Território da mesorregião geográfica Sudeste Paranaense: o escopo e a espacialidade dos indicadores sociais e educacionais

Reinaldo Knorek, Ancelmo Schöner, Rui Pedro Julião

Resumo


Este artigo se fundamenta na área do desenvolvimento regional, baseada em análises no escopo dos indicadores sociais e educacionais, nos delimites do território da Mesorregião Geográfica Sudeste Paranaense. Porquanto, a análise na espacialidade é sobre os dados divulgados nos três últimos Censos do IBGE (1991-2000-2010). De tal modo, esse Território é configurado por 21 municípios, foco do estudo, que está dividido geograficamente em quatro microrregiões: 1) Microrregião Geográfica Prudentópolis. 2) Microrregião Geográfica Irati, 3) Microrregião Geográfica União da Vitória e; 4) Microrregião Geográfica São Mateus do Sul. Essa microrregião se caracteriza por possuir: baixo Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM), grande número de beneficiários da política pública do Programa Bolsa Família (PBF), baixo dinamismo econômico na geração de emprego e renda, pouco dinamismo industrial e tendo como principal atividade econômica a exploração agropecuária, principalmente, em atividades associadas à agricultura familiar O método aplicado é o exploratório-descritivo, tendo como base a coleta dos dados divulgados pelos censos, na apreciação do recorte territorial. Conclui-se, na apreciação que a espacialidade territorial passa por uma evolução medida e observada em porcentagens, visto que os indicadores educacionais revelam na análise territorial, a contribuição para o desenvolvimento social e comunitário na mesorregião geográfica Sudeste Paranaense.

Texto completo:

PDF

Referências


ALTMANN, Werner. (1981). A temática dos indicadores sociais e sua resultante atual: a qualidade de vida, Indicadores Sociais de Sergipe, Aracaju.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Agrário - MDA. http://www.sit.mda.gov.br. Acesso em 25/03/2019.

BRASIL. Portal da Cidadania do Governo Federal, 2017, s/p. Disponível em: https://www.gov.br/cidadania/pt-br. Acesso em: 06/08/2018.

FERREIRA, Paula. Educação. Disponível em: https://oglobo.globo.com/sociedade/educacao/-nao-concluiram-ensino-medio. Acesso em 12/03/2019.

IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). IBGEcidades. Disponível em: http://www.IBGE.gov.br . Acesso em: 04/05/2018.

JANNUZZI, Paulo de Martino. Indicadores Sociais no Brasil: conceitos, fontes de dados e aplicações. 5. ed. Campinas: Alínea, 2012.

KNOREK, R. Territórios: políticas de desenvolvimento no Brasil e Portugal. Curitiba, CRV, 2017.

LIBÂNEO, J.; FERREIRA, J.; SEABRA, M. Educação escolar: políticas, estrutura e organização. 6 ed. São Paulo: Cortez, 2008.

NETO, Joaquim José Soares; JESUS, Girlene Ribeiro; KARINO, Camila Akemi; ANDRADE, Dalton Francisco de Andrade. Uma escala para medir a infraestrutura escolar. Estudos em Avaliação Educacional: São Paulo, volume 24, jan/abril 2013.

SANDRONI, Paulo. Novíssimo Dicionário de Economia, 1999. Editora Best Seller. Disponível em: http://introducaoaeconomia.files.wordpress.com/2010/03/dicionario-de-economia-sandroni.pdf. Acesso em: 04/08/2018

SANTAGADA, Salvatore. (2007). “Indicadores Sociais: Uma primeira abordagem social e histórica”. Pensamento Plural. Pelotas. Disponível em http://www.ufpel.edu.br/isp/ppgcs/pensamento-plural/edicoes/01/06.pdf. Acesso em 05/05/2018.

SANTOS, Milton. ELIAS, Denise. Fundamentos teóricos e metodológicos da geografia. 5 ed. São Paulo, Editora HUCITEC, 1997.

VIEIRA, Sofia Lerche. Estrutura e Funcionamento da educação básica. Fortaleza: Edições Demócrito Rocha, UECE, 2001.




DOI: https://doi.org/10.26767/colóquio.v17i4.1814

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.