Desafios das Cooperativas de Agricultores Familiares: o caso do Assentamento Rio Paraíso

Décio Lauri Sieb

Resumo


Este trabalho mostra a importância e o potencial do cooperativismo para facilitar o acesso dos agricultores familiares aos mercados. Utilizando a abordagem da nova economia institucional (NEI), o estudo tem como objetivo analisar se a Cooperativa Mista Agropecuária Rio Doce (COPARPA) está conseguindo responder as expectativas dos agricultores do assentamento Rio Paraíso, no município de Jataí – Goiás, no ano de 2014. A maioria dos agricultores apontou a cooperativa como canal preferencial para acesso aos mercados, especialmente os institucionais (Biodiesel, Programa de Aquisição de Alimentos - PAA e Programa Nacional de Alimentação Escolar - PNAE). A análise evidencia a importância destas políticas públicas para estímulo da produção e comercialização, mas ao mesmo tempo revela a fragilidade e dependência da cooperativa em relação a continuidade destas políticas públicas.

Texto completo:

PDF

Referências


BENECKE, D. W. Cooperação e desenvolvimento: o papel das cooperativas no processo de desenvolvimento econômico nos países do terceiro mundo. Porto Alegre, Coojornal; Recife, Assocene, 1980.

BIALOSKORSKI NETO, S. Estratégias e Cooperativas Agropecuárias: um ensaio analítico. In: BRAGA, M. J.; REIS, B. D. S. (Orgs.). Viçosa: UFV, DER. 2005. p. 77-101.

BOTELHO FILHO, Flávio B. As portas de saída da pobreza e as estratégias da agricultura familiar para os negócios rurais. In: BOTELHO FILHO, F. B. (Org.). Agricultura familiar e desenvolvimento territorial: contribuições ao debate. Brasília, Centro de Estudos Avançados Multidisciplinares. Núcleo de Estudos Avançados. v. 5, n. 17, 2005. p. 131-139.

BOTELHO FILHO, F. B; VALENTE, A. L. Arranjos institucionais, organização dos produtores e redução dos custos de transação. In: SABOURIN, E. (Org.). Associativismo, cooperativismo e economia solidária no meio rural. Universidade de Brasília. Centro de Estudos Avançados Multidisciplinares. Núcleo de Estudos Avançados. Brasília, v. 6 n. 23, 2006. p. 113-121.

BUAINAIN, A. M. et al. Agricultura familiar e o novo rural. Sociologias, Porto Alegre: ano V, n. 10, jul./dez., 2003. p. 312-347.

BUAINAIN, A. M. et al. Brasília: IICA. Série desenvolvimento rural sustentável, v. 16, 2012. p. 121-159.

CLARO, D. P.; SANTOS, A. C. D. O complexo agroindustrial das flores sob a ótica da economia dos custos de transação. Faculdade de Economia e Administração e Contabilidade de São Paulo, Caderno de Pesquisa em Administração, São Paulo, v. 1, n. 7, 2o Trim., 1998.

COASE, R. H. The firm, the market and the law. Chivago: Chicago University Press, 1988.

GOMES JUNIOR, N. N.; BOTELHO FILHO, F. B. O mercado institucional local e as oportunidades para a agricultura familiar de alimentos: agenda positiva para a construção da segurança alimentar e nutricional nos espaços urbanos. SOBER 47o Congresso. Porto Alegre, 2009.

GUANZIROLI, C. E.; DI SABBATO, A.; BUANAIN, A. M. Dez anos de evolução da agricultura familiar do Brasil: 1996-2006. RESR, v. 50, n, 2, Piracicaba, 2012. p. 351-370.

HELFAND, S. M.; PEREIRA, V. D. F. Determinantes da pobreza rural e implicações para as políticas públicas no Brasil. In: MIRANDA, C.; TIBURCIO, B. (Orgs.). A nova cara da pobreza rural: desafios para as políticas públicas. 2012.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo agropecuário 2006. Rio de Janeiro: IBGE, 2006. Disponível em: . Acesso em: 27 out. 2016.

MARQUES, V .P. M.; DEL GROSSI, M. E.; FRANCA, C. G. O Censo 2006 e a reforma agrária: aspectos metodológicos e primeiros resultados. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Agrário, 2012.

NORTH, D. C. Institutions, institutional change and economic performance. Cambridge: Cambridge University Press, 1990.

PIVOTO, D.; FINGER, M. I.; WAQUIL, P. et al. O problema do carona nas cooperativas agropecuárias do Rio Grande do Sul. Revista de Política Agrícola, ano XXII, n. 4, out./dez., 2013. p. 109-122.

SCHNEIDER, S.; CASSOL, A. A agricultura familiar no Brasil, FIDA pobreza y desigualdade, Porto Alegre: RIMISP, 2013.

SLANGEN, L.; H. G; LOUCKS, L. A.; SLANGEN, A. H. L. Institucional economics and economic organization theory: an integrated approach. Wageningen Academic Publishers, p. 431. The Netherlands, 2008.

WILLIAMSON, O. E. Markets e hierarchies: analysis and antitrust implications. New York: Free Press, 1975.

ZYLBERSZTAJN, D. Estruturas de governança e coordenação do agribusiness: uma aplicação da nova economia das instituições. São Paulo: Universidade de São Paulo, 1995.

______. Quatro estratégias fundamentais para cooperativas agrícolas. In: BRAGA M. J.; REIS, B. D. S. (Orgs.). Agronegócio cooperativo: reestruturação e estratégias. Viçosa: UFV, DER, 2005. p. 55-76.




DOI: http://dx.doi.org/10.26767/coloquio.v16i2.798

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.