As percepções e limitações acerca do conceito de sustentabilidade: um estudo com agricultores familiares

Autores

Palavras-chave:

Sustentabilidade, Agricultura Familiar, Agricultura Convencional, Percepção.

Resumo

Para alcançarmos a proposta de desenvolvimento sustentável é necessário que a sociedade considere a reformulação dos valores e percepções de forma a orientar as práticas ambientais, sociais e econômicas. Nessa busca por novos valores, também se torna imperativo a inclusão social participativa dos indivíduos, gerando discussões e reflexões acerca da construção da sustentabilidade. Nesse sentido, o presente trabalho teve como objetivo compreender qual a percepção dos agricultores familiares do município de Vitorino Paraná, sobre o conceito de sustentabilidade e práticas produtivas sustentáveis, contrapondo as práticas convencionais. Para alcançar o objetivo proposto foram realizadas entrevistas com os agricultores familiares do município. Como resultados, foi observado que a temática sobre a sustentabilidade não é de domínio dos agricultores familiares, pois muitos desconhecem o significado e a existência de práticas mais ecologicamente corretas, reproduzindo assim a agricultura convencional. Contudo, vê-se a necessidade de uma nova abordagem, onde sejam valorizados os saberes locais, indo contra o sistema de desenvolvimento homogêneo para a consolidação de um modelo que seja mais sustentável.

Biografia do Autor

Rebeca Ribeiro Traça, Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional da Universidade Tecnológica Federal do Paraná.

Mestrado em Desenvolvimento Regional (UTFPR). 

Cristiane Maria Tonetto Godoy, Bolsista Pós-doc do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional (UTFPR). 

Doutorado em Extensão Rural (UFSM). 

José Ricardo da Rocha Campos, Professor do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR). 

Doutorado em Ciências, área de concentração Solos e Nutrição Mineral de Plantas (ESALQ/USP). 

Paulo Henrique de Oliveira, Professor do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR).  

Doutorado em Fitotecnia (UFRGS). 

Referências

ALMEIDA, J. Da ideologia do progresso à ideia de desenvolvimento (rural) sustentável. In: ALMEIDA, J.; NAVARRO, Z. (Orgs.). Reconstruindo a agricultura: ideias e ideais na perspectiva do desenvolvimento rural sustentável. 1. ed. Porto Alegre: Editora da Universidade (UFRGS), 1997. p. 33-55.

ALMEIDA, R.; SCATENA, L. M.; DA LUZ, M. S. Percepção ambiental e políticas públicas - dicotomia e desafios no desenvolvimento da cultura de sustentabilidade. Ambiente & Sociedade, v. 20, n. 1, p. 43-64, 2017.

ALTIERI, M. A. Agroecology: the scientific basis of alternative agriculture. Berkeley: The Repro Express, 1983.

ALTIERI, M. Agroecologia: a dinâmica produtiva da agricultura sustentável. Porto Alegre: Editora Universidade/UFRGS, 1998.

CAPORAL, F. R.; COSTABEBER, J. A. C. A ATER como instrumento de política do PNDRS. Versão preliminar. Porto Alegre: Emater-RS, 2002. 8p. [Apresentado à Câmara Técnica de Fortalecimento da Agricultura Familiar].

CARMO, M. S. A produção familiar como lócus ideal da agricultura sustentável. Agricultura em São Paulo. São Paulo: IEA, vol.45, n.1. 1998, p.1-15.

COMISSÃO MUNDIAL SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO. Nosso Futuro Comum. Rio de Janeiro: Ed. Da Fundação Getúlio Vargas, 1988.

FERREIRA, G. B., et al. Sustentabilidade de Agroecossistemas com Barragens Subterrâneas no Semiárido Brasileiro: a percepção dos agricultores na Paraíba. Revista Brasileira de Agroecologia, v. 6, n. 1, p. 19-36, 2011.

