Bioeconomia, economia circular e agroindústria 4.0: proposições para as transições tecnológicas emergentes.

Autores

  • Bruno Gouvêa Bastos Programa de Pós-Graduação Profissional em Administração Pública (PROFIAP/ESAN) da UFMS.
  • José Carlos de Jesus Lopes Professor do Programa de Pós-Graduação Profissional em Administração Pública (PROFIAP/ESAN) da UFMS.
  • Ana Carolina Nogueira Gonçalves Bolsista PIBIC/CNPQ/UFMS-2020-2021 (UFMS).
  • Kalil Nascimento Neiva Bolsista PIBIC/CNPQ/UFMS-2020-2021 (UFMS).

DOI:

https://doi.org/10.26767/coloquio.v19i1,%20jan/mar.2375

Palavras-chave:

Tecnologias sustentáveis e inteligentes; Sistemas de Informação; Sequestro de carbono; Agroenergia; Gestão inteligente da cadeia do agronegócio.

Resumo

As proposições da Bioeconomia apontam para uma transição tecnológica de uma economia baseada em energias fósseis para uma economia baseada em fontes renováveis das biomassas, um meio de sequestro de carbono. As proposições da economia circular buscam romper com o ciclo fechado extrair-produzir-descartar, alternando-se para o reaproveitamento racional dos resíduos no ciclo produtivo mais limpo. As proposições da agroindústria 4.0 trazem a conexão em rede digital, de sistemas físicos, sob o suporte da Tecnologia da Informação e Comunicação, um direcionamento alternativo de formação de cadeias produtivas agroindustriais mais sustentáveis e inteligentes. Assim, questiona-se o quanto às abordagens teóricas e às respectivas proposições tecnológicas da Bioeconomia, da economia circular e da agroindústria 4.0 estão alinhadas para o sequestro de carbono. Sob esta perspectiva, este ensaio teórico dedica-se a refletir sobre os alinhamentos das abordagens teóricas e às respectivas proposições tecnológicas da Bioeconomia, da economia circular e da agroindústria 4.0 para o sequestro de carbono. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, descritiva, fruto de uma revisão bibliográfica, com abordagens exploratórias multi e interdisciplinares. Os resultados apontaram para a existência de uma transição da abordagem conceitual inicial da Bioeconomia para uma nova vertente, a Bioeconomia sustentável, com vista ao sequestro de carbono. Refletiu-se que as abordagens conceituais e as proposições tecnológicas da Bioeconomia sustentável estão relativamente alinhadas com as da economia circular e ambas estão igualmente relativamente alinhadas com a agroindústria 4.0. Refletiu-se também em relação às restrições evidenciadas entre as três proposições, o que significa a existência de desafios a serem superados.

Biografia do Autor

Bruno Gouvêa Bastos, Programa de Pós-Graduação Profissional em Administração Pública (PROFIAP/ESAN) da UFMS.

Mestrando em Administração Pública (PPGAD-UFMS). 

José Carlos de Jesus Lopes, Professor do Programa de Pós-Graduação Profissional em Administração Pública (PROFIAP/ESAN) da UFMS.

Doutorado em Meio Ambiente e Desenvolvimento (UFPR).

Ana Carolina Nogueira Gonçalves, Bolsista PIBIC/CNPQ/UFMS-2020-2021 (UFMS).

Graduação em Ciências Econômicas (ESAN-UFMS). 

Kalil Nascimento Neiva, Bolsista PIBIC/CNPQ/UFMS-2020-2021 (UFMS).

Graduação em Ciências Econômicas (ESAN-UFMS).

Referências

ABDALLA, Fernando Antônio; SAMPAIO, Antônio Carlos Freire. Os novos princípios e conceitos inovadores da Economia Circular. Revista Entorno Geográfico. n. 2, v. 15, p. 82-102. 2018.

ALBERTIN, Alberto Luiz; ALBERTIN, Rosa Maria de Moura. A Internet das coisas irá muito além das coisas. GVEXECUTIVO, v 16, n 2, mar/abril. 2017.

