ENTRE O LAR E O ESCRITÓRIO – AS MULHERES DA SÉRIE MAD MEN: UMA ANÁLISE DE ESTEREÓTIPOS FEMININOS DOS ANOS 1960

Autores

  • Carolina Gabriella de Carvalho Sousa

Resumo

No Ocidente, a década de 1960 foi marcada pela eclosão de diversos movimentos sociais. Entre os costumes enraizados dos anos 50 e a caminho de 1970, nos anos 60 foram rompidos, mas também criados, estereótipos do american way of life. Este artigo propõe uma análise da série televisiva Mad Men, que apresentou personagens carregados de símbolos que rondavam o imaginário na época. Por meio da narrativa que envolve três personagens femininas, Peggy Olson, Joan Holloway e Betty Draper, que transitam entre os espaços público e privado, entre a cidade e o subúrbio, o escritório e o lar, tomamos conhecimento de alguns dos principais estereótipos femininos da década. E é através da criação destes estereótipos e da tentativa de encaixar estas personagens em “categorias” que percebemos as relações de poder e de gênero que permeiam todos os episódios. O objetivo desta breve análise é compreender como, e até que ponto, as relações de gênero em Mad Men podem representar o estilo de vida norte-americano e as principais mudanças sociais nos anos 1960.

Referências

BARÃO, A. C. C., Silva, A.D (2015). Estudos da Narrativa e dramaturgia: Mad Men e os novos diálogos narrativos. Revista Unioeste. Travessias ISSN1982-5935. Vol 09, n 01, 23. http://e-revista.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/12705

BHABHA, H. K. (2010). A outra questão: o estereótipo, a discriminação e o discurso colonial. In: O local da cultura. Belo Horizonte: Ed. UFMG.

BUTLER, J. (2003). Problemas de gênero. Feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira.

COONTZ, S. (2011): A Strange Stirring. The Feminine Mystique and American Women at the Dawn of the 1960s, New York.

FERREIRA, D. M. M., & PEREIRA, D. V. (2017). Gênero feminino: identidade e estereótipo – Dilma Rousseff em seu primeiro mandato. Revista Do GELNE, 18(1), 1-22. Recuperado de https://periodicos.ufrn.br/gelne/article/view/11064

FREITAS, S. (2014). A mulher e seus estereótipos: Comparando 50 anos de publicidade televisiva no Brasil e Portugal. (Portuguese). Estudos Em Comunicação, 16, 111.

FRIEDAN, B. (1971). A Mística Feminina. Petrópolis: Ed Vozes Limitada.

GARCIA, K. A. (2013). The Sixties in the United States in Historical Perspective. Yesterday and Today, 10, 175–182.

MARTÍNEZ, B. G. (2019). Dialécticas de los personajes femeninos y masculinos en’ Mad men’: un análisis cuantitativo y cualitativo. Investigaciones Feministas, 10(2), 257–279. https://doi.org/10.5209/infe.66493

NARVAZ, M. G. & KOLLER, S. H. (2006). Metodologias feministas e estudos de gênero: Articulando pesquisa, clínica e política. Revista Psicologia em Estudo, v. 11, n. 3, 647-654. http://www.scielo.br/pdf/pe/v11n3/v11n3a20

PITZULO, C. (2014). Those Girls: Single Women in Sixties and Seventies Popular Culture Katherine J. Lehman. Journal of the History of Sexuality, 23(2), 312.

RENIEBLAS, S. S. (2013). Women at Home and Women in the Workplace in Matthew Weiner´s “Mad Men.” Investigaciones Feministas, 3(0), 33–42. https://doi.org/10.5209/rev_INFE.2012.v3.41134

SANTOS, B. V. (2019). MAD (WO)MEN: O gênero no imaginário social da cultura americana. http://sotepp.unit.br/wp-content/uploads/2019/08/2019_MAD-WOMEN-o-genero-no-imaginario-social-da-cultura-americana.pdf

SPIGEL, L. (2004). Welcome to the Dream House: Popular Media and Postwar Suburbs Lynn Spigel. Social Semiotics, 14(3), 352–354.

STEWART, T. (2013) Those Girls: single women in sixties and seventies popular culture, Historical Journal of Film, Radio and Television, 33:3, 512-515, DOI:10.1080/01439685.2013.806172

Sites:

MAD MEN: The Tragedy of Betty Draper. The Take (2018). Último acesso a 16 de junho de 2020. Disponível em: https://youtu.be/gHrnNwrz5TU

MAD MEN (2017). Site oficial do seriado Último acesso a 13 de junho. Disponível em: https://www.amc.com/shows/mad-men

Downloads

Publicado

2021-12-14

Edição

Seção

Artigos