FAKE NEWS DURANTE A ELEIÇÃO PRESIDENCIAL BRASILEIRA DE 2018

Igor dos Santos, Carolina Rispoli Leal

Resumo


A cada ano torna-se mais frequente a discussão entre profissionais de diversas áreas do conhecimento sobre a necessidade de entender o atual momento da comunicação na contemporaneidade. A população mundial está preparada para utilizar as redes sociais na internet de forma responsável? Tendo em vista que o Facebook é o site de rede social com mais usuários no Brasil e a eleição presidencial brasileira de 2018 ficou marcada pela incidência de supostas Fake News na internet, o presente trabalho busca compreender a seguinte questão: Como as Fake News foram utilizadas no Facebook, durante o primeiro turno da eleição presidencial brasileira em 2018?

Texto completo:

PDF

Referências


A cada 100 vítimas de homicídio no Brasil, 71 são negras, diz estudo. 2017. Jornal Nacional. Disponível em: . Acesso em: 25 maio 2019.

AMARAL, Luiz. Técnica de Jornal e Periódico. 5. Ed. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro: 2001.

ARNT, Héris. Do jornal impresso ao digital: novas funções comunicacionais. 2002. Disponível em: . Acesso em: 07 ago. 2019.

AVRITZER, Leonardo & WAMPLER, Brian. Públicos participativos: sociedade civil e novas instituições no Brasil democrático. In: Coelho, Vera Schattan; Nobre, Marcos (Orgs.). Participação e deliberação: teoria democrática e experiências institucionais no Brasil contemporâneo. São Paulo: Editora 34, 2004, p.210-238.

BECKER, Clara. #Verificamos: É antiga e foi adulterada imagem usada para acusar petistas de agredir defensores de Bolsonaro. 2018. Disponível em: . Acesso em: 25 set. 2018.

BEER, David. Social network site revisiting the story so far: A response to danah boyd & Nicole Ellison. Journal of Computer-Mediated Communication, v. 13, n. 2, p. 516-529, 2008. Disponível em http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/j.1083-6101.2008.00408.x/epdf. Acesso em 25 abril 2019.

BENHABIB, Seyla. Models of public sapace: Hannah Arendt, the liberal tradition, and Jürgen Habermas. In: CALHOUN, Craig. (Ed.). Habermas and the public sphere. Cambridge: MIT Press, 1996.

BOUNEGRU, L., Gray, J., Venturini, T. & Mauri, M. (2017). A Field Guide to Fake news. Public ARTIGOS | 167 Data Lab. Retrieved from http://fakenews.publicdatalab.org/.

BOURDIEU, P. Conferência do Prêmio Goffman: a dominação masculina revisitada. In: LINS, D. (Org.). A dominação masculina revisitada. Campinas: Papirus, 1998, pp. 11-27.

Brand finance. Disponível em: . Acesso em: 04 de maio 2019.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição Federal nº Art. 3º, I e IV, de 05 de outubro de 1988. 91/2016. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF.

BRASIL. Constituição (2010). Lei Complementar nº 135, de 04 de junho de 2010. Brasília, DF.

Brasil é o 3º país com o maior número de usuários do Facebook. 2019. Disponível em: . Acesso em: 04 abr. 2019.

BRASIL. Lei nº 8.078/90, de 11 de setembro de 1990. Código de Defesa do Consumidor. Brasília, DF, 11 set. 1990. Art. 37, § 1º.

CALHOUN, Craig. Introduction: Habermas and the public sphere. In: _____. (Ed.). Habermas and the public sphere. Cambridge; London: MIT Press, 1992, p.1-49.

CARVALHO, Tatiane E. M. de; GURGEL, Eduardo Amaral. Gêneros jornalísticos no ciberespaço: estudo sobre os portais UOL e G1. In: XXXIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, 33., 2010, Caxias do Sul. Anais. Caxias do Sul: Universidade Metodista de São Paulo, 2010. p. 01 - 15.

