Relações de cooperação para competitividade e inovação no APL de TI do Vale do Rio Pardo (RS)

Rejane Maria Alievi, Ingridi Vargas Bortolaso, Pietro Cunha Dolci, Eduardo Kroth, Viviane Ceratti Leseux

Resumo


As abordagens sobre arranjos produtivos locais, como forma de dinamizar e explicar o dinamismo de determinados espaços geográficos, são a base do estudo sobre o Arranjo Produtivo Local (APL) da Tecnologia da Informação (TI) da Região do Vale do Rio Pardo (RS). O objetivo central foi verificar se as questões relativas à proximidade geográfica do aglomerado produtivo permitem que as relações de cooperação ocorram com maior intensidade e sejam fatores de competitividade e inovação de um arranjo produtivo local. Para alcançar o objetivo, foi realizada uma pesquisa qualitativa exploratória com empresas do APL de TI, via entrevistas semiestruturadas. Os resultados indicam que a proximidade geográfica é um fator competitivo, a partir da cooperação entre as empresas do APL e também com outros atores, como Universidade, Associações e Governo, gerando externalidades positivas para o conjunto de empresas. Essas inovações foram identificadas como oriundas de pesquisas de mercado, desenvolvimento interno e qualificação da equipe. Assim, a partir desse estudo, evidenciou-se como as empresas do APL de TI do Vale do Rio Pardo têm realizado atividades em conjunto em relação a suas competitividades individuais e coletivas para a criação de ambientes inovadores.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, R. A. de; NÓBREGA, K. C. Arranjo Produtivo Local como Estratégia para o Incremento da Competitividade de Pequenas Empresas do Segmento de Panificação do RN. In: Anais do XXXVII ENANPAD. Rio de Janeiro, 2013.

ALVES, L. da C. et al. Governança em arranjos produtivos locais: um estudo sobre o APL do leite de Sant’ana do Livramento. In: Encontro Nacional de Engenharia de Produção. Anais... Bento Gonçalves, 2012. p. 1–9.

AZEVEDO FILHO, E. T.; RIBEIRO, A. das C. A governança em aglomerações produtivas: uma análise sobre o setor cerâmico de Campos dos Goytacazes. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional,Taubaté, v. 7, n. 1, p. 96-129, jan./abr. 2011.

BALDISERA, H., CERETTA, G. F.; REIS, D. R. Relação entre intraempreendedorismo e inovação: um estudo em empresas participantes do APL de TI do sudoeste do paraná. Gestão & Regionalidade, v. 33, n. 97, jan./abr. 2017.

BARROS, A. J. S.; LEHFELD, N. A. S. Fundamentos da Metodologia Científica. 3. ed. Pearson Education, 2007.

BERISHA-NAMANI, Mihane. The Role of Information Technology in Small and Medium Sized Enterprises in Kosova. In: Fulbright Academy Conference, 2009.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Portaria Interministerial no 200, de 02 de agosto de 2004. Institui o Grupo de Trabalho Permanente para Arranjos Produtivos Locais – GTP APL.

CAMPOS, A. C. de; TRINTIN, J. G.; VIDIGAL, V. G. Estrutura de Governança: o caso do arranjo produtivo local (APL) do setor de confecção de Maringá (PR). Textos de Economia. Florianópolis, v. 12, n. 1, p. 134-155, 2009.

CANÇADO, A. C.; TAVARES, B.; DALLABRIDA, V. R. Gestão social e governança territorial: interseções e especificidades teórico-práticas. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, Taubaté, v. 9, n. 3, p. 313-353, set./dez. 2013.

CARIO, S. A. F.; NICOLAU, J. A. Estrutura e padrão de governança em arranjos produtivos locais no Brasil: um estudo empírico. Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 33, n. 1, p. 177-206, maio 2012.

CASTRO, M. de; GONÇALVES, S. A. Contexto institucional de referência e governança de redes: estudo em arranjos produtivos locais do estado do Paraná. Revista da Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 48, n. 5, p. 1281-1304, set./out. 2014.

COSTA, A. B.; COSTA, B. M. Cooperação e capital social em arranjos produtivos locais. Revista de Desenvolvimento Econômico (RDE), ano IX, n. 15, Salvador, jan. 2007.

DIAS, Robson. Institutions and territorial development: a case study from the productive arrangement of oil and natural gas located in Macae, Brazil. Revista Latinoamericana de Estudios Urbano Regionales (Eure), v. 39, n. 116, p. 141–171, 2013.

GODOY, A.S. Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. RAE – Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 35, n. 2, p. 57-63, 1995.

