Agricultura familiar em busca de renda monetária e a relativização da sustentabilidade

Eliziário Noé Boeira Toledo, Valdecir José Zonin

Resumo


O artigo buscou problematizar se as necessidades de renda extraordinária dos agricultores familiares relativizam a adoção de práticas produtivas amigáveis às demandas da sustentabilidade ambiental. Visou apresentar indicadores de excedentes monetários e das práticas sustentáveis, que porventura tenham sido adotadas pelos agricultores familiares no desenvolvimento das atividades agropecuárias. Foi adotada a modalidade de estudo de caso levantando as informações por meio da coleta de dados quantitativos realizadas no ano de 2019, utilizando questionários padronizados aplicados aos 54 informantes localizados nos municípios de Sertão, Barão de Cotegipe e Viadutos, região do Alto Uruguai do estado do Rio Grande do Sul, e complementadas por mais 10 entrevistas qualitativas. Utilizou-se os argumentos teóricos defendidos pela Perspectiva Orientada ao Ator (POA) e da agência humana. Os dados permitiram aludir que as demandas defendidas pela sustentabilidade ambiental estão sendo preteridas como prioridades dos agricultores, cujos recursos, infraestrutura, habilidades produtivas e técnicas foram alocadas na produção prioritária de excedentes econômicos.

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAMOVAY, R. O paradigma do capitalismo agrário em questão. São Paulo: Edusp, 2012.

ALVES, E.; ROCHA, D. D. P. Ganhar tempo é possivel? In: GASQUES, J. G.; FILHO, J. E. R. V.; NAVARRO, Z. A agricultura brasileira: desempenho, desafios e perspectivas. Brasília:

IPEA, 2010. p. 275-290.

AQUINO, J.; SCHNEIDER, S. O Pronaf e o desenvolvimento rural brasileiro: avanços, contradições e desafios para o futuro. In: GRISA, K.; SCHNEIDER, S. Políticas públicas de desenvolvimento rural no Brasil. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2015. p. 53-81.

AUDITORIA CIDADÃ DA DÍVIDA, 2018. Boletim Informativo, ano 1, volume 1 - 2018. Disponível em: . Acesso em: 2 mai. 2019.

BERNSTEIN, H. Dinâmicas de classe e mudanças agrárias. São Paulo: Editora Unesp, 2011.

BOURDIEU, P. Razões práticas: sobre a teoria da ação. Campinas: Papirus, 1996.

_______. Meditações pascalianas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

BRASIL. Lei 12.512 de 14 de outubro de 2011. Institui o Programa de Apoio à Conservação Ambiental e o Programa de Fomento às Atividades Produtivas Rurais, 2011. Disponível em: . Acesso em: 28 mai. 2019.

BRUM, A. J. Modernização da agricultura no Planalto Gaúcho. Ijuí: FIDENE, 1983.

BUAINAIN, A. M. et al. Sete teses sobre o mundo rural brasileiro. Revista de Política Agrícola, Brasília, 22, n. 2, abr/jun. 2013. p. 105-121.

_______. et al. O mundo rural no Brasil do século 21: a formação de um novo padrão agrário e agrícola. Brasília: Embrapa, 2014.

_______.; GARCIA, R. Os pequenos produtores rurais mais pobres ainda tem alguma chance como agricultores? In: NAVARRO, Z.; CAMPOS, S. K. A pequena produção rural e as tendências do desenvolvimento agrário brasileiro: ganhar tempo é possível? Brasília: Centro de Gestão de Estudos Estratégicos, 2013. p. 29-70.

BURSZTYN, M.; BURSZTYN, M. A. Fundamentos de política e gestão ambiental: os caminhos do desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro: Garamond, 2012.

_______.; PERSEGONA, M. A grande transformacao ambiental: uma cronologia da dialética homem-natureza. Rio de Janeiro: Garamond, 2008.

CARAVALHEIRO, E. M.; GARCEZ, D. Da perspectiva orientada a ator ao processo de mercantilização: o caso da produção de banana ecológica no litoral norte do Rio Grande do Sul. XLV Congresso Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural. Londrina. 2007.

COMISSÃO MUNDIAL SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO. Nosso Futuro Comum. Rio de Janeiro: Editora da FGV, 1991.

COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO. Acompanhamento da Safra Brasileira - Grãos. Conab, 2019. Disponível em: . Acesso em: 19 mai 2019.

CONTERATO, M. A. Dinâmicas regionais de desenvolvimento rural e estilos de agricultura familiar: uma análise a partir do Rio Grande do Sul. Tese de doutorado. Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural. Faculdade de Ciências Econômicas. Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Porto Alegre: 2008.

_______. et al. Mercantilização e mercados: a construção da diversidade da agricultura na ruralidade contemporânea. In: SCHNEIDER, S.; GAZOLLA, M. Os atores do Desenvolvimento Rural: perspectivas teóricas e práticas sociais. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2011. p. 67-89.

DOWBOR, L. Democracia econômica: um passeio pelas teorias. Fortaleza: Banco do Nordeste, 2007.

GARCIA JÚNIOR, A. O Sul: caminho do roçado; estratégias de reprodução camponesa e transformação social. São Paulo: Marco Zero. Universiade de Brasília, v. MCf-CNPq, 1989. 286 p.