CASTELLS, M. (2003). A galáxia da Internet: reflexões sobre a internet, os negócios e a sociedade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.

CONGRESSO INTERNACIONAL DE DIREITO E CONTEMPORANEIDADE, 04., 2017, Santa Maria. Mais amor, por favor: o discurso de ódio nas redes sociais e a consequente violência contra transexuais. Santa Maria: UFSM, 2017. 15 p.

COSTA, Lailton da. Gêneros jornalísticos. In: ASSIS, Francisco de; MARQUES DE MELO, José (Org.). Gêneros jornalísticos no Brasil. São Bernardo do Campo: Metodista, 2010.

COSTA, Sergio. Esfera pública, e as mediações entre cultura e política: para uma leitura sociológica da democracia. Revista Travessias, nº 1, Rio de janeiro, 2000.

CUNHA, Thaís. Brasil lidera ranking mundial de assassinatos de transexuais. 2019. Disponível em: . Acesso em: 02 jun. 2019.

DEARO, Guilherme. Amazon é a marca mais valiosa do mundo, revela Brand Finance 2019. 2019. Disponível em: . Acesso em: 09 mai. 2019.

DELMAZO, Caroline; VALENTE, Jonas C. L. Fake news on online social media: propagation and reactions to misinformation in search of clicks. Media & Jornalismo, [s.l.], v. 18, n. 32, p.155-169, 2018. Coimbra University Press. http://dx.doi.org/10.14195/2183-5462_32_11.

DEWEY, C. (2016). 6 in 10 of you will share this link without reading it, a new, depressing study says. The Washington Post. Encontrado em https://www.washingtonpost.com/news/the-intersect/wp/2016/06/16/six-in-10-of-you-will-share-this-link-without-reading-it-according-to-a-new-and-depressing-study/.

DICIONÁRIO OXFORD (Ed.). Cambridge dictionary. Reino Unido: Cambridge, 2016.

ELIAS, N. A sociedade dos indivíduos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1994.

ELLISON, N. B.; BOYD, D. M. (2013). Sociality through social network sites. In Dutton, W. H. (Ed.), The Oxford Handbook of Internet Studies. Oxford: Oxford University Press.

Fake news é eleita palavra do ano por dicionário Collins. 2017. Disponível em: . Acesso em: 24 jul. 2019.

FLORES, Pablo Jamilk. Inferências Falseadoras Como Base Para A Pós-Verdade. Línguas&letras, Cascavel (PR), v. 18, n. 41, p.20-32, 2017. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2019.

FRASER, Nancy. Rethinking the public sphere: a contribution to the critique of actually existing democracy. In: CALHOUN, Craig (Ed). Habermas and the public sphere. Cambridge: MIT Press, 1996.

FUCHS, Christian. Mídias sociais e a esfera pública. Revista Contracampo, v. 34, n. 3, ed. dez/2015-mar/2016. Niterói: Contracampo, 2015, p. 5-80.

GARDINER, Michael E. Wild publics and grotesque symposiums: Habermas and Bakhtin on dialogue, everyday life and the public sphere. In: Crossley, Nick & Roberts, Michael (Eds.), After Habermas: new perspectives on the public sphere. Oxford: Blackwell, 2004, p.28-48.

GARTON, L.; HARTHORNTHWAITE, C.; WELLMAN, B. Studying online social networks. Journal of Computer Mediated Communication, v.3, n.1, 1997. Available from: . Cited: 7 Dec. 2009.

GIMENEZ, Sandra. Brasil cai 17 posições em ranking global que mede discriminação contra mulheres. 2018. Disponível em: . Acesso em: 25 maio 2019.

GOMES, W. A democracia digital e o problema da participação civil na decisão política. Revista Fronteiras, v.7, n.3, p.214-222, 2005.

HABERMAS, Jürgen. Mudança estrutural da esfera pública: investigações quanto a uma categoria da sociedade burguesa. Tradução: Flávio R. Kothe. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2003. 398p.

