Integração comercial entre Brasil e Argentina na cadeia produtiva tritícola

Sinara Pizzi Martins, Marlussi de Oliveira Garzão, Nilson Luiz Costa, Simone Bueno Camara

Resumo


O agronegócio brasileiro vem se destacando pela sua importância econômica e produtiva, principalmente pelas suas cadeias produtivas, como da soja e de carnes. Esse potencial coloca o país com um grande produtor de alimentos frente a outros países mundialmente. Entretanto, ao mesmo tempo em que algumas cadeias produtivas se destacam, outras são extremamente dependentes de importações para suprir a demanda interna, é o caso da cadeia produtiva do trigo, que importa grandes quantidades de cereais, sobretudo da Argentina. Nesse sentido, o presente estudo tem a finalidade de compreender a integração comercial entre o Brasil e a Argentina no setor tritícola, identificando as principais razões que fazem o Brasil ser tão dependente das importações deste cereal do país vizinho. A metodologia utilizada neste caso consiste de uma pesquisa bibliográfica e de um estudo de caso, com coleta de dados secundários e estatísticos coletados em sites da United States Department of Agriculture (USDA), Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), Companhia Nacional de Abastecimento (CONAB) e Associação Brasileira das Indústrias do Trigo (ABITRIGO). Especificamente, os principais resultados evidenciados são que o Brasil não apresenta condições favoráveis de clima e solo para a produção deste cereal de boa qualidade e em quantidade suficiente, além de serem insuficientes os incentivos à produção desse cereal no país. O trigo argentino, portanto, apresenta boa qualidade, uma vasta cadeia de incentivos governamentais para a produção, bem como, tarifas alfandegárias menores, tudo isso o torna mais barato quando comparado ao trigo produzido em solo brasileiro.

Texto completo:

PDF

Referências


ACOSTA, A. da S. et al. Dinâmica e cenário para a produção de trigo em áreas de atuação de cooperativas no Brasil. Passo Fundo: Embrapa Trigo, 2018. 51 p.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DO TRIGO - ABITRIGO. O Triticultor e o Mercado. São Paulo: 2011. Disponível em: . Acesso em: 07 nov. 2018.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DO TRIGO - ABITRIGO. Estatísticas sobre o mercado do trigo, farinha e derivados. Disponível em: . Acesso em: 02 nov. 2018.

BRASIL. Decreto n. 210, de 27 de fevereiro de 1967. Estabelece normas para o abastecimento de trigo, sua industrialização e comercialização e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Poder Executivo, Brasília, DF, 27 fev. 1967. Disponível em: . Acesso em: 02 nov. 2018.

BRASIL. Lei nº 8.096, de 21 de novembro de 1990. Dispõe sobre a Comercialização e Industrialização do Trigo, e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Poder Executivo, Brasília, DF, 22 nov. 1990. Disponível em: . Acesso em: 07 nov. 2018.

BRASIL. Instrução Normativa nº 1, de 27 de janeiro de 1999. Aprova a norma de identidade e qualidade do trigo para comercialização interna. Ministério da Agricultura e do Abastecimento. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Poder Executivo, Brasília, DF, 29 jan. 1999. Disponível em: . Acesso em: 08 nov. 2018.

BATALHA, M. O. Gestão agroindustrial. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2001.

BRUM, A. L. et. al. A competitividade do trigo brasileiro diante da concorrência argentina. UNIJUÍ, 2003.

BRUM, A. L. et al. A competitividade do trigo brasileiro diante da concorrência argentina. O comércio internacional e a competitividade pelo custo de produção. Revista Galega de Economia, vol. 14, núm. 1-2 (2005), p. 1-15. Disponível em: < http://www.usc.es/econo/RGE/Vol14_1_2/Outros/art3b.pdf> Acesso em: 30 de out. de 2018.

BRUM, A. L.; SILVA, C. V. K. da; MÜLLER, P. K. O Trigo Brasileiro Diante da Concorrência Argentina: o Comércio Internacional e a Competitividade. Revista Desenvolvimento em Questão, Editora Unijuí, ano 3, n. 5, jan./jun., 2005, p. 135-150. Disponível em: . Acesso em: 03 de nov. de 2018.

BRUM, A.L.; MULLER, P. K. A realidade da cadeia do trigo no Brasil: o elo produtores/cooperativas. Revista de Economia Rural (RER). vol. 46, n° 1, p. 145-169, jan/mar 2008. Rio de Janeiro.

COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO (CONAB). Safra Brasileira de Grãos. 2018. Informações Agropecuárias. Disponível em: . Acesso em: 02 de nov. de 2018.

CORTE, V. F. D. et al. O Agronegócio do Trigo e seus Derivados: O Efeito da Desregulamentação e Redução dos Subsídios no Brasil. Revista Brasileira de Gestão e Inovação. v.3. n.1, set/dez. 2015. Disponível em: Acesso em: 15 nov. 2018.

CUNHA, G. R. da (Ed.). Oficina sobre trigo no Brasil: bases para a construção de uma nova triticultura brasileira. Passo Fundo: Embrapa Trigo, 2009. Disponível em: . Acesso em: 02 nov. 2018.

DATHEIN, R. Mercosul: antecedentes, origem e desempenho recente. Revista de Economia, Curitiba, v. 31, n. 1, p. 7-40, janeiro-junho/2005. Disponível em: . Acesso em: 10 nov. 2018

DEPARTAMENTO DE AGRICULTURA DOS ESTADOS UNIDOS – USDA. Relatórios do USDA e acompanhamento do mercado agrícola, 2018. Disponível em: . Acesso: 02 nov. 2018.

