A incidência de expressões de comportamentos de fãs do Pretinho Básico na plataforma do programa no youtube: uma análise do esquete humorístico PB Responde.

Sergio Ghesla Júnior, Augusto Rodrigues Parada

Resumo


No passado classificado como uma vítima patológica da indústria cultural, o fã figura atualmente no centro das atenções dos produtos de mídia: organizações buscam em seus seguidores as fórmulas e os formatos mais adequados. Dessa forma, estimulam os envolvidos a participar ativamente do processo de construção de conteúdo e fazer parte daquilo que, para o fã de outros tempos, era apenas um objeto de idolatria. Atualmente, o fã dá os primeiros passos na direção de uma estrutura de instituições próprias organizadas e com objetivos relativamente formatados. Isso se dá graças ao aparato tecnológico da Internet, e os sites de redes sociais, que possibilitam a criação de comunidades de fãs sem nenhum investimento demasiadamente oneroso. O objeto de estudo dessa pesquisa é a série PB Responde, do canal do YouTube Pretinho TV, pertencente ao conhecido programa de rádio do sul do país Pretinho Básico. Com o objetivo de identificar expressões de fãs dentro dos comentários presentes na plataforma, e, uma vez identificados, categorizá-los e usar a base teórica para entender de que forma se estabelece a relação entre produto e fã, esse estudo busca refletir o perfil do relacionamento entre produto e fã no caso do Pretinho Básico. O método da Teoria Fundamentada permitiu desmembrar toda a massa de comentários e identificar a partir de critérios pré-estabelecidos, qual ou quais os comportamentos dominantes do fã do Pretinho Básico para com seu objeto de fascínio. Ao final da pesquisa, foi possível traçar o perfil do fã do Pretinho Básico, além de entender de que forma as relações se estabelecem, confirmando algumas das teorias a respeito da importância do fã dentro do processo de construção dos produtos de mídia das organizações.

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, Theodor. Indústria Cultural e Sociedade. 5. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2009.

AMARAL, Adriana; COIMBRA, Michele. Expressões de ódio nos sites de redes sociais: o universo dos haters no caso #eunãomereçoserestuprada. 2015. Disponível em: . Acesso em: 18 abr. 2016.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1989.

BURGESS, Jean; GREEN, Joshua. YouTube e a revolução digital: como o maior fenômeno da cultura participativa transformou a mídia e a sociedade. São Paulo: Aleph, 2009.

CARIA, Renata Spinola. Além da estereotipia: o modelo de fã criativo a partir do percurso de Morrissey. Vozes dos Vales, nº 6, ano III, Diamantina, 2014. Disponível em:. Acesso em: 28 mar. 2016.

CUNHA, Maria Inês Vilhena da. A figura do fã enquanto criador. 2007. Disponível em: . Acesso em: 28 mar. 2016.

CURI, Pedro P. Entre fanarts, fanfictions e fanfilms: o consumo dos fãs gerando uma nova cultura. 2010. Disponível em: . Acesso em: 24 mar. 2016.

FADUL, Anamaria. Indústria Cultural e Comunicação de Massa. Disponível em: . Acesso em: 01 abr. 2016.

FRAGOSO, Suely. RECUERO, Raquel. AMARAL, Adriana. Métodos de pesquisa para internet. Porto Alegre: Sulina, 2012.

GOLDENBERG, Mirian. A arte de pesquisar: como fazer pesquisa qualitativa em Ciências Sociais. 8. ed. Rio de Janeiro: Record, 2004.

JENKINS, Henry. Cultura da Convergência. 2. ed. São Paulo: Aleph, 2009.

_______. Textual Poachers: television fans and participatory culture. Updated Twentieth Anniversary Edition. New York: Routledge, 2013. Disponível em: . Acesso em: 29 mar. 2016.

JENKINS, Henry; FORD, Sam; GREEN, Joshua. Cultura da conexão: criando valor e significado por meio da mídia propagável. São Paulo: Aleph, 2014.

KAUARK, Fabiana da Silva; MANHÃES, Fernanda Castro; MEDEIROS, Carlos Henrique.

Metodologia da pesquisa: um guia prático. Itabuna: Via Litterarum, 2010.

KOTLER, Phillip; KARTAJAYA, Hermawan; SETIAWAN, Iwan. Marketing 3.0: as forças que estão definindo o novo marketing centrado no ser humano. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.

LÉVY, Pierre. A inteligência coletiva. 5 ed. São Paulo: Edições Loyola,2 007. MORIN, Edgar. Introdução ao pensamento complexo. Porto Alegre: Sulina, 2006.

PAGANELLA, Natássia Petry. 2013. “Pretinho na minha casa”: estreitando relações com os ouvintes. 89 p. Monografia (Graduação) – Curso de Comunicação Social da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2013.

PARADA, Augusto Rodrigues. Fãs organizacionais e a memória no relacionamento com as organizações – um estudo do canal Viva. 2015. 191 p. Tese (Doutorado em Ciências da Comunicação) – Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação, Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, 2015.

PORTO-RENÓ, Denis et al. Narrativas transmídia: diversidade social, discursiva e comunicacional. 2011. Disponível em: . Acesso em: 04 abr. 2016. RECUERO, Raquel. Redes sociais na internet. Porto Alegre: Sulina, 2009.

ROBERTS, Kevin. Lovemarks: o futuro além das marcas. São Paulo: M. Books do Brasil, 2005.

SANDVOSS, Cornel. Quando a estrutura e a agência se encontram: os fãs e o poder. Ciberlegenda, Niterói, 2013. Disponível em: . Acesso em: 28 mar. 2016.

TERRA, Carolina Frazon. Usuário-Mídia: a relação entre a comunicação organizacional e o conteúdo gerado pelo internauta nas mídias sociais. 2010. 207 p. Tese (Doutorado em Comunicação) – Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010. Disponível em: . Acesso em: 28 mar. 2016.

_______. Usuário-Mídia: o quinto poder. Um estudo sobre as influências do internauta na comunicação organizacional. 2009. Disponível em: . Acesso em 15 mar. 2016.

THOMPSON, John B. A mídia e a modernidade: uma teoria social da mídia. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 2002.

TOLEDO, Ana Clara et al. A relação do fã e a mídia: participatividade e influência. XVIII CONGRESSO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO NA REGIÃO SUDESTE, 2013, Bauru. Disponível em: . Acesso em: 28 mar. 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.