HIGGINS, Kathleen. Post-truth: a guide for the perplexed. Nature, 540, 9, 1º Dec. 2016. doi:10.1038/540009a. Disponível em: . Acesso em: 15 set. 2019.

LAVALLE, Adrián Gurza. Jürgen Habermas e a virtualização da publicidade. Revista Margem, n.16, 2002, p.65-89.

LEMOS, A. Cibercultura. Tecnologia e vida social na cultura contemporânea. Porto Alegre: Ed. Sulina, 2002.

LESSIG, L. Code and other laws of cyberspace. New York: Basic Books, 1999.

LLORCA-ABAD, Germán; CANO-ORÓN, Lorena. How Social Networks and Data Brokers trade with Private Data. Redes.com: Revista de estudios para el desarrollo social de la comunicación, n. 14, 2016, p. 85-103. Disponível em http://revistaredes.hospedagemdesites.ws/index.php/revista-redes/article/view/454 Acesso em: 04 de abril de 2019.

LOSEKAN, Cristiana. A esfera pública habermasiana, seus principais críticos e as possibilidades do uso deste conceito no contexto brasileiro. Pensamento Plural, Pelotas, n. 04, p.37-57. Acesso em: 20 abr. 2019.

LUSTOSA, Elcias. O texto da notícia. Brasilia: UnB, 1996.

MACHADO, Caio; KIRA, Beatriz; HIRSCH, Gustavo; MARCHAL, Nahema; KOLLANYI, Bence; HOWARD, Philip N.; LEDERER, Thomas; BARASH, Vlad (2018). “News and political information consumption in Brazil: Mapping the first round of the 2018 Brazilian presidential election on Twitter”. The computational propaganda project. Algorithms, automation and digital politics. https://comprop.oii.ox.ac.uk/research/brazil2018.

MARQUES DE MELO, José. Gêneros Jornalísticos: conhecimento brasileiro. In: MARQUES DE MELO, José; ASSIS Francisco (Orgs). Gêneros Jornalísticos no Brasil. São Bernardo do Campo: Universidade Metodista de São Paulo, 2010.p. 23-41.

MEDEIROS, Jackson da Silva. Considerações sobre a esfera pública: redes sociais na internet e participação política. Transinformação, Campinas, v. 01, n. 25, p.01-08, Acesso em: 03 de maio de 2019.

MILAGRE, José; SEGUNDO, José Eduardo Santarém. A propriedade dos dados e a privacidade na perspectiva da Ciência da Informação. Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação, v. 20, n. 43, p. 47-76, mai./ago., 2015.

MOCELLIM, Alan. Lugares, não-lugares, lugares virtuais. Em Tese, Florianópolis, v. 6, n. 3, p. 77-101, jan./jul. 2009.

MORAES, D. O ativismo digital. Biblioteca online de ciências da comunicação. 2001. Disponível em: Acesso em: 30 abr. 2011.

Mortes violentas de LGBT no Brasil. 2018. Homofobia mata. Disponível em: . Acesso em: 02 jun. 2019.

MOURA, Bernardo; CYPRESTE, Judite. É falso que Haddad criou 'kit gay' para crianças de seis anos. 2018. Disponível em: . Acesso em: 11 nov. 2019.

MUSSO, P. A filosofia da rede. In: PARENTE, A. (Org.). Tramas da rede: novas dimensões filosóficas, estéticas e políticas da comunicação. 2.ed. Porto Alegre: Sulina, 2010. p.17-38.

NICOLIS, G. e PRIGOGINE, I. Exploring Complexity. An Introduction. New York: W. H. Freeman and Company, 1989.

OLIVEIRA, Vânia Aparecida Rezende de. Mudança estrutural da esfera pública: investigações quanto a uma categoria da sociedade burguesa. 2010. 7 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Gestão Social, Ebape, Rio de Janeiro, 2009.

PARISER, Eli. O filtro invisível: O que a internet está escondendo de você. Rio de Janeiro: Zahar, 2012.

