Movimento de Mulheres Camponesas (MMC) na defesa da soberania alimentar

Autores

  • Andressa Bertoncello Valandro
  • Rosana Maria Badalotti
  • Cristiane Tonezer
  • Egon Roque Frohlich

DOI:

https://doi.org/10.26767/coloquio.v15i1.768

Resumo

Os movimentos sociais, aqui entendidos como expressões de poder da sociedade civil organizada, têm sido objeto de diferentes discursos, tanto em nível acadêmico quanto dos governos, pressionados a produzir respostas às demandas destes atores sociais coletivos. No Brasil, diversos movimentos sociais emergem nas décadas de 1970 e 1980, juntamente com o processo de redemocratização do país, sendo que, na região do oeste catarinense, destaca-se o surgimento de movimentos relacionados ao campo, como é o caso do Movimento de Mulheres Camponesas (MMC), objeto deste estudo. O MMC caracteriza-se como um movimento popular, feminista e autônomo, que busca a valorização das mulheres do campo, em contraposição à cultura patriarcal, ainda visualizada na sociedade contemporânea. Aposta na construção de um projeto de agricultura camponesa e agroecológica na defesa da soberania alimentar. Através de revisão da literatura e documental, este artigo analisa a organização política do MMC na defesa de um modelo de desenvolvimento baseado nos princípios da soberania alimentar. Como resultados, evidencia-se que uma das principais bandeiras de luta do MMC refere-se à defesa da vida, considerando a busca por justiça, liberdade e solidariedade, com destaque para a construção de um projeto de agricultura agroecológica em contraposição ao modelo de agricultura convencional. A defesa da soberania alimentar pelo MMC assume questões específicas, como a preservação do solo, a recuperação de sementes crioulas, o plantio e manejo agroecológico, entendendo que não se trata apenas de um conceito, mas de uma estratégia política no enfrentamento ao sistema neoliberal globalizado.

Referências

ALTIERI, Miguel A. Agroecologia, agricultura camponesa e soberania alimentar. Revista Nera. v. 13, n. 16, jan./jun./2010. Disponível em: <http://revista.fct.unesp.br/index.php/nera/ article/view/1362/1347>. Acesso em: 20 nov. 2015.

AMTR-SUL – Articulação de Mulheres Trabalhadoras da Região Sul do Brasil. (Org.) DARON, Vanderleia L. P.; COLLET, Zenaide. Cartilha: Mulheres camponesas em defesa da saúde e da vida. Passo Fundo: Gráfica Passografic, 2008.

ARAUJO, Nayra V.; LIMA, Antônia J. Melucci e Tarrow: revisão teórica sobre movimentos sociais. Revista em Pauta, Rio de Janeiro. v. 7, n. 25, p. 115-130, jul. 2010.

BELIK, W. Perspectivas para Segurança Alimentar e nutricional no Brasil. Saúde e Sociedade, São Paulo, v .12, n. 1, p. 12-20, jan./jun. 2003.

BONI, Valdete. MMC um movimento camponês e feminista. Grifos. Chapecó. v. 22,: Argos, p.34-35. 2013. Disponível em: <http://bell.unochapeco.edu.br/revistas/index.php/grifos/article/view/1259>. Acesso em: 28 nov. 2015.

COLLET, Zenaide. CIMA, Justina I. Produção de auto sustento, quintais produtivos na agricultura familiar e camponesa. In: BONI, Valdete (Org.). Organização produtiva de mulheres e promoção de autonomia por meio do estímulo à prática agroecológica. Tubarão: Gráfica Copiart, 2015.

CINELLI, Catiane. Movimento de Mulheres Camponesas: 30 anos. In: Grifos. Chapecó: Argos; 2013.

GOHN, Maria da Glória. Teorias dos movimentos sociais: paradigmas clássicos e contemporâneos. São Paulo: Loyola, 2006.

______. Movimentos sociais na contemporaneidade. Revista Brasileira de Educação. São Paulo, v. 16, n. 47, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v16n47/v16n47a05.pdf. Acesso em: 1 dez. 2015.

GOSS, Karine Pereira; PRUDENCIO, Kelly. O conceito de movimentos sociais revisitado. Em Tese, Florianópolis, v. 1, n. 2, p. 75-91, jan. 2004. ISSN 1806-5023. Disponível em: <https://periodicos.ufsc.br/index.php/emtese/article/view/13624/12489>. Acesso em: 15 ago. 2016.

MELUCCI, Alberto. A invenção do presente: movimentos sociais nas sociedades complexas. Petrópolis: Vozes, 2001.

PAULILO, Maria Ignez. A luta das mulheres agricultoras: entrevista com Adélia Schmitz. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, 2007.

POLI, Odilon. Leituras em movimentos sociais. Chapecó: Argos, 2008.

SANTOS, L. R. S.; SANTOS, J. L. A soberania alimentar: construção política desde a organização das mulheres camponesas. In: Boletim DATALUTA. Núcleo de Estudos, Pesquisa e Projetos de Reforma Agrária. São Paulo: NERA, 2015. Disponível em: <http://www2.fct.unesp.br/nera/artigodomes/5artigodomes_2015.pdf>. Acesso em: 28 nov. 2015.

SCHERER-WARREN, Ilse. Movimentos sociais e Estado no Brasil: da ditadura ademocratização. In: SCHERER-WARREN, Ilse. Redes emancipatórias: nas lutas contra a exclusão e por direitos humanos. Curitiba: Appris, 2012. p. 53-63.

SILIPRANDI, Emma. Mulheres agricultoras e a construção dos movimentos agroecológicos no Brasil. In: NEVES, Delma P.; MEDEIROS, Leonilde S. (Orgs.). Mulheres camponesas: trabalho produtivo e engajamentos políticos. Niterói: Alternativa, 2013.

STÉDILE, João Pedro; CARVALHO, Horácio Martins de. Soberania Alimentar: uma necessidade dos povos. Brasília, Biblioteca digital da questão agrária do Brasil. 2011. Disponível em: <http://www.reformaagrariaemdados.org.br/sites/default/files/Soberania%20Alimentar%20-%20Uma%20necessidade%20dos%20povos%20-%20Jo%C3%A3o%20Pedro%20Stedile%20e%20Horacio%20Martins%20de%20Carvalho%20-%202010.pdf>. Publicado em 25 de março de 2011. Acesso em: 28 nov. 2015.

Downloads

Publicado

2018-05-31

Edição

Seção

Artigos