCHIMMENTI, E.; EL BILALI, H. Agri-food markets towards sustainable patterns. Sustainability, v. 12, n. 6, p. 2193, 2020.

BOUGHERARA, D.; GROLLEAU, G.; MZOUGHI, N. Buy local, pollute less: What drives households to join a community supported farm? Ecological Economics, v. 68, n. 5, p. 1488-1495, 2009.

CECHIN, A.; SILVA ARAÚJO, V. da; AMAND, L. Exploring the synergy between Community Supported Agriculture and agroforestry: Institutional innovation from smallholders in a Brazilian rural settlement. Journal of Rural Studies, v. 81, n. October 2020, p. 246-258, 2020.

COMPANHIA DE PLANEJAMENTO DO DISTRITO FEDERAL – CODEPLAN. Atlas do Distrito Federal 2017. Disponível em: http://www.codeplan.df.gov.br/wp-content/uploads/2018/05/Atlas-do-Distrito-Federal-2017.pdf. Acesso em: 26 ago. 2020.

CSA BRASIL. Disponível em: http://www.csabrasil.org/csa/. Acesso em: 26 ago. 2020.

CSA BRASÍLIA. Disponível em: https://csabrasilia.wordpress.com/. Acesso em: 26 ago. 2020.

HINRICHS, C. C. Embeddedness and local food systems: notes on two types of direct agricultural market. Journal of Rural Studies, v. 16, n. 3, p. 295-303, 2000.

INTERNATIONAL FUND FOR AGRICULTURAL DEVELOPMENT – IFAD. Rural Development Report 2016: Fostering Inclusive Rural Transformation. Rome, Italy: IFAD, 2016.

JAPAN ORGANIC AGRICULTURE ASSOCIATION – JOAA. What is organic agriculture? Disponível em: https://www.1971joaa.org/%E6%9C%AC%E4%BC%9A%E3%81%AB%E3%81%A4%E3%81%84%E3%81%A6/about-us/about-us-html/. Acesso em: 02 de abril de 2021.

JUNQUEIRA, A. H.; MORETTI, S. L. do A. Comunidade que Sustenta a Agricultura (CSA): tecnologia social de venda direta de alimentos e de revalorização das identidades alimentares territoriais. Estudos Sociedade e Agricultura, v. 26, n. 3, p. 517-538, out. 2018.

PASCUCCI, S. Governance Structure, Perception and Innovation in Credence Food Transactions: The Role of Community Networks. Proceedings in Food System Dynamics, v. 0, n. 0, p. 647-660, 2010.

PINTO, M. E. M. et al. Alimentação saudável: prevenindo a síndrome metabólica. Segurança Alimentar e Nutricional, v. 23, n. 2, p. 944-954, 2016.

PREISS, P. V. As alianças alimentares colaborativas em uma perspectiva internacional: afetos, conhecimento incorporado e ativismo político. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Rural) – Faculdade de Ciências Econômicas, Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2017.

SCHNEIDER, S.; SCHUBERT, M. N.; ESCHER, F. Regimes agroalimentares e o lugar da agricultura familiar: uma apresentação ao debate. Revista Mundi Meio Ambiente e Agrárias, Curitiba, PR, v. 1, n. 1, p. 3.1-3.20, jan./jun. 2016.

SELLTIZ, C.; WRIGHTSMAN, L. S.; COOK, S. W. Métodos de pesquisa das relações sociais. São Paulo: Herder, 1965.

UNITED NATIONS. Transforming Our World: The 2030 Agenda for Sustainable Development; Resolution adopted by the General Assembly on 25 September 2015. New York, NY, USA: United Nations, 2015.

WOODS, T.; ERNST, M.; TROPP, D. Community supported agriculture: new models for changing markets. United States Department of Agriculture, Agricultural Marketing Service, 2017.

Downloads

Publicado

2021-12-30

Edição

Seção

Artigos