PAULA, L. T.; BLANCO, Y. A.; SILVA, T. R. S. Pós-verdade e fontes de informação: um estudo sobre fake news. Revista Conhecimento em Ação, Rio de Janeiro, v.2, n.1, jan./jun. 2018. Disponível em: . Acesso em: 11 set. 2019.

PERLATTO, Fernando. Habermas, a esfera pública e o Brasil. Estudos Políticos, Juiz de Fora, v. 01, n. 04, p.01-17. Acesso em: 20 abr. 2019.

PESQUISA Ibope aponta que 66% confiam mais em sites de notícias. 2018. Disponível em: . Acesso em: 07 abr. 2019.

RECUERO, R. Redes sociais na internet. Porto Alegre: Sulina, 2009.

SIBILIA, P. Os diários íntimos na internet e a crise da interioridade psicológica. do sujeito. Grupo de Tecnologias Informacionais da Comunicação e Sociedade, XII Congresso da Associação Nacional de Programas de Pós-Graduação em Comunicação COMPOS, Niterói/ RJ, 2003.

Significado de Software. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2019.

Significado de Streaming. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2019.

SILVA, Júlio César Casarin Barroso. Liberdade de expressão e expressões de ódio. Revista Direito, São Paulo, v. 01, n. 11, p.01-28. Acesso em: 25 maio 2019.

SOARES, Felipe Bonow. Dilemas éticos para a concepção de esfera pública nas mídias sociais. Intercom, Porto Alegre, v. 01, n. 04, p.1-15. Acesso em: 25 abr. 2019.

SODRÉ, Muniz. Antropológica do espelho. Petrópolis: Vozes, 2011.

SOUZA, Mariana Jantsch de. Discurso de ódio e dignidade humana: uma análise da repercussão do resultado da eleição presidencial de 2014. 2018. 32 f. Tese (Doutorado) - Curso de Direito, IFSul, Pelotas, 2018.

SPINELLI, E.; SANTOS, J. Jornalismo na era da pós-verdade: fact-checking como ferramenta de combate às fake news. Revista Observatório, v. 4, n. 3, p. 759-782, 29 abr. 2018.

STEIN, Marluci; NODARI, Cristine Hermann; SALVAGNI, Julice. Disseminação do ódio nas mídias sociais: análise da atuação do social media. Interações (campo Grande), [s.l.], v. 19, n. 1, p.43-100, 16 fev. 2018. Universidade Católica Dom Bosco. http://dx.doi.org/10.20435/inter.v19i1.1535.

STEPHENS, Mitchel. História das comunicações: do tantã ao satélite. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1993.

STROPPA, Tatiana; ROTHENBURG, Walter Claudius. Liberdade de expressão e discurso do ódio: O conflito discursivo nas redes sociais. Revista Eletrônica do Curso de Direito da UFSM, [s.l.], v. 10, n. 2, p.1-19, 17 dez. 2015. Universidade Federal de Santa Maria. http://dx.doi.org/10.5902/1981369419463.

TEMER, Ana Carolina Rocha Pessoa. Reflexões sobre a tipologia do material jornalístico: o jornalismo e as notícias. 2007. 70 f. Tese (Doutorado) - Curso de Jornalismo, Universidade Federal de Goiás, São Paulo, 2007.

VAN DIJK, Teun A. La noticia como discurso: compreension, estrutura y producción de la información. Barcelona: Paidós, 1996.

WATTS, D. J. e STROGATZ, S. H. Collective Dynamics of ‘smal-world’ networks. In: Revista Nature, vol. 393, p.440-442, 4 de junho de 1998.

YOUNG, Iris Marion. Inclusion and democracy. Oxford: Oxford University Press, 2000.

ZARET, David. Religion, Science and printing in the public spheres in seventeenth-century Elngland, pp. 2012-235. In: CALHOUN, Craig. (ed.) Habermas and the public sphere. Massachusetts. MIT Press, 1992.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.