A influência da parceria político-econômica BRICS sobre o Índice de Desenvolvimento Humano: uma análise comparativa

Ricardo Guimarães de Queiroz, Rafael Todescato Cavalheiro, Madalena Maria Schlindwein

Resumo


Após a crise de 2008, na reunião do G-8, uniram-se Brasil, Rússia, Índia, China e, posteriormente, África do Sul, com a finalidade de fortalecer os aspectos políticos e econômicos dos países envolvidos. Essa parceria político-econômica ficou conhecida por BRICS. O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) é um indicador adotado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), visando mensurar o bem-estar humano e a qualidade de vida oferecida à população dos países em nível mundial. Este estudo tem por objetivo analisar se houve influência dessa parceria político-econômica (BRICS) no aumento do IDH dos países envolvidos, uma vez que o fortalecimento econômico pode apresentar uma melhoria geral no bem-estar da população. O estudo tem natureza descritiva e classifica-se como uma pesquisa bibliográfica, por se tratar de um estudo sistematizado, desenvolvido com base nos Relatórios de Desenvolvimento Humano (RDH) publicados pelo PNUD, entre 2000 e 2015. Os resultados sugerem que, de forma isolada, a renda per capita (GDP) foi o único indicador que manteve sua trajetória de crescimento ao longo dos períodos analisados. Pode-se constatar que, possivelmente, a crise de 2008 interrompeu a sequência de crescimento e desenvolvimento humano dos países do BRICS, refletindo negativamente no relatório do ano de 2010. Porém, nos anos subsequentes, há indícios de que essa parceria proporcionou uma rápida recuperação, retomando a tendência de aumento do IDH, chegando próximo dos níveis apresentados no período pré-crise de 2008.

Texto completo:

PDF

Referências


ANAND, S.; SEN, A. K. Human development index: Methodology and measurement. Human Development Report, New York: Oxford University Press, 1994, p. 1-20.

BAUMANN, R. (Org.). O Brasil e os demais BRICs: Comércio e Política. Brasília: CEPAL, 2010.

BEUREN, I. M. (Org.). Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade: teoria e prática. São Paulo: Atlas, 2003.

BRANDÃO, S. N. et al. Technological innovation for sustainable development: An analysis of different types of impacts for countries in the BRICS and G7 groups. International Journal of Sustainable Development and World Ecology, v. 22, n. 5, p. 425-436, 2015.

CARVALHO, A.; NEPAL, R.; JAMASB, T. Economic reforms and human development: evidence from transition economies. Applied Economics, v. 48, n. 14, p. 1330-1347, 2016.

DONNO, D.; RUDRA, N. To fear or not to fear? BRICs and the developing world. International Studies Review, v. 16, n. 3, p. 447-452, 2014.

FACHINELLI, A. C.; GIACOMELLO, C. P.; LARENTIS, F. The influence of capital system categories on Human Development Index in Brazil. International Journal of Knowledge-Based Development,v. 6, n. 4, p. 350-369, 2015.

FELICE, E.; VASTA M. Passive modernization? The new human development index and its components in Italy's regions (1871–2007). European Review of Economic History, v. 19, n. 1, p. 44-66, 2015.

HAQ, M. Reflections on Human Development. New York: Oxford University Press, 1995.

HURRELL, A. Hegemony, liberalism and global order. International Affairs, v. 82, n. 1, p. 1-20, 2006.

LAIDE, Z. BRICS: Sovereignty power and weakness. International Politics, v. 49, n. 5, p. 614-632, 2012.

MKANDAWIRE, T. Good Governance: the itinerary of an idea. Development in practice, v. 17, n. 4-5, p. 679-681, 2007.

MOREIRA JÚNIOR, H. Os BRICS e a recomposição da ordem global: estratégias de inserção internacional das potências emergentes. Conjuntura Austral, v. 3, p. 71-89, 2012.

MRE – Ministério das Relações Exteriores. BRICS – I Cúpula. 2009. Disponível em: . Acesso em: 22 jul. 2016.

_______ BRICS – II Cúpula. 2010. Disponível em: . Acesso em: 22 jul. 2016.

_______ BRICS – III Cúpula. 2011. Disponível em: . Acesso em: 22 jul. 2016.

_______ BRICS – IV Cúpula. 2012. Disponível em: . Acesso em: 22 jul. 2016.

_______ BRICS – V Cúpula. 2013. Disponível em: . Acesso em: 22 jul. 2016.

_______ BRICS – VI Cúpula. 2014. Disponível em: . Acesso em: 22 jul. 2016.

_______ BRICS – VII Cúpula. 2015. Disponível em: . Acesso em: 22 jul. 2016.

MUHAMMAD, S. D. et al. Impact of globalization on HDI (Human Development Index): Case study of Pakistan. European Journal of Social Sciences, v. 13, n. 1, p. 46-55, 2010.

