DESAFIOS DA MULHER CONTADORA: PERFIL E PERSPECTIVAS DAS PROFISSIONAIS FORMADAS PELAS FACULDADES INTEGRADAS DE TAQUARA- FACCAT

Vanessa Padia de Souza, Leticia Gomes Locatelli

Resumo


A mulher por muito tempo foi vista como dona do lar, se dedicando apenas para os cuidados da família. Ao longo da sua história, foi ingressando no mercado de trabalho e ganhando espaço. Entretanto, muitos desafios foram e são encontrados na sua vida profissional. Dessa forma, este estudo teve como objetivo identificar os desafios da mulher contadora a partir do perfil, das perspectivas e da percepção das profissionais formadas entre 2010 e 2019 pelo curso de ciências contábeis da Faculdades Integradas de Taquara- FACCAT. Para tanto, foi utilizado o método survey, através de questionário remetido a todas as 166 formadas pela instituição entre 2010 e 2019. Com uma amostra de 58 respondentes foi possível identificar que 23% das egressas possuem mais de 10 anos no mercado de trabalho, assim como 23% nunca exerceram a profissão. Os dados da pesquisa revelam que a maioria da amostra (78%) está inserida no mercado de trabalho.Os resultados indicam que eventual dificuldade para a atuação no mercado de trabalho pode estar relacionada a questões sóciodemográficas ou pessoais, desassociadas da faixa etária. A maioria das egressas exerce sua profissão no Vale do Paranhana (54%), demonstrando boa perspectiva de emprego na região de atuação da FACCAT. Acerca da perspectiva relacionada ao crescimento na profissão os dados mostram que os cargos de chefia ocupados pelas egressas representam 48%, enquanto os cargos auxiliares estão em 52%, provando que os dois grupos não estão distantes e que a mulher tem crescido na sua profissão e está ganhando espaço. Quanto aos desafios percebidos pelas egressas, estes são voltados aos cargos e necessidade de atualização, e os desafios mais pertinentes ao gênero mulher estão ligados a discriminação pelo gênero, conciliar a jornada de trabalho e a vida familiar, principalmente ser mãe e profissional.

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAMO, L. W. A inserção da mulher no mercado de trabalho: uma força de trabalho secundária?2007.327. Tese (Doutorado em Sociologia)–Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.Disponível em: . Acesso em: 17 de março de 2020.

ARAÚJO, Adriane Reis de; MOURÃO, Tânia Fontenele. Trabalho da Mulher: Mitos, riscos e transformações. São Paulo. 2012.

BARBOSA, A. L. Participação feminina no mercado de trabalho brasileiro. Mercado de trabalho | 57 | ago. 2014.

BONIATTI. A. VELHO, A; PEREIRA, A; BÁRBARA, P; OLIVEIRA, S. A evolução da mulher no mercado contábil. Revista Gestão e Desenvolvimento em Contexto- Gedecon Vol.2, Nº. 01, 2014.

BORDIN, P. & LONDERO, R. I. (2006). Atividade Contábil Exercida pela Mulher em Santa Maria - RS. Santa Maria, 2006. Recuperado em 10 fev. 2015: http://sites.unifra.br/Portals/36/SA/2006/AtividadeContabil.pdf. Acesso em: 15 de março de 2020.

CARNEIRO, J. D. Mulheres na Contabilidade: 41% dos profissionais atuantes hoje são do sexo feminino. Disponível em: Acesso em: 22 de fevereiro de 2020.

CHAER, G; DINIZ, R; RIBEIRO, E. A técnica do questionário na pesquisa educacional. Disponível em: http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/maio2013/sociologia_artigos/pesqusia_social.pdf. Acesso em: 07 de abri.2020.

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, CFC. (2014). Mulher Contabilista. Recuperado em 05 fevereiro 2015. < http://www.portalcfc.org.br/projetos/mulher_contabilista/>. Acesso em: 16 de março de 2020.

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, CFC. Mulheres se destacam por atuação e crescimento profissional na Contabilidade. Disponível em: https://cfc.org.br/noticias/mulheres-se-destacam-por-atuacao-e-crescimento-profissional-na-contabilidade/. Acesso em: 27 de março de 2020.

CRESWELL, John W.; CLARK, Vicki L. Plano. Pesquisa de Métodos Mistos-: Série Métodos de Pesquisa. Penso Editora, 2015.

DUARTE, V. M. N. Pesquisas: exploratória, descritiva e explicativa. 2015. Disponível em: http://monografias.brasilescola.uol.com.br/regras-abnt/pesquisas-exploratoria-descritiva-explicativa.htm. Acesso em: 6 de abril de 2020.

ESTEVENS, M.; NETO, M. T. Mulheres no mercado de trabalho: em Portugal a mulher contabilista. In: ENCONTRO INTERNACIONALLUCA PACIOLIDE HISTÓRIA

DACONTABILIDADE, 4., 2015, Lisboa, Portugal. Anais eletrônicos. Encontro Internacional Luca Pacioli de História da Contabilidade: Lisboa, 2015. Disponível em: . Acesso em: 20 de março de 20200.

FIGUEIREDO, M. D. O Mercado de Trabalho e a Participação das Contadoras que Atuam nas Empresas de Auditoria Independente do Estado do Sergipe. Sergipe. 2007. Disponível em: . Acesso em: 22 de fevereiro de 2020.

FIGUEIREDO, S; FABRI, P. E. Gestão de empresas contábeis. São Paulo: Atlas, 2014.

FONSECA, J. J. S. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC, 2002.

