Agricultura familiar no Vale do Rio Pardo (RS): reflexões sobre o saber-fazer das mulheres

Verenice Zanchi, Mariana Barbosa de Souza

Resumo


Este estudo propõe uma análise das atividades desempenhadas pelas mulheres nas propriedades de agricultura familiar no Vale do Rio Pardo, especialmente as que compõem a Rota Germânica do Rio Pardinho e o Roteiro Caminhos da Imigração. A pesquisa respalda-se nos estudos de gênero, partindo da compreensão de que gênero é uma categoria analítica e carece de uma abordagem qualitativa. Por meio do trabalho empírico que realizamos nas pequenas propriedades, objetivamos entender o contexto das ações desempenhadas pelas agricultoras, compreendendo de maneira profunda suas contribuições, não somente para o contexto doméstico, mas também para a manutenção da propriedade, que, associada à agroecologia, contribui para o desenvolvimento da região em análise. As entrevistas realizadas com as agricultoras têm como ponto central analisar as falas destas mulheres, seus cotidianos, suas relações e seus entendimentos sobre o rural. Destacamos que, diante da presença do turismo rural, o alimento e o artesanato foram ressignificados pelas mulheres e detêm um papel importante na renda familiar, em que pese a forte presença do patriarcalismo e o reforço de estereótipos como o da não valorização do trabalho doméstico, basicamente realizado pelas mulheres. A divisão sexual do trabalho também influi para a perpetuação de estereótipos e de modelos culturais que colocam  mulher em subalternidade em relação ao homem, consequentemente, o saber-fazer das mulheres camponesas é minimizado e até mesmo ignorado. Logo, a pesquisa demonstra as inúmeras contribuições familiares das mulheres agricultoras para o desenvolvimento da região do Vale do Rio Pardo, embasando um entendimentopara as práticas diárias e seus saberes.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, J. A.; RIEDL, M. Apresentação. In: ALMEIDA, J. A.; FROEHLICH, J. M.; RIEDL, M. Turismo Rural e desenvolvimento sustentável. Santa Maria: UFSM, 1998.

BENI, Mário Carlos. Análise estrutural do turismo. São Paulo: SENAC São Paulo, 2002.

______. Política e planejamento de turismo no Brasil. São Paulo: Aleph, 2006.

BENKO, Georges. Economia, espaço e globalização: na aurora do século XXI. Tradução: Antônio de Pádua Danesi. 2. ed. São Paulo: Hucitec, 1999.

BLOS, Wladimir. O turismo rural na transição para um outro modelo de desenvolvimento rural. In: ALMEIDA, J. A.; RIEDL, M. (Orgs.). Turismo rural: ecologia, lazer e desenvolvimento. Bauru: EDUSC, 2000.

BOISIER, Sergio. Em busca do esquivo Desenvolvimento Regional: entre a caixa-preta e o projeto político. Planejamento e Políticas Públicas, n. 13, 1996. Disponível em: . Acesso em: 10 dez. 2016.

BRANDÃO, C. A. Teorias, estratégias e políticas regionais e urbanas recentes: anotações para uma agenda de desenvolvimento territorializado. Revista Paranaense de Desenvolvimento. Curitiba, n. 107, p. 57-76, jul./dez. 2004.

BRASIL. Lei no 12.512, de 14 de outubro de 2011. Institui o Programa de Apoio à Conservação Ambiental e o Programa de Fomento às Atividades Produtivas Rurais; altera as Leis nos 10.696, de 2 de julho de 2003, 10.836, de 9 de janeiro de 2004, e 11.326, de 24 de julho de 2006. Disponível em . Acesso em: 11 jan. 2018.

CRISTÓVÃO, Artur. Mundo rural: entre as representações (dos urbanos) e os benefícios reais (para os rurais). In: RIEDL, Mário; ALMEIDA, Joaquim A.; Viana, Andyara L. B. (Orgs.). Turismo rural: tendências e sustentabilidade. Santa Cruz do Sul: Edunisc, 2002.

GOMES, Antonio Carlos. A operacionalização do mercado institucional de alimentos no contexto do Vale do Rio Pardo: o caso da cooperativa Leoboqueirense de agricultores familiares. 2014. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Regional) – Universidade de Santa Cruz do Sul, Santa Cruz do Sul, 2014.

GOUVEIA, Raimundo Cândido; ISMAEL, Eliana Costa; CAMINO, Leôncio. Equidade de gêneros e diversidade sexual: propostas para uma sociedade mais justa. In: GENTLE, Ivanilda Matias; ZENAIDE, Maria de Nazaré Tavares; GUIMARÃES, Valéria Maria Gomes. Gênero, diversidade e educação: conceituação e práticas de direito e políticas públicas (Orgs.). João Pessoa: UFPB, 2008.

HERNÁNDEZ, C. O. Política de crédito rural com perspectiva de gênero: um meio de “empoderamento” para as mulheres rurais? 2009 f. 248. Tese (Doutorado em Ciências Econômicas) - Faculdade de Ciências Econômicas. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.

SCHNEIDER, Sérgio. Agricultura familiar e industrialização: pluriatividade e descentralização industrial no Rio Grande do Sul. Porto Alegre: UFRGS, 1999.

SCOTT, Joan Wallach. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, jul./dez. 1995. p. 71-99.

SEN, Amartya Kumar. Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

SILVA J. Graziano; CAMPANHOLA, C. O Novo Rural Brasileiro: uma análise nacional e regional. Campinas: EMBRAPA/UNICAMP, 2000. (4 volumes).

SOUZA, Mariana Barbosa de; VERGUTZ, Cristina Luiza Bencke; COSTA, João Paulo Reis. A questão de gênero na Escola Família Agrícola de Santa Cruz do Sul: um olhar sobre o estágio de vivência. Revista Interinstitucional Artes de Educar. Rio de Janeiro, v. 3 n. 1, p. 104-118, mar./jun. 2017.




DOI: https://doi.org/10.26767/coloquio.v16i1.1201

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.