COMUNICAÇÃO, CULTURA E CONHECIMENTO ECOLÓGICO E AMBIENTAL UMA ANÁLISE SEMIOLÓGICA DE CRACKING ART ATRAVÉS DA INVASÃO URBANA BATTITO ANIMALE, NA CALÁBRIA

Liége Zamberlan

Resumo


Ecologia e Meio Ambiente são sementes conceituais que dão flores e frutos nos mais diferentes campos sociais. Na árvore da arte nasce Cracking Art com suas intervenções ou invasões urbanas que multiplicam os preceitos da reciclagem, aproximando uma prática globalmente consciente do espectro local. Com esse propósito, o grupo de Milão chega no sul da Itália e povoa o centro da cidade de Cosenza, na Calábria com Battito Animale. São os animais de Cracking Art portando a natureza para o asfalto. Com o objetivo de compreender como Cracking Art, via Battito Animale, é capaz de promover a comunicação ecológica e ambiental a fim da construção processual do Conhecimento e da Cultura nesse nicho, elencamos as categorias Comunicação, por Morin (2001) e as subcategorias Cor, por Farina (1990), Studium e Punctum, por Barthes (1984), além das categorias Cultura, por Barthes (1987) e Conhecimento, por Morin (1998), em consonância com a Semiologia barthesiana (1999) no âmbito da Pesquisa Qualitativa, por Bauer e Gaskell (2002).

Texto completo:

PDF

Referências


BARTHES, Roland. A câmara clara. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984.

______. Aula. 12. ed. São Paulo: Cultrix, 1997.

______. Elementos da semiologia. 12. ed. São Paulo: Cultrix, 1999.

______. O rumor da língua. Lisboa: Ed. 70, 1987.

BAUER, Martin W.; GASKELL, George. Qualitative researching with text, image and sound: a Pratical Handbook. In: GUARESCHI, Pedrinho A. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Vozes, 2002. p. 17-61.

CALLEMBACH, Ernest. Ecologia: um guia de bolso. São Paulo: Petrópolis, 2001.

CAPRA, Fritjof. Meio ambiente no século 21: 21 especialistas falam da questão ambiental nas suas áreas de conhecimento. Rio de Janeiro: Sextante, 2003.

CRACKING ART. Il Gruppo [S.l., 2019]. Disponível em: . Acesso em: 25 jun. 2019.

CRACKING ART. Battito Animale. Cosenza, 19 jun. 2019. Instagram. Disponível em: . Acesso em: 25 jun. 2019.

CRACKING ART. Protection #crackingart. Cosenza, 23 jun. 2019. Instagram. Disponível em: . Acesso em: 25 jun. 2019.

DI PACE, Maria; BARTRONS, Haoracio Caride. Ecologia de la ciudad. Buenos Aires: Universidad Nacional de General Sarmiento, 2004.

FARINA, Modesto. Psicodinâmica das cores em comunicação. 4. ed. São Paulo: Edgar Blücher, 1990.

HOHLFELDT, Antônio; MARTINO, Luis C.; FRANÇA, Vera Veiga. Teorias da comunicação: conceitos, escolas e tendências. Petrópolis: Vozes, 2001.

KLOETZEL, Kurt. O que é meio ambiente. São Paulo: Brasiliense, 1998.

KUHN, Thomas S. A estrutura das revoluções científicas. 5. ed. São Paulo: Perspectiva, 2000.

MORIN, Edgar. As duas globalizações: complexidade e comunicação, uma pedagogia do presente. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2001.

______. Ciência com consciência. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1996.

______. Da necessidade de um pensamento complexo. In. MARTINS, Francisco Menezes; SILVA, Juremir Machado da. Para navegar no século XXI. Porto Alegre: Sulina/EDIPUCRS, 1999. p. 38-83.

______. Diário da China. Poro Alegre: Sulina, 2007.

______. O método 4: as ideias – hábitat, vida, costumes, organização. Porto Alegre: Sulina, 1998.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.