FAVERO, D. A. O comércio Brasil - Argentina: análise do mercado internacional e viabilidade da triticultura. Cruz alta, 2017. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Mestrado Profissional em Desenvolvimento Rural, UNICRUZ - 2017. 79 f.

FIGUEIREDO, A., SANTOS, M. Evolução das vantagens comparativas do Brasil no comércio mundial de soja. Revista de Política Agrícola, 14, Jun. 2005. Disponível em: . Acesso em: 12 Nov. 2018.

GARCIA, J. D. O Trigo Brasileiro e a falta de autossuficiência: Uma identificação de problemas. Universidade Federal do Paraná, 2011. Disponível em: . Acesso em: 14 nov. 2018.

GERHARDT, T. E.; SILVEIRA, D. T. (Org.). Métodos de pesquisa. 1. ed. Porto Alegre: UFRGS, 2009. 120 p.

GONTIJO, C. As duas vias do princípio das vantagens comparativas de David Ricardo e o padrão-ouro: um ensaio crítico. Revista de Economia Política, vol. 27, nº 3 (107), p. 413-430, julho-setembro/2007. Disponível em: Acesso em: 10 nov. 2018.

GRANATO, L.; BATISTA, I. R. Mercosul à prova: estratégias e limites da integração regional periférica. Revista Brasileira de Políticas Públicas e Internacionais. v.3, n.1, Junho/2018, pp. 230-253. Disponível em: . Acesso em: 02 nov. 2018.

JESUS JÚNIOR, C. de; SIDONIO, L.; MORAES, V. E. G. de. Panorama das importações de trigo no Brasil. Agroindústria. BNDES, Setorial 34, p. 389-420. 2011. Disponível em: . Acesso em: 10 de nov. de 2018.

KONZEN; R. R. P.; OLIVEIRA, C. A. Intercooperação entre cooperativas: barreiras e desafios a serem superados. Revista de Gestão e Organizações Cooperativas – RGC. Colégio Politécnico da Universidade Federal de Santa Maria, RS. V.2, n.4, jul./dez., 45-58. 2015.

KRUGMAN, P. R.; OBSTFELD, M. Economia Internacional - Teoria e Política. São Paulo: Makron Books, 1999.

MAEHLER, A. E. et al. Integração Brasil – Argentina no Mercosul: Uma análise de seus efeitos a partir de um território de fronteira. Revista da Administração e Turismo - ReAT, vol. 8, n° 4, p. 792-811, janeiro-junho/2016. Disponível em: . Acesso em: 09 nov. 2018.

MAGGIAN, R. C. FELIPE, F. I. Aspectos da competitividade da cadeia tritícola no Brasil e na Argentina. Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural. Porto Alegre, 2009. Disponível em: . Acesso em: 30 de out. de 2018.

MINISTÉRIO DA SAÚDE/AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Resolução – RDC N° 14, de 28 de março de 2014. Dispõe sobre matérias estranhas macroscópicas e microscópicas em alimentos e bebidas, seus limites de tolerância e dá outras providências. Disponível em: < http://bionovadesin.com.br/rdc-n-14/>. Acesso em: 17 de fev. de 2019.

MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES - MRE. Argentina: Comércio Exterior. Disponível em: . Acesso: 02 nov. 2018.

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, COMÉRCIO EXTERIOR E SERVIÇOS (MDIC). Estatísticas do Comércio Exterior. 2018. Disponível em: . Acesso em: 04 de nov. de 2018.

OLIVEIRA NETO, A. A. de; CANDICE, M. R. S (Orgs). A cultura do trigo. Brasília: Conab, 2017. 218 p.

PEROSA, B. B. Novos mecanismos de coordenação no mercado do trigo brasileiro no período 1990/2005. 2007. 165 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos. 2007. Disponível em: . Acesso em: 07 nov. 2018.

PEROSA, B. B.; PAULILLO, L. F. Novas formas de coordenação setorial em cadeias agroindustriais após 1990: o caso dos elos tritícola e moageiro brasileiros. Gestão & Produção, São Carlos, v. 16, n. 1, p. 85-98, jan. - mar. 2009. Disponível em: . Acesso em: 07 nov. 2018.

PRODANOV, C. C; FREITAS, E. C. de. Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2. ed. Novo Hamburgo: Feevale, 2013.

RAMOS, Albenides. Metodologia da pesquisa científica: como uma monografia pode abrir o horizonte do conhecimento. São Paulo: Atlas, 2009.

SECRETARÍA DE AGRICULTURA, GANADERÍA Y PESCA (SAGPYA). Resolución SAGPYA 334 de 2003 - Creación Programa Nacional De Calidad De Trigo. Dirección de Registro de Variedades. Buenos Aires, 23 de abr. 2003. Disponível em: Acesso em: 15 nov. 2018.

SOARES, R. P. Avaliação Econômica da Política Tritícola de 1967 a 1977. Brasília: Comissão de Financiamento da Produção, 1980. Disponível em: . Acesso em: 14 nov. 2018.

STOFFEL, J. A.; COLOGNESE, S. A. Formas de organização produtiva da pequena produção agrícola familiar no Oeste do Paraná: potencialidades e obstáculos. Cadernos de Economia, Chapecó, v. 9, n. 16, p. 25-42, 2005.




DOI: https://doi.org/10.26767/colóquio.v17i4.1806

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.