ALVES, José Eustáquio Diniz. Os 25 anos da CIPD: Terra inabitável e o grito da juventude. Revista Brasileira de Estudos de População, v.36, p. 1-13. 2019.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). ABNT NBR 6023 – Informação e documentação – Referências – Elaboração. 2. ed. Rio de Janeiro, 2018.

BERALDO, Antonio Donizeti. Bioeconomia no Brasil: desafios e potencialidades. AgroANALYSIS, v. 38, n. 9, p. 24-25. 2019.

BERTALANFFY, Ludwig von. Teoria geral dos sistemas. 8. ed. Petrópolis-RJ: Vozes, 2015.

BLUNCK, Erskin; WERTHMANN, Hedwig. Industry 4.0–an opportunity to realize sustainable manufacturing and its potential for a circular economy. In: DIEM: Dubrovnik International Economic Meeting. Sveučilište u Dubrovniku, p. 644-666. 2017.

BOSCOV, Camila Pereira Boscov; REZENDE, Gabriel Ribeiro Vieira. Processo de Implementação do IFRS: um ensaio teórico sobre as justificativas relacionadas a resistências às mudanças organizacionais sob a teoria de Lewin. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade (REPeC), v.10, n. 4, p. 449-465, out/dez. 2016.

BRASIL. Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC). Plano de Ação em Ciência, Tecnologia e Inovação em Bioeconomia. Brasília-DF: CGEE, 2018.

_____. Secretaria de Políticas para a Formação e Ações Estratégicas. Coordenação-Geral do Clima. Estimativas anuais de emissões de gases de efeito estufa no Brasil. Coordenação-Geral do Clima. 5. ed. Brasília-DF: Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, 2020a.

_____. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). Coletânea de fatores de emissão e remoção de gases de efeito estufa da pecuária brasileira. Brasília-DF: MAPA/SENAR, 2020b.

BONONI, Daniele Fernanda; POLLI, Henrique Quero. Aplicabilidade da ferramenta FMEA na mitigação de falhas de processos produtivos da agroindústria 4.0. Revista Interface Tecnológica, v. 17, n. 2, p. 513-522. 2020.

BUENO, Carolina da Silveira; ALVAREZ, Larissa Carolina Barboza; DA SILVA, Grazielle Cardoso. Redes e fronteiras tecnológicas em instituição de pesquisa: há um caminho sendo construído para o desenvolvimento rural da Bioeconomia? Cadernos de Ciência & Tecnologia, v. 1, n. 1, p. 26776. 2020.

BUNDESMINISTERIUM FUR WIRTSCHAT UND ENERGIA (BMWI). O que é a Indústria 4.0? 2020. Disponível em <https://www.plattform-i40.de/PI40/Navigation/DE/Industrie40/WasIndustrie40/was-ist-industrie-40.html>. Acesso em: ago. 2020.

CARRION, Patrícia; QUARESMA, Manuela. Internet da Coisas (IoT): Definições e aplicabilidade aos usuários finais. HFD, v. 8, n. 15, p. 49-66, mar. 2019. Disponível DOI: http://dx.doi.org/10.59652316796308152019049.

CARUS, Michael; DAMMER, Lara. The circular bioeconomy- concepts, opportunities, and limitations. Industrial biotechnology, v. 14, n. 2, p. 83-91. 2018.

CEPEA. Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada. Mercado de trabalho do agronegócio brasileiro: aspectos metodológicos. Piracicaba, 2017.

COELHO, Pedro Miguel Nogueira. Rumo à indústria 4.0. (Dissertação de Mestrado). Faculdade de Ciência e Tecnologia. Universidade de Coimbra-PT. Portugal, 2016.

COMISSÃO MUNDIAL SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO (CMMAD). Nosso Futuro Comum. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora Fundação Getúlio Vargas, 1991.

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA (CNI); HARVARD BUSINESS REVIEW-BRASIL (HBR-BR). Bioeconomia: Uma Agenda para o Brasil. Brasília-DF, 2013.

_____. Projeto Indústria 2027. Riscos e oportunidades para o Brasil diante de inovações disruptivas. Estudo de Sistema Produtivo. Agroindústrias. Foco Setorial: Alimentos Processados. Brasília-DF: CNI, 2018.

