Análise empírica do padrão de especialização do comércio internacional do estado do Acre (1999-2016)

Laís Viera Trevisan, Alison Geovani Schwingel Franck, Giulia Xisto de Oliveira, Rodrigo Abbade da Silva, Daniel Arruda Coronel

Resumo


Este trabalho buscou analisar o padrão de especialização do comércio internacional do estado do Acre, identificando os setores produtivos mais dinâmicos no período entre 1999 e 2016. Para isso, foram calculados os indicadores de Vantagem Comparativa Revelada Simétrica (IVCRS), de Comércio Intraindústria (CII), de Concentração Setorial das Exportações (ICS) e Taxa de Cobertura das Importações (TC), com os dados obtidos da Secretaria de Comércio Exterior - SECEX. Os resultados indicaram que a madeira foi o único setor cujos resultados do IVCRS apresentaram competitividade, demonstrando que ainda não existe uma diversificação do setor produtivo e, assim, da pauta exportadora, que continua a ser predominantemente composta por setores que se baseiam em recursos naturais. Quanto aos resultados do CII, observa-se que o estado do Acre ainda não teve significativo impacto na integração regional por meio do aproveitamento do comércio intraindustrial. Além destes indicadores, o ICS revela que a pauta exportadora do estado é concentrada, e, ainda, a TC aponta que os setores de madeira, calçados e couro e alimentos, fumo e bebidas foram os que tiveram suas importações cobertas pelas respectivas exportações.

Texto completo:

PDF

Referências


ALICEWEB. Análise das Informações de Comércio Exterior. Consultas. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2017.

APPLEYARD, D.; FIELD JR., A, J.; COBB, S. L. Economia Internacional. 6. ed. Porto Alegre: McGraw Hill, 2010.

AZEVEDO, G. G. de; ASSREUY, V. B. Manejo sustentável da madeira no Município de Xapuri-Ac. FGV-EAESP e EG-FJP, São Paulo, 2012.

BAYMA, M. M. A. et al. Aspectos da cadeia produtiva da castanha-do-brasil no estado do Acre, Brasil. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, v. 9, n. 2, 2014.

CASTRO, M. J.; FERNANDES, C. S.; CARVALHO, H. S. Estudo da cadeia de suprimento do setor madeireiro no estado do acre. O caso da empresa laminados triunfo. In: Anais Eletrônicos. IX SEGeT, Simpósio em Excelência em Gestão e Tecnologia, Rezende, 2012.

FARIAS, M. S. Percepção dos atores envolvidos no monitoramento do plano de manejo da reserva extrativista Chico Mendes, Acre, Brasil. 2013. 83 f. Monografia (Especialização em Gestão Florestal) - Secretaria de Desenvolvimento Florestal, da Indústria, do Comércio e dos Serviços Sustentáveis, Universidade Federal do Acre, Rio Branco, 2013.

FEISTEL, P. R. Modelo Gravitacional: um teste para economia do Rio Grande do Sul. Revista de Economia e Administração, v. 1, p. 94-107, 2008.

FRANCK, A. G. S. et al. Padrão de especialização do comércio internacional de Alagoas (1999-2016). Observatorio Economía Latinoamericana, Brasil, p. 1-23, maio 2017.

GRUBEL, H.; LLOYD, P. Intra-Industry Trade: the theory and the measurement of international trade in differentiated products. London: Macmillan, 1975.

HIDALGO, A. B. Especialização e competitividade do Nordeste brasileiro no mercado internacional. Revista Econômica do Nordeste, Fortaleza: BNE, v. 29, p. 491-414, jul./set. 1998.

HIDALGO, A. B.; DA MATA, D. F. P. G. Exportações do Estado de Pernambuco: concentração, mudança na estrutura e perspectivas. Revista Econômica do Nordeste, Fortaleza, v. 35, n. 2, p. 264-283, abr./jun. 2004.

HIDALGO, A. B.; FEISTEL, P. R. Mudanças na estrutura do comércio exterior brasileiro: uma análise sob a ótica da teoria de Heckscher-Ohlin. Estudos Econômicos, v. 43, n. 1, p. 79-108, jan./mar. 2013.

ILHA, A. S.; DORNELLES, J. P.; WEGNER, R. C. Padrão de Comércio Internacional e Competitividade: Análise do Intercâmbio Comercial Industrial do Rio Grande do Sul (1996-2006). Revista Economia e Desenvolvimento, n. 21, p. 45-61, 2009.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas. Perfil dos Estados. Disponível em: . Acesso em: 9 fev. 2017.

LÓPEZ, C. et al. Riquezas da floresta: frutas, plantas medicinais e artesanato na América Latina. Bogor: CIFOR, 2008.

MAIA, S. F. Transformações na estrutura produtiva do estado do Paraná na década de 90: análise por vantagem comparativa. In: MAIA, S. F.; MEDEIROS, N. H. (Orgs.). Transformações Recentes da Economia Paranaense, Recife, Universitária, v. 1, p. 65-88, 2005.

MARCONI, N. ROCHA, M. Taxa de câmbio, comércio exterior e desindustrialização precoce – o caso brasileiro. Economia e Sociedade, Campinas, v. 21, n. Especial, p. 853-888, dez. 2012.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR (MIDIC). Balança Comercial. 2017a. Disponível em: . Acesso em: 8 fev. 2017.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR (MIDIC). Séries Históricas. 2017b. Disponível em: . Acesso em: 8 fev. 2017.

MUNDURUCA, D. F. V.; SANTANA, J. R. de. Comércio exterior como estratégia de crescimento econômico: uma proposta de priorização de produtos exportáveis para a economia sergipana. Documentos Técnico-Científicos, v. 43, n. 3, 2012.

OSORIO, F. C. A questão fitossanitária em zonas de processamento de exportação: o caso do ZPE Acre. 2016. 58 f. Dissertação (Mestrado profissional em Defesa Sanitária Vegetal) – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa. 2016.

PAGANINI, C. C.; FRAGA, G. J. Padrão de especialização do comércio internacional do Paraná no período 2001-2011. Revista Paranaense de Desenvolvimento, Curitiba, v. 35, n. 127, p. 135-154, jul./dez. 2014.

SILVA, R. A. da et al. Padrão de especialização do comércio internacional do Rio Grande do Sul (1999-2016). Revista eletrônica científica do CRA-PR, v. 4, n. 1, p. 1-19, 2017.

SILVA, R. G. Avaliação da Política de Subvenção Econômica à Borracha Natural no Estado do Acre. Espacios, v. 36, n. 20, 2015.

XAVIER, C. L.; SILVA. K. A. O. da. Padrão de especialização e competitividade das exportações de Minas Gerais no período 1995-2004. Revista Econômica do Nordeste, Fortaleza, v. 38, n. 4, p. 563-582, out./dez. 2007.




DOI: https://doi.org/10.26767/coloquio.v16i1.1208

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.