Metodologia para definição de tipologias de políticas públicas, para entender a elaboração, implementação e avaliação

Cláudio Machado Maia, Johnny Luiz Grando

Resumo


O presente artigo discute os vários elementos e estágios presentes em uma matriz de tipologias de políticas públicas, possibilitando a elaboração de um guia para os formuladores, implementadores e avaliadores dessas políticas, auxiliando na seleção daquela que melhor se ajusta na resolução de um problema estratégico, e, consequentemente, sua inclusão em uma agenda pública. Este estudo se insere no debate acerca da complexidade existente nas interações entre instituições, no jogo de poder e no nível de interesse dos atores, a partir da consideração de que o processo de formulação de políticas públicas, em suas fases de elaboração, implementação e avaliação, acontece de forma sistêmica, sendo que os modelos selecionados e utilizados nesses processos podem incluir ou excluir os atores beneficiados. O trabalho teve como objetivo a interpretação de tipologias de políticas, por meio de uma fonte de consulta para o entendimento de como essas políticas são desenvolvidas. Em relação aos procedimentos metodológicos, partiu-se de uma breve revisão sobre o tema, seguida do estudo dos procedimentos de elaboração, implementação e avaliação. Coletados os dados de bases teóricas, foram desenvolvidas as interpretações, buscando-se o embasamento para a construção do roteiro que norteia o processo de formulação de políticas públicas. Na sequência, elaborou-se um roteiro na forma de uma matriz tipológica, permitindo a compreensão da importância e do condicionamento que as instituições - bem como a sua estrutura e cultura organizacional - têm na configuração dos principais elementos de uma decisão política, com vistas ao desenvolvimento socioeconômico.

Texto completo:

PDF

Referências


ARRETCHE, Marta Teresa da Silva. Estado Federativo e Políticas Sociais: determinantes da descentralização. Rio de Janeiro: Revan; São Paulo: FAPESP, 2000.

______. Dossiê̂ agenda de pesquisa em políticas públicas. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 18, n. 51, p. 7-9, fev. 2003.

BATLEY, Richard. The new management in developing coutries: introduction and Implications for policy and organizational reform. Journal of International

Development. [S.1.], v. 11, p. 755 -765, 1999.

BOAVENTURA, Edivaldo M. Metodologia da pesquisa: monografia, dissertação, tese. 3 reimpr. São Paulo: Atlas, 2007.

BOBBIO, Norberto; MATTEUCCI, Nicola; PASQUINO, Gianfranco. Dicionário de política I. Brasília: UnB, 1998.

BONAVIDES, Paulo. Ciência Política. 10. ed. ver. atual. São Paulo: Malheiros, 2000.

CRESWELL, John. W. Projeto de Pesquisa – Métodos Qualitativo, Quantitativo e Misto. 2. ed. Porto Alegre: Bookman-Artmed, 2007.

DEUBEL, André-Noël Roht. Políticas Públicas: formulación, implementación y evaluación. 5. reimpr. Bogotá: Ediciones Aurora, 2007.

EASTONE, David. A Framework for Political Analysis. Englewood Cliffs: Prentice Hall. 1965.

FARIA, Carlos Aurélio Pimenta. Idéias, Conhecimento e Políticas Públicas: um inventário sucinto das principais vertentes analíticas recentes. Revista Brasileira de Ciências Sociais, n. 18, v. 51, p. 21-30, 2003.

FIALHO, Marco Antônio Verardi. Interfaces entre desenvolvimento rural, políticas públicas e atores sociais para o desenvolvimento territorial. Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural. Campo Grande. 2010. Disponível em: . Acesso em 13 de Jun de 2014

FURTADO, Celso. O longo amanhecer: reflexões sobre a formação do Brasil. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1999.

LASWELL. H.D. Politics: who gets what, when, how. Cleveland, New York Meridian Books, 1958.

LINDBLOM, Charles Edward. O Processo de decisão política. Trad. de Sérgio Bath. Brasília: UnB, 1981.

______. Still Muddling, Not Yet Through. Public Administation Review, v. 39, p. 517-526, 1979.

______. The Science of Muddling Through. Public Administration Review, v. 19, p. 78-88, 1959.

LOBATO, Lenaura. Algumas considerações sobre a Representação de Interesses no Processo de Formulação de Políticas Públicas. In: SARAVIA, Enrique. Introdução à teoria da política pública. Brasília: ENAP, 2006. p. 289- 313.

LOWI, Theodor. Four Systems of Policy, Politics, and Choice. Public Administration Review, v. 32, p. 298-310, 1972.

MELO, Marcus André́. Estado, Governo e Políticas públicas. In: MICELI, S. (Org.). O que ler na ciência social brasileira (1970-1995). Ciência Política. São Paulo; Brasília: Sumaré́/Capes. v. 3, p. 59-100, 1999.

NORTH, Douglass C. Custos de transação, instituições e desempenho econômico. Rio de Janeiro: Instituto Liberal, 1992.

PAULILLO, Luiz Fernando. Redes de Poder e Territórios Produtivos: indústria, citricultura e políticas públicas no Brasil do século XX. São Carlos: UFSCar, 2000.

REIS, Elisa P. Reflexões leigas para a formulação de uma agenda de pesquisa em políticas públicas. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 18, n. 51, p. 11-14, fev. 2003.

RUA, Maria das Graças. Políticas públicas. Florianópolis: Departamento de Ciências da Administração/UFSC; Brasília: CAPES; UAB, 2009.

SARAVIA, Enrique. Introdução à teoria da política pública. Brasília: ENAP, 2006.

SCHUMPETER, J. Teoria do desenvolvimento econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo econômico. São Paulo: Abril Cultural, 1982.

SOUZA, Celina. “Estado do campo” da pesquisa em políticas públicas no Brasil. Revista Brasileira de Ciências Sociais. v. 18, n. 51, p. 15-20, fev. 2003.

______. Políticas Públicas: uma revisão da literatura. Sociologias. Porto Alegre, ano 8, n. 16, p. 20-45, jul./dez. 2006.

SIMON, Herbert. Comportamento Administrativo. Rio de Janeiro: USAID, 1957.




DOI: https://doi.org/10.26767/coloquio.v13i2.497

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.