Indicadores de sustentabilidade: Pegada Ecológica Urbana

Marcos Jorge Borges, Lays Britto, Débora Nunes

Resumo


O presente artigo busca apresentar uma reflexão sobre indicadores que promovam uma conscientização coletiva da sociedade. Estes indicadores juntamente com o auxílio dos administradores públicos têm potencial nos processos de mitigação, na redução das consequências do consumo exacerbado da natureza. Entender o quanto a cidade tem degradado e consumido a mais do que os recursos naturais existentes. De forma didática, visa atingir o maior contingente da população possível, para que a busca da sustentabilidade seja de fato de todos. Para os aspectos relacionados ao uso do solo foram analisadas questões importantes para o tema, como a Densidade Residencial Líquida, o Índice de Áreas Verdes por Habitante e a Distribuição de Áreas Verdes na cidade, além da logística do Abastecimento Alimentar.

Texto completo:

PDF

Referências


ACIOLY, C.; DAVIDSON, F. Densidade urbana: um instrumento de planejamento e gestão urbana. Rio de Janeiro: Mauad, 1998.

ALMEIDA, R. M. et al. Mapeamento e avaliação de índices de cobertura vegetal do município de Salvador, por bairros, para o ano de 2001 e 2009 com uso de imagens orbitais. In: XXVI Congresso Brasileiro de Cartografia. V Congresso de Geoprocessamento. XXV Exposicarta, 2014, Gramado. Anais XXVI Congresso Brasileiro de Cartografia, 2014.

ANDRADE, D. P. X. Sistema de Áreas Verdes e percepção da qualidade de vida na cidade de Sousa-PB. João Pessoa. Dissertação (Engenharia Urbana) – Universidade Federal da Paraíba, 2010.

BARBIN, H. S. Estudo das transformações na conformação dos maciçosarbóreo/arbustivos do parque da Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” – Universidade de São Paulo, através de fotografias aéreas verticais e levantamentos florísticos de épocas distintas. São Paulo, Dissertação (Mestrado em Agronomia) – Universidade de São Paulo, 1999.

BRAUN, R. Novos Paradigmas Ambientais: Desenvolvimento ao Ponto Sustentável. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 2008.

CAPRA, F. A teia da vida: uma nova compreensão científica dos sistemas vivos. 13. ed. São Paulo: Cultrix, 1996.

FONTES, N; SHIMBO, L. Análise de indicadores para gestão e planejamento de espaços livres públicos de lazer: município de Jabuticabal. In: X Encontro Nacional da Anpur. Universidade Federal Fluminense. Niterói, 2003. Disponível em: . Acesso em: maio 2016.

VARGAS, J. C. Densidade, paisagem urbana e vida da cidade: jogando um pouco de luz sobre o debate porto-alegrense. Disponível em: Acesso em: 5 maio 2016.

ROSSET, F. Procedimentos metodológicos para estimativa do Índice de Áreas Verdes Públicas. Estudo de caso: Erechim, RS. São Carlos-SP. Dissertação (Ecologia e Recursos Naturais) – Universidade Federal de São Carlos, 2005.

SANTOS, L. D.; MARTINS, I. A Qualidade de Vida Urbana – o caso da cidade do Porto, Faculdade de Economia da Universidade do Porto, Working Paper n. 16, 2002. Viveret, P. Por uma Sobriedade Feliz. Tradução: Débora Nunes. Salvador: Quarteto, 2012.

WWF – World Wide Found for Nature. A Pegada Ecológica de São Paulo - Estado e Capital e a Família de Pegadas. 2012. Disponível em: Acesso em: 8 maio 2016.

ZANIN, E. M. Caracterização Ambiental da paisagem urbana de Erechim e do Parque Municipal Longines Malinowski. Erechim-RS. São Carlos. Tese (Doutorado em Ecologia e Recursos Naturais) - Universidade Federal de São Carlos, 2002.




DOI: http://dx.doi.org/10.26767/coloquio.v15i1.772

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.