AS IMPLICAÇÕES DA FORÇA SIMBÓLICA DAS INSTITUIÇÕES E DA IDEIA DE PERTENCIMENTO A UMA COMUNIDADE: O CASO DA PAIXÃO POR UM TIME DE FUTEBOL ENTRE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS

Cassiano dos Santos Gottlieb, Luciane Maria Wagner Raupp

Resumo


Este artigo tem como propósito explorar as relações simbólicas das instituições e da ideia de pertencimento a uma comunidade por parte de estudantes de nível superior. Para isso, escolheu-se como objeto de pesquisa os torcedores universitários do Grêmio Fott-Ball Porto Alegrense, clube de futebol do Rio Grande do Sul. A finalidade é determinar as causas que indicam a afeição existente entre torcida e instituição. O referencial teórico reúne temas relacionados ao poder simbólico, ao sentido de pertencimento e faz um recorte sobre a história do Grêmio, instituição futebolística de 115 anos. O método utilizado é a análise de conteúdo, com a realização de uma pesquisa de campo, do tipo qualitativa e quantitativa. A interpretação dos dados coletados busca extrair, por meio de entrevistas com indivíduos pertencentes a duas gerações distintas de torcedores, se os vínculos de pertencimento com a instituição são movidos por influências distintas. Por se tratar de um clube centenário, diversos grupos fizeram parte da instituição. Os resultados indicam o nível de intensidade com que a agremiação está presente na vida de seus aficionados, o que prepondera para que seja o Grêmio o clube da preferência, além de quais ações desenvolvidas pelo clube causam maior efeito. O trabalho avalia um aspecto que possui um grau de subjetividade, que é o sentimento. Em função disso, todas as etapas foram seguidas para avaliar como o torcedor gremista aceita e replica o poder simbólico praticado pela instituição e de que forma essa comunicação é efetuada, a fim de compreender o sentido de pertencimento existente.

Texto completo:

PDF

Referências


BAUMAN, Zygmunt. Comunidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.

BERTONI, Estêvão. 2010. Ele era o torcedor símbolo do Grêmio. Disponível em: < https://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidian/ff0503201020.htm>. Acesso em: 28 maio. 2018.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.

BUENO, Eduardo. Nada pode ser maior. Rio de Janeiro: Ediouro, 2005.

COELHO Frederico Oliveira. Futebol e Produção Cultural no Brasil: A construção de um espaço popular. Rio de Janeiro: MAUAD Editora Ltda, 2006. cap. 2.

COIMBRA, David; NORONHA, Nico. A história dos Grenais. Porto Alegre: Artes e Ofícios Editora ltda, 1994.

DECONTO, Eduardo. 2018. Goleadas históricas e sem vitória pelo Gauchão: Grêmio faz 10° Gre-Nal na Arena. Disponível em: < https://globoesporte.globo.com/rs/futebol/campeonato-gaucho/noticia/goleadas-historicas-e-sem-vitoria-pelo-gauchao-gremio-faz-10-gre-nal-na-arena.ghtml>. Acesso em: 21 maio. 2018.

DURAND, Gilberto. As Estruturas Antropológicas do Imaginário. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

FARIAS, Ed. 2014. Escudos times brasileiros/gaúchos. Disponível em: . Acesso em: 24 maio. 2018.

FLORES, Moacyr. História do Rio Grande do Sul. 5. ed. Porto Alegre: Nova Dimensão, 1996.

GRÊMIO. Arena do Grêmio. Disponível em: https://gremio.net/conteudo/index/18. Acesso em: 23 maio. 2018.

GRÊMIO. Heróis. Disponível em: < https://gremio.net/herois>. Acesso em: 11 maio. 2018.

GRÊMIO. Títulos. Disponível em: < https://gremio.net/titulos>. Acesso em: 28 maio. 2018.

IANNI, Octavio. A era do Globalismo. 4. ed. Rio de Janeiro: BCD União de Editoras, 1999.

LIMA, Maiara Sandielly da Silva. 2014. O livro enquanto propagador de mito: Uma análise da percepção do Grêmio Fott-Ball Porto Alegrense e o mito do imortal tricolor através das suas obras. 106 p. Monografia (Graduação) – Curso de Comunicação Social da Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2014.

NETO, Helena Brum; BEZZI, Meri Lourdes. 2008. Regiões Culturais: A construção de identidades culturais no Rio Grande do Sul e sua manifestação na paisagem gaúcha. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/sn/v20n2/a09v20n2>. Acesso em: 22 abr. 2018.

NEVES, Thalita. 2017. Rivalidade na Pós-Modernidade: Como a dupla GreNal se tornou uma das maiores rivalidades do mundo. Disponível em: http://docplayer.com.br/69087859-Rivalidade-na-pos-modernidade-como-a-dupla-grenal-se-tornou-uma-das-maiores-rivalidades-clubisticas-do-mundo-1.html. Acesso em: 15 abr. 2018.

NIELAND, Maicon. 2014. Grêmio inaugura CT Presidente Luiz Carvalho. Disponível em: < http://www.folhadomate.com/noticias/esportes/gremio-inaugura-ct-presidente-luiz-carvalho>. Acesso em: 27 maio. 2018.

PRADO, Nathalia. 2012. Grenal: Um clássico cultural. Disponível em: . Acesso em: 16 mai. 2018.

REIS, Tatielle Haussen; KREUTZ, Elizete de Azevedo. 2014. Futebol-Paixão: O que marca?. Disponível em: http://www.ufrgs.br/ped2014/trabalhos/trabalhos/783_arq2.pdf. Acesso em 23 mai. 2018.

RIZZATI, Lucas, 2012. Festa, pancadaria e vitória: Grêmio inaugura Olímpico na bola e na raça. Disponível em: http://globoesporte.globo.com/rs/adeus-olimpico/noticia/2012/09/festa-pancadaria-e-vitoria-gremio-inaugura-olimpico-na-bola-e-na-raca.html. Acesso em: 18 maio. 2018.

SANTAELLA, Lúcia. Semiótica Aplicada. São Paulo: Pioneira Thomson learning, 2002.

SILVA, Francisco Carlos Teixeira da; SANTOS, Ricardo Pinto dos. Memória Social dos Esportes. In: COELHO, Frederico Oliveira. Futebol e Produção Cultural no Brasil: A construção de um espaço popular. Rio de Janeiro: MAUAD Editora Ltda, 2006. cap. 2.

SILVA, Sidnei Barbosa da. 2006. Hino do Grêmio FBPA. Disponível em: . Acesso em: 26 maio. 2018.

VENANCIO, Rafael Duarte Oliveira. “Vamos todos cantar de coração”: Discursos fundadores dos hinos dos clubes brasileiros de futebol. Aled, Caracas, ano 20, p. 97-112, set./nov. 2014.

VILCHES, Ana. 2015. Felicidades tricolores, Grêmio. Disponível em: . Acesso em: 15 maio. 2018.

WERNEK, Jeremias; SALDANHA, Marinho. 2018. Renato Gaúcho ganha título com o Grêmio e se aproxima de Felipão. Disponível em: < https://noticias.bol.uol.com.br/ultimas-noticias/esporte/2018/04/09/renato-gaucho-ganha-quarto-titulo-com-o-gremio-e-se-aproxima-de-felipao.htm>. Acesso em: 26 maio. 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.