GASQUES, J. G.; BASTOS, E. T. Gastos públicos e o desenvolvimento da agropecuária brasileira. In: ANTÔNIO MÁRCIO BUAINAIN, E. A.; JOSÉ MARIA SILVEIRA, Z. N. O mundo rural no Brasil do século 21: a formação de um novo padrão agrário e agrícola. Brasília: Embrapa, 2014. p. 866-890.

GAZOLLA, M. Agricultura familiar, segurança alimentar e políticas públicas: uma análise a partir da produção para o autoconsumo no território do Alto Uruguai (RS). Dissertação de mestrado. Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural. Faculdade de Ciências Econômicas. Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Porto Alegre: 2004.

GIBBS, J. Planeta dos humanos. Youtube, 2020. Disponivel em: . Acesso em: 19 mai 2020.

GIDDENS, A. A constituição da sociedade. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

GUEDES, A. C.; CAZELLA, A. A.; CAPELLESSO, A. J. O arrendamento de terras no Brasil: subsídios para políticas públicas. Revista Grifos, Chapecó, n. 44, 2018.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo 2010 - Rio Grande do Sul. 2010. Disponível em: . Acesso em: 7 abr. 2019.

_______. Censo Agropecuário 2017. 2017. Disponível em: . Acesso em: 28 mai. 2019.

JEAN, B. A forma social da agricultura familiar contemporânea: sobrevivência ou criação da economia moderna. Cadernos de Sociologia, Porto Alegre, v. 6, p. 51-75, 1994.

LEFF, E. Ecologia y capital: racionalidade ambiental, democracia participativa y desarollo sustentable. Mexico: Siglo Veintiuno, 1986.

LONG, N. Introdução à sociologia do desenvolvimento rural. Rio de Janeiro: Zahar, 1982. 370 p.

_______. Development sociology: actor perspectives. London: Routlege, 2001. 293 p.

_______. Sociología del desarrollo: una perspectiva centrada en el actor. México: Centro de Investigaciones y Estudios Superiores en Antropología Social: El Colegio de San Luis, 2007. 504 p.

MARTINS, R. C. A construção social do valor econômico da água: estudo sociológico sobre agricultura, ruralidade e valoração ambiental no estado de São Paulo. Universidade de São Paulo. São Carlos. 2004.

MONSMA, K. Repensando a escolha racional e a teoria da agência: fazendeiro de gado e capatazes no século XIX. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, 15, n. 43, jun 2000. p. 83-11.

MOSCOVICI, S. A máquina de fazer deuses. Rio Janeiro: Imago, 1990.

NAVARRO, Z. O mundo rural no novo século: um ensaio de interpretação. In: FILHO, J. E. R. V.; GASQUES, J. G.; CARVALHO, A. X. Y. D. Agricultura, transformação produtiva e sustentabilidade. Brasília: IPEA, 2016. p. 25-64.

_______. Desenvolvimento rural no Brasil: os limites do passado e os caminhos do futuro. Estudos Avançados, 15, n. 43, 2001. p. 83-100.

_______. ; PEDROSO, M. T. A agricultura familiar no Brasil: da promessa inicial aos impasses do presente. Fortaleza, p. 7-20, ou/dez 2014. Disponível em: . Acesso em: 16 mai. 2019.

_______.; PEDROSO, M. T. M. Agricultua familiar: é preciso mudar para avançar. Texto para Discussão, Brasília, v. 42, 2011.

NIEDERLE, P. Mercantilização, estilos de agricultura e estratégias reprodutivas dos agricultores familiares de Salvador das Missões (RS). Dissertação de mestrado. Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural. Faculdade de Ciências Econômicas. Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Porto Alegre: 2007.

OLIVEIRA, W. M. D.; FILHO, J. E. R. V. Sucessão dos negócios na agricultura: experiências internacionais e políticas públicas. IPEA, 2019. Disponível em: . Acesso em: 28 abr. 2019.

PLOEG, J. D. V. D. Labor, markets, and agricultural production. Boulder: Westview Press, 1990.

_______. Ecología, campesinato y historia. Madrid: Las Ediciones de la Piqueta, 1992. p. 153-195 p.

POLANYI, K. A grande transformação: as origens da nossa época. Rio de Janeiro: Elsevier, 2000.

SCHMIED-KOWARZIK, W. A relação dialética do homem com a natureza: estudos filosóficos sobre o problema da natureza em Karl Marx. Cascavel: Eduunioeste, 2019. 113 p.

SCHNEIDER, S.; GAZOLLA, M. Os atores entram em cena. In: SCHNEIDER, S.; GAZOLLA, M. Os atores do Desenvolvimento Rural: perspectivas teóricas e práticas sociais. [S.l.]: Editora da UFRGS, 2011. p. 11-17.

SOUZA, G. S.; ET AL. Um modelo de produção para a agricultura brasileira e a importância da pesquisa da Embrapa. Brasília: Embrapa (SGE). Embrapa (SGE). Brasília. 2012. manuscrito não publicado.

TOLEDO, E. N. B. O Pronaf em Salvador das Missões (RS): contradições de uma política de crédito. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural. Faculdade de Ciências Econômicas. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: 2009.

_______. A monetarização da vida social e a gramática econômica da agricultura familiar: acumulação e sustentabilidade. Tese de Doutorado. Centro de Desenvolvimento Sustentável. Universidade de Brasília UnB). Brasília, p. 308. 2017.




DOI: https://doi.org/10.26767/colóquio.v17i4.1810

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.