FUJISAWA, D. S.. Utilização de jogos e brincadeiras como recurso no atendimento fisioterapêutico de criança: implicações na formação do fisioterapeuta. 2000. 147 f. Dissertação (Mestrado em Educação)- Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Marília, 2000.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

GÓMEZ, G. R.; FLORES, J. G.; JIMÉNEZ, E. G. Metodología de la investigación cualitativa. Málaga: Ediciones Aljibe, 1996, 378p.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Agropecuário 2017. Disponível em: Acesso em: 06 dez. 2019.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Demográfico 2010. 2010. Disponível em: <https://censo2010.ibge.gov.br/resultados.html.> Acesso em: 12 dez. 2019.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Cidades. Disponível em: <https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pr/vitorino/panorama>. Acesso em: 12 dez. 2019.

INSTITUTO PARANAENSE DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL. Perfil avançado do município de Vitorino. 2017. Disponível em: http://www.ipardes.gov.br/perfil_municipal/MontaPerfil.php?codlocal=122&btOk=ok. Acesso em: out.2018.

GODOY, C. M. T. Agricultura Familiar do Município de Santa Rosa/RS, Entre a Produção e a Legislação Ambiental: Limites e Possibilidades. 2011. 117f. Dissertação (Mestrado em Extensão Rural) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2011.

MACEDO, C. V. P. de; FREITAS, A. A. F. de; GUERRA, D. de S. Uma escala para mensuração da importância percebida pelos docentes sobre a abordagem socioambiental nos cursos de administração de empresas. RAM, Rev. Adm. Mackenzie, São Paulo, v. 14, n. 1, p. 75-97, fev. 2013.

MÜLLER, S. Desenvolvimento sustentável. In: WORKSHOP PARA ELABORACAO DO PROJETO INDICADORES DA EMBRAPA MEIO AMBIENTE, 1993. Jaguariuna. Jaguariuna: EMBRAPA-CNPMA, 1993.

OLIVEIRA, E. R.; RIBEIRO, E. M.. Indústria rural, agricultura familiar e desenvolvimento local: o caso da produção de cachaça artesanal em Salinas–Minas Gerais. Centro, v. 551, n. 54, p. 14, 2002.

PALMA, L. C.; ALVES, N. B.; SILVA, T. N. da. Educação para a sustentabilidade: a construção de caminhos no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS). RAM, Rev. Adm. Mackenzie, São Paulo, v. 14, n. 3, p. 83-118, jun. 2013.

PETERS, G.H.; STANTON, B.F. (Ed.). Sustainable agricultural development: the role of international cooperation. Dartmouth: Dartmouth Publishing Company, 1991. 704 p.

SCHNEIDER, S.; ESCHER, F. A contribuição de Karl Polanyi para a sociologia do desenvolvimento rural. Sociologias, ano 13, n. 27, mai-ago., 2011, p.180-219.

SOUZA, S. B. de. Extensão Rural e Juventude: A Experiência dos Clubes 4-S em Minas Gerais (1950- 1980). 2015. 90f. Dissertação (Mestrado em Extensão Rural) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa. 2015.

TOMMASINO, H.; MARQUEZ, M. G.; GUEDES, E.; PIETRO, M. Extensión Critica: los aporte de Paulo Feire. In: TOMMASINO, H.; HEGEDÜS, P. de. (Org.). Extensión: reflexiones para a intervención em el médio urbano y rural. 1 ed. Montevideo: Uuniversidad de La Republica – Faculdad de Agronomia, 2006, v.1, p. 121-135.

VEIGA, J. E. da. Agricultura familiar e sustentabilidade. Cadernos de Ciência & Tecnologia, Brasília, v. 13, n. 3, p. 383-404, 1996.

WERNECK, V. R. Sobre o processo de construção do conhecimento: o papel do ensino e da pesquisa. Ensaio: avaliação e políticas públicas em educação, v. 14, n. 51, p. 173-196, 2006.

Downloads

Publicado

2022-03-15