FREITAS, H; OLIVEIRA, M; SACCOL, A; MOSCAROLA, J. O método de Pesquisa survey. Revista de Administração, São Paulo v.35, n.3, p.105-112, julho/setembro 2000.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Demográfico de 2010: Estatísticas de Gênero. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/apps/snig/v1/?loc=0&cat=-1,1,2,-2,112,113,114,128&ind=4741 Acesso em: 18 de março de 2020.

LAKATOS, E.M.; MARCONI, M.A. Fundamentos de metodologia científica: Técnicas de pesquisa. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

LEAL, E; MIRANDA, G; ARAÚJO, T; BORGES, L. Estereótipos na Profissão Contábil: a opinião de estudantes e do público externo no Triângulo Mineiro. Contabilidade, Gestão e Governança - Brasília · v. 17 · n.1 · p. 134 - 153 · jan./abr. 2014.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 2002.

IUDÍCIBUS, S. Teoria da contabilidade. São Paulo: Atlas, 2009.

MACHADO, M; SILVA, M. L; VICTOR, F. Representatividade das contadoras como responsáveis pela contabilidade e pela auditoria independente das empresas de capital aberto à luz do fenômeno do teto de vidro. II Congresso de Contabilidade da UFRGS.

MATOS, R.S; MACHADO, A, F.Diferencial de rendimento por cor e sexo o Brasil (1987-2001). Revista Econômica, v.8, n.1. 5-27,2006. Disponível em: https://periodicos.uff.br/revistaeconomica/article/view/34918/20173. Acesso em: 16 de março de 2020.

MARION,J. C. Contabilidade básica. 10 ed.. São Paulo:Atlas,2009.

MAZOCCO, M; COSTA, M; MARIANO, F; FRANCO, J; LEITE, A; BOREL, J. A percepção da mulher sobre o mercado Contábil da Cidade de Venda Nova do Imigrante- ES.III Jornada de Iniciação Científica. IV Seminário Científico da FACIG.

MORENO, M; SANTOS, F; SANTOS, C. O fortalecimento da mulher na área contábil - crescimento e valorização profissional. Estudos, Goiânia, v. 42, n. 2, p. 201-210, abr./jun. 2015.

MOTA, É. R. C. F.; SOUZA, M. A. A evolução da mulher na contabilidade: os desafios daprofissão.In: CONGRESSO VIRTUAL BRASILEIRO DE ADMINISTRAÇÃO, 10., 2012, São Paulo. Anais eletrônicos. CONVIBRA: São Paulo, 2012. Disponível em: . Acesso em: 16 de março de 2020.

NEVES, F.H. Mulheres na contabilidade: a atuação profissional das egressas do curso de ciências contábeis da FACIP/UFU de 2011 a 2017. Disponível em: https://repositorio.ufu.br/bitstream/123456789/22199/3/MulheresContabilidadeAtua%C3%A7%C3%A3o.pdf. Acesso em: 15 de abril de 2020.

OLIVEIRA, J; MARTINS, D; NEVES, S; STURZENEKER, V. A presença da mulher na atuação profissional da contabilidade. PISTA: Periódico Interdisciplinar [Sociedade Tecnologia Ambiente], v. 1, n. 2, p. 21-39, 2019.

OLIVEIRA, S; NASCIMENTO, Í; SILVA, J. Desafios e perspectivas do mercado de trabalho para a mulher contabilista. Revista Conhecimento Contábil, ISSN 2447-292, Mossoró/RN, UERN; UFERSA. Vol. 02, n. 01, p. 01-17, Jan/Jun., 2016.

PEDRO, Joana. Traduzindo o debate: o uso da categoria gênero na pesquisa histórica. HISTÓRIA, SÃO PAULO, v.24, N.1, P.77-98, 2005

ROCHADEL, G. M. M. História do trabalho da mulher. Âmbito Jurídico, Rio Grande, X, n. 40, abr., 2007. Disponível em: . Acesso em:19 de março de 2020.

ROCHA-COUTINHO, M. L. Quando o executivo é uma “dama”: mulher, carreira e relações familiares. In: Féres-Carneiro, T. (Org.). Família e casal: arranjos e demandas contemporâneos (pp. 57-77). Rio de Janeiro: Editora da PUC-Rio; São Paulo: Loyola. 2008.

SILVA, C; ANZILAGO, M; LUCAS, A. A Mulher Contabilista nas Publicações Acadêmicas Brasileiras. Disponível em: https://congressousp.fipecafi.org/anais/artigos152015/269.pdf. Acesso em: 7 de abri. 2020.

SILVA, D. J. M.; SILVA, M. A.; SANTOS, G. C. Estereótipos de gênero na contabilidade: afinal como a mulher contadora é vista. In: XI Congresso AnpCont, Belo Horizonte, Minas Gerais. Recuperado de http://congressos. anpcont. org. br/xi/congresso.

SILVA, D.; SILVA, M.Mulheres na contabilidade: os estereótipos socialmente construídos sobre a contadora. Advances in Scientific and Applied Accounting ISSN 1983-8611 São Paulo v.11, n.1 p. 071 - 091 Jan. / Abr. de 2018.

SIMÕES, F. I. W., HASHIMOTO, F. (2012). Mulher, mercado de trabalho e as configurações familiares do século XX. Vozes dos Vales, 1, 1- 25. Recuperado de: http://site.ufvjm.edu.br/revistamultidisciplinar/files/2011/09/Mulher-mercado-detrabalho-e-as-configura%C3%A7%C3%B5es-familiares-do-s%C3%A9culoXX_fatima.pdf. Acesso em: 26 de março de 2020.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.