D'AMATO, D.; et al. Green, circular, bio economy: A comparative analysis of sustainability avenues, Journal of Cleaner Production, volume 168, p. 716-734, dez. 2017.

DANTAS, Marina Kolland; PASSADOR, Cláudia Souza. Programa Município VerdeAzul: Uma análise integrada da gestão ambiental no estado de São Paulo. Revista Organizações & Sociedade (0&S), 27(95), p. 820-854. 2020.

DANTAS, Thales Eduardo Tavares; et al. Convergências entre as práticas da Indústria 4.0 e os princípios da Economia Circular. Anais […]. XX Engema – USP-SP, São Paulo - SP, 2018.

DE ANDA-LÓPEZ, Rosa María; BETANZOS-CASTILLO, Francisco; SÁNCHEZ-SALINAS, Agripín; AGUIRRE-ARANDA, Rodolfo. Chapter 4 Application of simulation models in agricultural mechatronic design for Agroindustry 4.0. Modeling of the seed dosing system for automatic germination tray seed drill. Universidad Tecnológica del Sur del Estado de México, Disponível: DOI: 10.35429/H.2020.5.61.77.

DIREÇÃO GERAL DAS ATIVIDADES ECONÔMICAS (DGAE). Economia Circular. 2020. Disponível em <https://www.dgae.gov.pt/servicos/sustentabilidade-empresarial/economia-circular.aspx>. Acesso em: 25 ago. 2020.

DIAS, Rodnei Fagundes; CARVALHO FILHO, CAADE. Bioeconomia no Brasil e no mundo: panorama atual e perspectivas. Revista Virtual de Química, v. 9, n. 1. 2017.

ELKINGTON, John. Canibais com garfo e faca. São Paulo: Makron Books, 2001.

ELLEN MACARTHUR FOUNDATION. What is Circular Economy? 2020. Disponível em: <https://www.ellenmacarthurfoundation.org/circular-economy/what-is-the-circular-economy>. Acesso em: jan. 2021.

EUROPEAN COMISSION. Comunicação da comissão ao parlamento europeu, ao conselho, ao comité económico e social europeu e ao comité das regiões. Fechar o ciclo: Plano de Ação da UE para a Economia Circular. Comunidade Europeia, 2015.

¬¬¬_____. Comunicação da comissão ao parlamento europeu, ao conselho, ao comité económico e social europeu e ao comité das regiões. Uma Bioeconomia sustentável na Europa: Reforçar as ligações entre a economia, a sociedade e o ambiente. CE, 2018.

EUROPEAN PARLIAMENT. União Europeia, 2016. Indústria 4.0. Disponível em <https://www.europarl.europa.eu/RegData/etudes/STUD/2016/570007/IPOL_STU(2016)570007_EN.pdf.> Acesso em: ago. 2020.

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO (FIRJAN). Panorama da Inovação-Indústria 4.0. Internet das coisas. Rio de Janeiro: FIRJAN, 2016.

FEIX, R.D.; LEUSIN JÚNIOR, S. Estatísticas e indicadores do emprego formal do agronegócio: nota técnica. Porto Alegre: FEE, 2016.

FOSTER, Allan; ROBERTO, Samanta Souza; IGARI, Alexandre Toshiro. Economia circular e resíduos sólidos: uma revisão sistemática sobre a eficiência ambiental e econômica. Anais [...]. Engema – USP-SP, São Paulo - SP, 2016.

GARCÍA-BAQUERO, Ricardo Domínguez. Agroindustria 4.0, la era de la información y la conectividad. Mercacei magazine, n. 104, p. 56-61. 2020.

GEISSDOERFER, Martin; et al. The Circular Economy-A new sustainability paradigm? Journal of cleaner production, v. 143, p. 757-768. 2017.

GEORGESCU-ROEGEN, Nicholas. Energy and economic myths. Southern economic journal, p. 347-381. 1975.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 6. ed. São Paulo: Atlas. 2017.

