Redes organizacionais como alternativa para gestão hospitalar: o Sindicato dos Hospitais Beneficentes, Religiosos e Filantrópicos do Vale do Rio Pardo (SINDHVARP)

Vanderlei Trindade da Fontoura, Silvio Cezar Arend

Resumo


Os hospitais nasceram do nobre espírito de cuidar dos que necessitavam, há séculos desempenham a missão de ser solução em saúde curativa e preventiva para suas cidades e região. Por sua importância, seus prejuízos operacionais têm sido financiados com muitas dificuldades e, especialmente com a evolução tecnológica, tornaram-se pesadas estruturas, complexas e com custos elevados. Este estudo se propôs, através de uma revisão da literatura e entrevistas com os gestores hospitalares, a compreender parte da realidade institucional dos Hospitais Filantrópicos e Comunitários, como essas organizações interagem com a sua região, seus desafios e seus ativos relacionais, especialmente os integrantes do Sindicato dos Hospitais Beneficentes, Religiosos e Filantrópicos do Vale do Rio Pardo (SINDHVARP). O objetivo foi identificar os principais benefícios do Sindicato como um modelo de rede, na sustentabilidade das organizações e no desenvolvimento da assistência à população, bem como os benefícios das redes organizacionais, através dos seus preceitos teóricos e na visão de seus principais executivos. Os resultados revelam que, isoladamente, as organizações lutam fragilizadas para cumprir sua missão e pouco integram forças que precisariam ser compartilhadas para vencer suas maiores adversidades. Também é proposta uma metodologia de financiamento da atividade hospitalar, com valores fixos e por região, para futuros estudos, que também fortaleçam os elos regionais entre as instituições, com a rede básica utilizando a pesquisa e a prevenção como estratégia principal.

Texto completo:

PDF

Referências


ANTUNES, J. L. F. Hospital: instituição e história social. São Paulo: Letras e Letras, 1991.

BOISIER, S. Teorias y metáforas sobre desarrollo territorial. Santiago de Chile: CEPAL, Naciones Unidas, 1999.

BORBA, V. R. Do Planejamento ao Controle de Gestão Hospitalar. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2006.

BRASIL. Ministério da Saúde. Anuário Estatístico da Saúde do Brasil – 2001. Recursos Físicos. 2001. Brasília. Disponível em: . Acesso em: 10 ago. 2014.

______. Ministério da Saúde. Cadastro Nacional dos Estabelecimentos de Saúde no Brasil (CNES), 2010. Brasília. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2014.

______. Presidência da República. Constituição Federal da República. 1988. Disponível em: . Acesso em: 10 ago. 2014.

CARVALHO, M. C. B. Avaliação Participativa: uma escolha metodológica. São Paulo: Cortez, 1999.

CASTELLS, M. A sociedade em Rede: a era da informação: economia, sociedade e cultura. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

CHERUBIN, N. A.; SANTOS, N. A. Administração Hospitalar: fundamentos. São Paulo: Cedas, 1997.

CHRISTENSEN, C. M. Inovação na Gestão da Saúde. São Paulo: Artmed, 2009.

GOES, R. Manual prático da Arquitetura Hospitalar. São Paulo. Edgard Blucher, 2004.

KELLY, K. A nova biologia dos negócios. In: GIBSON, R. Repensando o futuro. São Paulo: MAKRON Books, 1998.

LONDOÑO, M; MORERA, G; LAVERDE, P. Administração Hospitalar. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara, 2003.

MACHADO, R. A medicina social e constituição da psiquiatria no Brasil. Rio de Janeiro: Graal, 1978.

MARCON, C.; MOINET, N. Estratégia – Rede. Caxias do Sul: Educs, 2001.

MENDES, E. V. Os sistemas de serviços de saúde: o que os gestores deveriam saber sobre essas organizações complexas. Fortaleza: Escola de Saúde Pública do Ceará, 2002.

MIRSHAWKA, V. Hospital: fui bem atendido. São Paulo: Makron Books, 1994.

OLIVA, F. A; BORBA, V. R. Balanced Scorecard, Ferramentas Gerenciais para Organizações Hospitalares. São Paulo: Látria, 2004.

PAIM, J. S.; ALMEIDA, F. N. A crise da saúde pública e a utopia da saúde coletiva. Salvador: Casa da Qualidade, 2000.

RIVERA, F. J. U. Análise Estratégica em Saúde e Gestão pela Escuta. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2003.

SANTOS, M. Guerra dos Lugares. Áreas inteiras do Brasil têm sido retiradas do controle do país. Especial para a Folha. Publicado em 8 set. 99, caderno Mais! Folha de São Paulo: São Paulo, 1999.

SANTOS, M. Economia Espacial: críticas e alternativas. 2. ed. São Paulo: Edusp, 2003.

TEIXEIRA, J. Assuntos Hospitalares na Visão Jurídica. São Paulo: Pró-Saúde, 2008.

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL. Laboratório de Geoprocessamento da Unisc. Regionalização do COREDE/VRP, SINDHVARP e 8a e 13a CRS. Santa Cruz do Sul: Unisc,

VALE, G. M. V. Territórios vitoriosos: o papel das redes organizacionais. Rio de Janeiro: Garamond, 2007.

WEIGELT, L. D. Política Pública de Saúde: um estudo sobre o processo de implementação da descentralização/regionalização da saúde na região do Vale do Rio Pardo - RS.

Tese (Doutorado em Desenvolvimento Regional) – Universidade de Santa Cruz do Sul, Santa Cruz do Sul 2006.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman, 2001.




DOI: https://doi.org/10.26767/coloquio.v12i1.225

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.