NUSSBAUM, M.; SEN, A. Internal criticism and Indian rationalist traditions, - in Krausz, M., Relativism: Interpretation and Confrontation, Notre Dame: University of Notre Dame Press, p. 299–325, 1989.

OLIVEIRA, A. R. V. Perspectivas críticas sobre a mensuração da pobreza e desigualdades no Brasil: uma reflexão a partir do IDH. Tese de doutorado, Rio de Janeiro: Universidade Estadual do Rio de Janeiro, 2005.

O’NEILL, J. Building Better Global Economic BRICs. Global Economics Paper, n. 66, p. 2-14, 2001.

O’NEILL, J.; PURUSHOTHAMAN, R.; FIOTAKIS, T.The BRICs and Global Markets: Crude, Cars and Capital. Global Economics Paper, n. 118, p. 3-12, 2004.

O’NEILL, J. et al. A. How Solid are the BRICs? Global Economics Paper, n. 134, p. 3-12, 2005.

ORTEGA, B.; CASQUERO, A.; SANJUÁN, J. Corruption and Convergence in Human Development: Evidence from 69 Countries During 1990–2012. Social Indicators Research, v. 127, n. 2, p. 691-719, 2016.

PNUD – Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. Conceitos. Disponível em: . Acesso em 20 jun. 2016.

_______ Relatórios de Desenvolvimento Humano 2000. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2016.

_______. ______ 2001. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2016.

_______. ______ 2002. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2016.

_______. ______ 2003. Disponível em: . Acesso em 20 jun. 2016.

_______. ______ 2004. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2016.

_______. ______ 2005. Disponível em: . Acesso em 20 jun. 2016.

_______. ______ Humano 2006. Disponível em: . Acesso em 20 jun. 2016.

_______. ______ 2008/2007. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2016.

_______. ______ Humano 2009. Disponível em: . Acesso em 20 jun. 2016.

_______. ______ 2010. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2016.

_______. ______ 2011. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2016.

_______. ______ 2013. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2016.

_______. ______ 2014. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2016.

_______. ______ 2015. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2016.

ORTEGA, B.; CASQUERO, A. ; SANJUÁN, J. Corruption and Convergence in Human Development:Evidence from 69 Countries During 1990–2012. Social Indicators Research, v. 127, n. 2,p. 691-719, 2016.

POURMOHAMMADI, M. R.; VALIBEIGI, M.; SADRMOUSAVI, M. S. The Relationship Between Hdi And Its Indicators With Regional Growth In Iranian Provinces. Regional Science Inquiry, v. 6, n. 2, p. 73-86, 2014.

RAMOS, L. C. S.; PARREIRAS, P. H. S. A V cúpula do BRICS (Durban, 2013): coalizão ou arranjo cooperativo? Conjuntura Austral, v. 4, n. 20, p. 115-127, 2013.

RAY, S. et al. Studies on the impact of energy quality on human development index. Renewable Energy, v. 92, n. C, p. 117-126, 2016.

ROY, H.; JAYARAJ, R.; GUPTA, A. Energy consumption and human development: global perspective. Economics and policy of energy and the environment, v. 2015, n. 1, p. 111-131, 2015.

SEN, A. K. Desenvolvimento como liberdade. Sao Paulo: Companhia das Letras, 2007.

SOEJOTO, A.; SUBROTO, W. T.; SUYANTO, Y. Fiscal Decentralization Policy in Promoting Indonesia Human Development. International Journal of Economics and Financial Issues, v. 5, n. 3, p. 763-771, 2015.

SOUZA, N. J. Desenvolvimento econômico. São Paulo: Atlas, 2012.

THOMAS, A. Development as practice in a liberal capitalist world. Journal of International Development. v.12, n. 6, p. 773-787, 2000.

VILLWOCK, L. H. Consórcios agroexportadores: estratégia para o desenvolvimento competitivo da cadeia de produção de suínos no RS. Tese (Doutorado) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2001.

WATT, N.F.; GOMEZ, E.J.; MCKEE, M. Global health in foreign policy - And foreign policy in health? Evidence from the BRICS. Health Policy and Planning, v. 29, n. 6, p. 763-773, 2013.

ZANGH et al. Comparison of renewable energy policy evolution among the BRICs. Renewable and Sustainable Energy Reviews, v. 15, n. 9, p. 4904-4909, 2011.




DOI: http://dx.doi.org/10.26767/coloquio.v14i2.725

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.