GONÇALVES, Ana Carolina; NEIVA, Kalil Nascimento; LOPES, José Carlos de Jesus; VASCONCELOS, Alexandre Meira de. Abordagens sobre Bioeconomia na Produção Científica Qualificada. Anais [...]. XXII Engema. USP-SP. São Paulo, nov., 2020.

GRAEDEL, Thomas E. On the concept of industrial ecology. Annual Review of Energy and the Environment, v. 21, n. 1, p. 69-98. 1996.

HEIJMAN, Wim. How big is the bio-business? Notes on measuring the size of the Dutch bioeconomy. NJAS-Wageningen Journal of Life Sciences, v. 77, p. 5-8. 2016.

HENNING, Kagermann. Recommendations for implementing the strategic initiative Industrie 4.0. 2013. Disponível em: <https://www.knaw.nl/shared/resources/actueel/bestanden/26_10_2012_Henning%20Kagermann.pdf>. Acesso em: mar. 2021.

HERNÁNDEZ, R. E.; CÉSPEDES, J. Bioeconomía: una estrategia de sostenibilidad en la cuarta revolución industrial. Revista de Investigación e Innovación Agropecuaria y de Recursos Naturales, v. 7, n. 2, p. 126-133. 2020.

INSTITUTE FOR EUROPEAN ENVIRONMENTAL POLICY (EIP-AGRI). The Role of Agriculture and The Forestry in The Circular Economy. Workshop on circular economy. Finlândia: Institute for European Environmental Policy (IEEP), 2015.

JAPIASSÚ, Hilton. Interdisciplinaridade e patologia do saber. Rio de Janeiro: Imago, 1976.

LAMPIS, Andrea; TORRES, Pedro Henrique Campello; JACOBI, Pedro Roberto; LEONE, Ana Lia. A produção de riscos e desastres na América Latina em um contexto de emergência climática. O Social em Questão, n. 48, set/dez, p. 75-96. 2020.

LEFF, Enrique. Saber ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. 10. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

LEWANDOWSKI, Iris. Bioeconomy: Shaping the transition to a sustainable, biobased economy. Springer Nature, 2018.

LINS, Amanda Barbosa. Produção de bioemulsificante por Rhodotorula mucilaginosa UCP 1551 através da Bioeconomia circular utilizando substratos agroindustriais. Dissertação, 67 p. Universidade Católica de Pernambuco. Recife – PE, 2019.

MARCIAL, Elaine C.; et al. Brasil 2035: cenários para o desenvolvimento. Brasília-DF: IPEA, 2017.

MARCONI, Marina de Andrade e LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisa, amostragens e técnicas de pesquisa, elaboração, análise e interpretação de dados. 8. ed. São Paulo: Atlas, 2018.

MARTINHO S & AVILLEZ F (2019). O Acordo de Paris, a neutralidade carbónica e a Bioeconomia. Cultivar. Cadernos de Análise e Prospetiva e Prospetiva Nº 15 23-29 pp. Gabinete de Planeamento, Políticas e Administração Geral (GPP). ISBN 2183-5624.

MASSRUHÁ, Silvia Maria Fonseca Silveira; et al. Agricultura digital: pesquisa, desenvolvimento e inovação nas cadeias produtivas. Brasília – DF: Embrapa, 2020.

MCCORMICK, Kes; KAUTTO, Niina. The bioeconomy in Europe: An overview. Sustainability, v. 5, n. 6, p. 2589-2608. 2013.

MEJIAS, Rafael Gouveia. Bioeconomia e suas aplicações. R. ÎANDÉ Ciências e Humanidades. São Bernardo do Campo, v. 2, n. 3, p. 105-121, jul. 2019.

MENEGUETTI, F. K. O que é ensaio-teórico? Revista Administração Contemporânea, v. 15, n. 2, p. 320-332, abr. 2011.

MOLESTI, Romano. I fondamenti della Bioeconomia. La nuova economia ecológica. Franco Angeli: Milan, Italy, 2006.

MOREIRA, Alexandre M. Bioeconomia: Plataforma Mundial de Inovação e Sustentabilidade nas Cadeias Agroindustriais. Revista Processos Químicos, v. 10, n. 20, p. 351-353. 2016.

