Metropolização: novas territorialidades, novas dinâmicas espaciais e novas condições de urbanização em cidades de maior influência no oeste catarinense

Cláudio Machado Maia, Aparicio Rolim

Resumo


O presente artigo discute sobre o crescimento das regiões metropolitanas, assim como o contexto da região metropolitana de Chapecó e cidades influentes (Concórdia, Xanxerê, São Miguel do Oeste, Maravilha e Pinhalzinho) na rede urbana do oeste catarinense. Contribui-se ao debate acerca das cidades médias e os processos recentes de regionalização, a partir da consideração do processo de reestruturação das agroindústrias e a interdependência entre o urbano e o rural na região. Busca explicitar os reflexos desse processo para a reestruturação urbana, e as transformações na forma das cidades em escala intra-urbana. Para tanto, foram considerados dados econômicos e populacionais, a partir de fontes primárias e secundárias, além de trabalhos de campo, bem como contextualização do processo de formação da rede urbana na região. Embora evidente o dinamismo econômico caracterizado na região, alguns gargalos podem ser identificados, como a questão em torno da mobilidade e oferta de transporte coletivo em termos de reduzir atrasos de tempo.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBA, Rosa S. Espaço Urbano: os agentes da produção em Chapecó. Chapecó: Argos, 2002.

ANJOS, F. A. O sistema urbano multi-polarizado de Santa Catarina. In: SPOSITO, M.E.B. (Org.). Cidades Médias: espaços em transição. 1ed. São Paulo: Expressão Popular, 2007. v.1. p.413-437.

ASCHER, F. Métapolis ou l’avenir des villes. Paris: Odile Jacob, 1995.

BAVARESCO, P. R. 2005. Ciclos econômicos regionais: modernização e empobrecimento no Extremo Oeste catarinense. Chapecó, Argos.

BENFATTI, Denio M.; QUEIROGA, Eugenio F.; SILVA, Jonathas M. Transformações da metrópole contemporânea: novas dinâmicas espaciais, esfera da vida pública e sistemas de espaços livres. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais. v.12. n.1. p.29-43. mai.2010.

BOERI, S. Apuntes para un programa de investigación. In: FORT, F.; ARC, M. J. (Org.). Mutaciones. Barcelona: Revue Centre d’Architectures, 2003.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística 2007. Regiões de Influência das Cidades 2007. Rio de Janeiro: IBGE. Disponível em: <>. Acesso em mai. 2013.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística 1996 e 2006. Censos Agropecuários. Disponível em: <>. Acesso em ago. 2012.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística 1960, 1970, 1980, 1991, 2000, 2010. Censos Demográficos. Disponível em: <>. Acesso em out. 2012.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística 2011. Indicadores Sociais Municipais 2010: incidência de pobreza é maior nos municípios de porte médio Comunicação Social. Disponível em: <>. Acesso em out. 2012.

RENK, Arlene. A luta da erva: um ofício étnico no Oeste Catarinense. Chapecó: Grifos, 1997.

SEBRAE-SC. Santa Catarina em Números. Florianópolis: Sebrae/SC, 2010. Disponível em: <>. Acesso em out. 2012.

SIEBERT, C. Panorama do planejamento regional em Santa Catarina: da centralização à construção da solidariedade regional. In: ______ (org.) Desenvolvimento Regional em Santa Catarina: reflexões, tendências e perspectivas. Blumenau: Edifurb, 2001.

VIEIRA, P.F.; CUNHA, I.J. Repensando o Desenvolvimento Catarinense. In: VIEIRA, P.F. (org.). A Pequena produção e o modelo catarinense de desenvolvimento. Florianópolis: APED, 2002.




DOI: https://doi.org/10.26767/coloquio.v10i2.21

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.