O DESENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS A PARTIR DOS OLHARES DO CAMPO DE EXPERIÊNCIAS: ESPAÇOS, TEMPOS, QUANTIDADES, RELAÇÕES E TRANSFORMAÇÕES

Lisiane Stein Dense, Magnus Cesar Ody

Resumo


O texto apresenta um estudo do conhecimento matemático desenvolvido por crianças a partir dos olhares da Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Tem como objetivo, identificar os objetivos de aprendizagem e desenvolvimento presentes no campo de experiências Espaços, Tempos, Quantidades, Relações e Transformações (ETQRT) sugeridos pela BNCC, nas rotinas das crianças bem pequenas. A metodologia possui abordagem qualitativa, considerando as narrativas de formação como modo de escrita e análise dos materiais. O contexto do estudo ocorreu a partir de uma educação não formal, observando as atividades realizadas em um espaço informal, com quatro crianças de idades entre um ano e sete meses até dois anos e cinco meses. Os objetivos de aprendizagem e desenvolvimento, sugeridos pela BNCC, se mostraram adequados para a faixa etária. Foi possível identificar o papel relevante do planejamento e sua flexibilização de acordo com o desenvolvimento, o que permitiu perceber que educar e cuidar é tarefa de toda a sociedade.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, André Luciano. DENSE, Lisiane Stein. A importância de trabalhar a matemática na educação infantil. In: CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 2., 2019, Taquara. Anais eletrônicos [...]. Taquara: Faculdades Integradas de Taquara, 2019. Disponível em: . Acesso em: maio 2021.

ANHUCCI, Loren Pelik Kempe; SUGUIHIRO, Vera Lucia Tieko. A educação não formal e o atendimento à criança e ao adolescente. Serviço Social em Revista., Londrina, v. 15, n.1, p. 35-64, jul./dez. 2012.

BRASIL. Emenda Constitucional n. 59, de 11 de novembro de 2009. Acrescenta § 3º ao art. 76 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias para reduzir, anualmente, a partir do exercício de 2009, o percentual da Desvinculação das Receitas da União incidente sobre os recursos destinados à manutenção e desenvolvimento do ensino de que trata o art. 212 da Constituição Federal, dá nova redação aos incisos I e VII do art. 208, de forma a prever a obrigatoriedade do ensino de quatro a dezessete anos e ampliar a abrangência dos programas suplementares para todas as etapas da educação básica, e dá nova redação ao § 4º do art. 211 e ao § 3º do art. 212 e ao caput do art. 214, com a inserção neste dispositivo de inciso VI. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 12 nov. 2009. Seção 1, p. 8. Disponível em: . Acesso em: 26 set. 2020.

______. Lei no 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 16 jul. 1990. Disponível em: . Acesso em: 26 de set. de 2020.

______. Lei nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da Educação nacional. Diário oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 20 dez. 1996. Disponível em: . Acesso em: 26 de set. 2020.

______. BNCC – Base Nacional Comum Curricular. Brasília. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Brasil, 2017.

______. BNCC – Base Nacional Comum Curricular. Brasília. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Brasil, 2018.

______. CONEP- Comissão Nacional de Ética em Pesquisa – Brasil, 1996.

______. RCNEI – Referencial Curricular Nacional da Educação Infantil– Brasil,1998.

DENSE, Lisiane Stein. Um estudo do desenvolvimento matemático de crianças bem pequenas a partir dos olhares da Base Nacional Comum Curricular. 2020. 42 p. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Matemática) – Faculdades Integradas de Taquara, Taquara, 2020.

GOHN, Maria da Glória. Educação não-formal, participação da sociedade civil e estruturas colegiadas nas escolas. Ensaio: Aval. Pol. Públ. Educ., Rio de Janeiro, v.14, n.50, p. 27-38, jan./mar. 2006.

LIBÂNEO, José Carlos. Pedagogia e pedagogos, para quê? 12. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

MINAYO, Maria Cecília de Souza (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 2001.

NOGUEIRA, Makeliny Oliveira Gomes; LEAL, Daniela. Teorias da aprendizagem: um encontro entre os pensamentos filosófico, pedagógico e psicológico. 2. ed. rev. ampl. e atual. Curitiba: Intersaberes, 2015.

PASCHOAL, Jaqueline Delgado, MACHADO, Maria Cristina Gomes. A História da Educação Infantil no Brasil: Avanços, Retrocessos e Desafios dessa modalidade educacional. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n. 33, p. 78-95, mar. 2009.

PIAGET, Jean. Psicologia e Pedagogia. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1976.

REIS, Pedro Rocha dos. As narrativas na formação de professores e na investigação em educação. Nuances: estudos sobre Educação. Presidente Prudente, SP, ano XIV, v. 15, n. 16, p. 17-34, jan./dez. 2008.

RIO GRANDE DO SUL. Referencial Curricular Gaúcho: Educação Infantil. Porto Alegre. Secretaria de Estado da Educação. Departamento Pedagógico, 2018. Disponível em: . Acesso em: maio 2021.

ROCHA, Hugo. O que é Pesquisa Qualitativa, tipos, vantagens, como fazer e exemplos. Disponível em: . Acesso em: 27 de abr. 2020.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.