MORIN, Edgar. Introdução ao Pensamento Complexo. 4. ed. Lisboa-Portugal: Instituto Piaget, 2003.

MORRAR, Rabeh; ARMAN, Husam; MOUSA, Saeed. The fourth industrial revolution (Industry 4.0): A social innovation perspective. Technology Innovation Management Review, v. 7, n. 11, p. 12-20. 2017.

NASCIMENTO, Paulo Tromboni de Souza. Um ensaio teórico de caracterização objetiva e crítica do conceito de Administração. Cadernos Ebape.BR. v. 12, nº 2, p. 206-220, abr./jun. 2014.

NILES, M. T.; LUBELL, M. Integrative frontiers in environmental policy theory and research. Policy Studies Journal, p. 41-64. 2012.

NOBRE, C. A.; et al. Ministério do Meio Ambiente (MMA). Secretaria de Biodiversidade e Florestas-SBF, Diretoria de Conservação da Biodiversidade-DCBio. Mudanças climáticas e possíveis alterações nos biomas da América do Sul. Relatório, n. 6, p. 25. 2007.

OLIVEIRA, Denise Leonardo Custodio Machado de. Desenvolvimento e especialização da agroindústria em Uberlândia-MG (1970 a 2014): a expansão das indústrias processadoras de soja, carnes e couros e seu papel na articulação das escalas local-global. Tese, p. 223. Universidade Estadual Paulista, Rio Claro – SP, 2016.

ORGANISATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT (OECD). 2009. The Bioeconomy to 2030: Designing a Policy Agenda, OECD Publishing, Paris. Disponível DOI: https://doi.org/10.1787/9789264056886-en.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). Plataforma Agenda 2030.Os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS). 2015. Disponível em: <http://www.agenda2030.com.br>. Acesso em: dez, 2020.

_____. Onu News/Perspectiva Global e Reportagens Humanas. 2021. Emergência Climática. Disponível em: <https://news.un.org/pt/tags/emergencia-climatica>. Disponível em: abr., 2021.

OLIVEIRA, Lilian Ribeiro de; PASSADOR, Cláudia Souza. Ensaio teórico sobre as avaliações de políticas públicas. Cadernos Ebape.BR. v. 17, nº 2, p. 324-337, abr./jun. 2019.

PARRÉ, José Luiz. O agronegócio nas macrorregiões brasileiras: 1985 a 1995. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo. São Paulo –SP, 2000.

PORTUGAL. COTEC. Bioeconomia Circular e Digital: Oportunidades para a Transição e Desenvolvimento Sustentável da Economia e Indústria Portuguesa. Porto: COTEC, 2019.

_____. Resolução do Conselho de Ministros. RCM n. 190-A, de 11 de dezembro de 2017, que aprovou o Plano de Ação para a Economia Circular (PAEC). Diário da República, nº 236, 2017. Disponível em: <https://dre.pt/application/conteudo/114337039>. Acesso em: nov. 2020.

RIBEIRO, Luana Silva. Inovação Cradle to Cradle (C2C) e circularidade: contribuições econômicas e ambientais no Brasil. Revista Iniciativa Econômica, v. 4, n. 1. 2018.

RODRIGUES, Meghie. Bioeconomia é a nova fronteira para o futuro da América Latina. Ciência e Cultura, v. 70, n. 4, p. 21-22. 2018.

SACHS, Ygnacy. Caminhos para o desenvolvimento sustentável. 2. ed. Rio de Janeiro: Garamond, 2002.

SANTOS, Andreia Brasil; ROCHA, Jannyelle Sousa; MAFRA, Rosana Zau; FERREIRA, Marcio Antônio Couto. A relevância da Bioeconomia para o desenvolvimento regional: Estudo de caso em uma empresa de biocosméticos do estado do Amazonas. Anais [...]. 58º Congresso Sober, 2020. Foz do Iguaçu, 2020.

SANTOS, Kelly Cristina Monteiro dos. Análise de práticas sustentáveis nos setores administrativos de uma agroindústria de laticínios do sertão da Paraíba. Dissertação, 40 p. Universidade Federal de Campina Grande. Campina Grande – PB, 2018.

