As demandas das associações comunitárias que contribuem para o desenvolvimento rural

Eliene Anjos, Cibele Cristina Oliveira, Ana Paula R. da Silva, Valquíria C. Santos

Resumo


Diversos estudos foram realizados para identificar as demandas das associações comunitárias rurais que se constituem em organizações econômicas, contribuindo para a redução das desigualdades entre os agricultores familiares. Para alcançar tal objetivo, caracterizou-se um tipo de associativismo, elaborado a partir da Análise Fatorial Múltipla, que se destina ao consumo e uso de bens e serviços para seus associados, e o estudo de dois casos típicos de associações comunitárias do Recôncavo da Bahia. As pesquisas demonstraram que as razões para a criação das associações foram possibilitar o acesso dos agricultores familiares às políticas públicas e garantir direitos básicos de cidadania que não foram assegurados pelo Estado brasileiro em grande parte das comunidades rurais. Constata-se, também, que as práticas de gestão adotadas ainda são incipientes para suprir os desafios dessas associações, que buscam se constituir em vetores de desenvolvimento rural.

Texto completo:

PDF

Referências


AMODEO, N. B. P. Contribuição da educação cooperativista nos processos de desenvolvimento rural. In: AMODEO, B.P.; ALIMONDA (Orgs.). Ruralidades, capacitação e desenvolvimento. Viçosa: UFV, 2006.

ANJOS, E. Coprasul: Entre o idealizado e o vivido – Uma análise da prática cooperativista no MST. In: DAGNINO, E; PINTO, R. P. (Orgs.). Mobilização, participação e direitos. São Paulo: Contexto, 2007. p. 109-127.

ANJOS, E. Práticas e sentidos das cooperativas de trabalho: um estudo a partir da economia solidária. 2012. 210 fs. Tese (Doutorado em Ciências Sociais - Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais) - Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, 2012.

ANJOS, E. Uma caracterização das organizações econômicas da agricultura familiar orientadas para a aquisição de infraestrutura e o uso de bens e serviços para seus associados. Anais Simpósio Nacional o Rural e o Urbano no Brasil. Salvador: UFBA, 2016.

BRASIL. Organizações econômicas da agricultura familiar brasileira: uma construção tipológica. Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário. Brasília, 2016.

CANÇADO, A.; PEREIRA, José R; TENÓRIO, Fernando G. Gestão social: epistemologia de um paradigma. Curitiba: CRV, 2013.

FREITAS, C. O.; TEIXEIRA, E. C. Agricultura familiar e comercial no censo agropecuário de 2006. In: MATTOS, B. et al. Políticas públicas e desenvolvimento. Viçosa: 2011. p. 375-405.

GUANZIROLI, C. E.; SABBATO, A. D.; BUAINAIN, A. M. Agricultura familiar no Brasil: evolução entre os censos agropecuários de 1996 e 2006. In: MATTOS, B. et al. Políticas públicas e desenvolvimento. Viçosa: 2011. p. 329-374.

RUSCHEINSKY, A. O associativismo na invenção da modernidade: atores e perspectivas da ação coletiva. Rio Grande: FURG, 2001.

SIES. Sistema Nacional de Informações de Economia Solidária. SENAES - Secretaria Nacional de Economia Solidária, Brasília, 2013.

SINGER, P. Economia solidária: um modo de produção e distribuição. In: SINGER, P.; SOUZA, A. R (Orgs.). A economia solidária no Brasil: a autogestão como resposta ao desemprego. São Paulo: Contexto, 2003.




DOI: http://dx.doi.org/10.26767/coloquio.v16i2.799

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.