GONÇALVES, A. T. P.; LEITE, M. S. A.; SILVA, R. M. da. Um estudo preliminar sobre as definições e as diferenças dos principais tipos de arranjos empresariais. Revista Produção Online, v. 12, n. 3, p. 827-854, 2012.

GUIA SOCIOECONÔMICO DO VALE DO RIO PARDO E CENTRO-SERRA, 2018. Disponível em: . Acesso em: 12 dez. 2017.

LASTRES H. M. M.; CASSIOLATO, J. E. Glossário de arranjos e sistemas produtivos e inovativos locais. 2003. Disponível em: . Acesso em: 12 dez. 2017.

LASTRES, H. M. M. et al. O apoio ao desenvolvimento regional: a experiência do BNDES e oportunidades para avanços. Revista do BNDES, Rio de Janeiro, n. 42, p. 5-46, dez. 2014.

LUNARDI, G. L.; DOLCI, P. C.; MAÇADA, A. C. G. Adoção de Tecnologia de Informação (TI) e seu Impacto no Desempenho Organizacional: Um Estudo realizado com Micro e Pequenas Empresas. RAUSP. Revista de Administração, São Paulo, v. 45, n. 1, p. 5-17, jan./fev./mar. 2010.

LUNDVALL, Bengt-Åke. Innovation as an interactive process: from user-producer interaction to the national system of innovation. In: DOSI, G. et al. (Eds.). Technical change and economic theory. Londres: Pinter Publishers, p. 349-369, 1988.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. 18. ed. Petrópolis: Vozes, 2001.

NGUYEN, T. H.; NEWBY, M.; MACAULAY, M. J. Information Technology Adoption in Small Business: Confirmation of a Proposed Framework. Journal of Small Business Management, v. 1, n. 53, p. 207–227, 2015.

OLIVEIRA, J. P. L. de; DAMIANI, J. H. de S. Governance structures in clusters: A case study on software cluster in the state of São Paulo. In: Management of Engineering & Technology (PICMET), 2014. Portland International Conference on. IEEE, 2014. p. 336-345.

PALVIA, P.; PALVIA, S. An examination of the IT satisfaction of small business users. Information & Management, Netherlands, v. 5, n. 35, p. 127-137, mar. 1999.

RIBEIRO, K. A. et al. Arranjo produtivo local (APL) como estratégia de potencializar as fronteiras mercadológicas do apicultor no perímetro de irrigação Senador Nilo Coelho em Petrolina - PE. Revista Gestão, Finanças e Contabilidade, v. 3, n. 2, maio/ago. 2013.

ROCHA, R. O. et al. Análise do uso de redes sociais digitais para promoção de cooperação e aprendizado no arranjo produtivo local de tecnologia da informação de Aracaju/SE. Ideias & Inovação, v. 4, n.3, p. 35-46, 2018.

SANTOS, A. E. A. dos; CÂNDIDO, G. A. Estruturas de governança em arranjos produtivos locais: uma aplicação no arranjo calçadista no município de Campina Grande-PB. In: Encontro da ANPAD, 37, 2013, Rio de Janeiro, RJ. Anais... Rio de Janeiro, p. 1-16, 2013.

SCHUMPETER, Joseph Alois. Teoria do desenvolvimento econômico. São Paulo: Abril Cultural, 1982.

SEBRAE. 2010. Disponível em: . Acesso em: 28 dez. 2017.

SOTELLO, F. et al. Fatores que influenciam a inovação aberta: análise do APL Iguassu-IT de tecnologia da informação do oeste do Paraná. Revista Brasileira de Gestão e Inovação, v. 6, n. 1, 2018.

SUZIGAN, W. et al. Clusters ou Sistemas Locais de Produção: mapeamento, tipologia e sugestões de políticas. Revista de Economia Política, v. 24, n. 2, out./dez. 2004.

TAVARES, Hermes Magalhães. Estratégias de desenvolvimento regional. Da grande indústria ao Arranjo Produtivo Local? Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, Taubaté, v. 7, n. 1, p. 50-68, jan./abr. 2011.

TIGRE, Paulo Bastos. Gestão da inovação: a economia da tecnologia no Brasil. Rio de Janeiro: Campus, 2006.

VALE, Mário. Conhecimento Inovação e Território. Finisterra, v. XLIV, n. 88, p. 9-22, 2009.

YIN, R. K. Estudo de Caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman, 2001.

ZAMBRANA, A. de A.; TEIXEIRA, R. M. Governança e cooperação em arranjos produtivos locais: um estudo de múltiplos casos em Sergipe. Revista de Gestão USP, São Paulo, v. 20, n. 1, p. 21-42, jan./mar. 2013.




DOI: https://doi.org/10.26767/coloquio.v16i1.1207

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.