SEHNEM, Simone; PEREIRA, Susana Carla Farias. Rumo à Economia Circular: Sinergia Existente entre as Definições Conceituais Correlatas e Apropriação para a Literatura Brasileira. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, v. 18, n. 1, p. 35-62, 2019.

SILVA, João Batista da; PREZOTTO, Leomar Luiz. Programa de Agroindustrialização da Produção da Agricultura Familiar. Documento Referencial – Edição 2007-2010. Brasília – DF: Ministério do Desenvolvimento Agrário, 2007.

SILVA, Martim Francisco de Oliveira; PEREIRA, Felipe dos Santos; MARTINS, José Vitor Bomtempo. A Bioeconomia brasileira em números. 2018. NDES Setorial, v. 47, p. 277-332, mar/2018.

SILVA, Michele Lins Aracaty e; OLIVEIRA, Marcílio Lima de. A Bioeconomia como alternativa complementar ao modelo de desenvolvimento do Amazonas. Anais [...]. 58º Congresso Sober, 2020. Foz do Iguaçu, 2020.

SOARES, Sandro Vieira; PICOLLI, Icaro Roberto Azevedo; CASAGRANDE, Jacir Leonir. Pesquisa Bibliográfica, Pesquisa Bibliométrica, Artigo de Revisão e Ensaio Teórico em Administração e Contabilidade. Revista RAEP. Rio de Janeiro, v. 19, n. 2, p. 308-339, mai-ago. 2018.

SOUSA JABBOUR, Ana Beatriz Lopes; et al. Industry 4.0 and the circular economy: a proposed research agenda and original roadmap for sustainable operations. Annals of Operations Research, v. 270, n. 1-2, p. 273-286. 2018.

SOUSA, Renata; TAIRA, G. R.; PARK, S. W. Integração do sistema ciber-físico para sistema de programação intertravamento e controle de um reator batelada. The Journal of Engineering and Exact Sciences, v. 5, n. 5, p. 0424-0432. 2019.

STAHEL, Walter R. The circular economy. Nature, v. 531, n. 7595, p. 435-438. 2016.

STAFFAS, Louise; GUSTAVSSON, Mathias; MCCORMICK, Kes. Strategies and Policies for the Bioeconomy and Bio-Based Economy: An Analysis of Official National Approaches. Sustainability, volume 5, p. 2751-2769, 2013. Disponível em: DOI:10.3390/su5062751.

STERN, N. What is the Economics of Climate Change. World Economics, v. 7, n. 2, april-june. 2006.

STOCK, Nuala Ribeiro de Melo. Estudo comparativo de agendas para a Bioeconomia: conceitos, importância e estratégias. Trabalho de Conclusão de Curso. Universidade de São Paulo – USP, Lorena - SP, 2014.

STOCKER, Thomas F.; et al. Climate change 2013: The physical science basis. Contribution of working group I to the fifth assessment report of the intergovernmental panel on climate change. Cambridge University Review, v. 1535. 2013.

VASCONCELLOS, Maria José Esteves de. Pensamento Sistêmico: O novo paradigma da ciência. Campinas-SP: Papirus, 2002.

VAZ JUNIOR, Silvio. Aproveitamento de resíduos agroindustriais: uma abordagem sustentável. Brasília-DF: Embrapa Agroenergia, 2020.

VEIGA, José Eli da. Sustentabilidade: a legitimação de um novo valor. 2. ed. São Paulo, SP: Senac-São Paulo, 2011.

VELEVA, Vesela; BODKIN, Gavin; TODOROVA, Svetlana. The need for better measurement and employee engagement to advance a circular economy: Lessons from Biogen’s “zero waste” journey. Journal of Cleaner Production, v. 154, p. 517-529. 2017.

VOGT, Mara; BILK, Ângela; SILVA, Márcia Zanievicz. Incerteza ambiental na contabilidade gerencial: Perspectivas futuras. Pretexto, v. 20, n.4, p. 45-59, out-dez, 2019.

WBCSD, E. ACCENTURE. Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS). CEO guide to the circular economy. Geneve, Suisse, 2017.

Downloads

Publicado

2021-12-30

Edição

Seção

Artigos