Qualidade de vida no serviço público: o caso dos servidores efetivos do Senado Federal

Paulo Ricardo dos Santos Meira, Jairo Alves da Silva Junior

Resumo


Este estudo tem como objetivos aprofundar a compreensão sobre qualidade de vida no serviço público e, especificamente, avaliar a qualidade de vida de um grupo de servidores efetivos do Senado Federal; igualmente levantar os principais problemas que prejudicam essa qualidade, fornecer dados estatísticos sobre saúde e doença desses servidores e propor melhorias nos programas preventivos oferecidos pela Instituição. Para tanto, aplicou-se o questionário QVS-80 com 231 servidores voluntários, com retorno de 226 questionários válidos. A análise dos dados obtidos permitiu concluir que a qualidade de vida é considerada satisfatória, em uma escala de cinco pontos, que varia de muito insatisfatório até muito satisfatório. No entanto, a despeito da qualidade de vida ser percebida como satisfatória, a análise revelou problemas como elevado número de servidores sedentários e obesos, servidores com sintomas relacionados a distúrbios do humor, ansiedade e depressão (mais da metade). A conclusão aponta para a importância de realização de campanhas e programas preventivos para diminuir a prevalência desses problemas, diminuir os custos gerados pelo afastamento por licenças médicas com pessoal e melhorar a qualidade de vida do quadro de servidores efetivos do Senado Federal.

Texto completo:

PDF

Referências


ANS. AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR (BRASIL). Manual técnico de promoção da saúde e prevenção de riscos e doenças na saúde suplementar – 4. ed. rev. e atual. Rio de Janeiro, 2011.

ALMEIDA-PRADO, M. C. C.; FÉRES-CARNEIRO, T. Violência familiar: obesidade mórbida e função ômega. Revista Latino-americana de Psicopatologia Fundamental, São Paulo, v. 13, n. 2, p. 190-206, jun. 2010.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA O ESTUDO DA OBSIDADE E DA SÍNDROME METABÓLICA(ABESO). Diretrizes brasileiras de obesidade 2009/2010. 3.ed I a evi/SP: AC Farmacêutica, 2009

BRASIL. Decreto n. 8262, de 31 de maio de 2014. Altera o Decreto no 2.018, de 1o de outubro de 1996, que regulamenta a Lei no 9.294, de 15 de julho de 1996. Brasília, 2014.

BUSS, P. M. Promoção da Saúde e Saúde Pública. Rio de Janeiro: ENSP, 1998.

CAVAZZA, J. Avaliação da saúde global, fatores de risco para doenças crônicas não transmissíveis e qualidade de vida em trabalhadores. 2012. 103f. Dissertação (Mestrado em Educação Física - Setor de Ciências Biológicas) - Universidade Federal do Paraná, 2012.

CONFERENCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO/CNUMAD. Agenda 21. ra l a: Senado Federal, 1996.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Pesquisa nacional de saúde 2013: percepção do estado de saúde, estilos de vida e doenças crônicas - Brasil, grandes regiões e unidades da federação. Rio de Janeiro, 2014.

FAPESP. Mapa global da depressão. Agência Fapesp de notícias, 26/07/2011. Disponível em: . Acesso em: 19 dez. 2014.

FERREIRA, M.C. A ergonomia da atividade se interessa pela qualidade de vida no trabalho?: Reflexões empíricas e teóricas. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho. São Paulo, v. 11, n. 1, jun. 2008. Disponível em: . Acesso em: 18 dez. 2014.

FIOCRUZ. Artigo avalia importância das campanhas contra o fumo em maços de cigarros. Agência Fiocruz de notícias, 30/07/2010. Disponível em: . Acesso em: 19 dez. 2014.

FOLHA DE SÃO PAULO. Obesidade já custa US$ 2 trilhões ao mundo, aponta consultoria. Caderno Mercado, 27/11/2014. Disponível em: . Acesso em: 18 dez. 2014.

INSTITUTO NACIONAL DO CÂNCER (INCA). Observatório da política nacional de controle do tabaco. Disponível em: . Acesso em: 19 dez. 2014.

______ Prevenção e fatores de risco. Disponível em: . Acesso em: 18 dez. 2014.

LACAZ, F. A. Qualidade de vida no trabalho e saúde/doença. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 5, n. 1, 2000. Disponível em: . Acesso em: 30 out. 2014.

LEITE, N et al. Questionário de avaliação da qualidade de vida e da saúde- QVS-80 In: MENDES, R.; LEITE, N. (2012). Ginástica Laboral: Princípios e Aplicações Práticas. Barueri: Manole, 2012.

LUCENA, R.; VERSOLATO, M. Depressão já é a doença mais incapacitante, afirma OMS. Jornal Folha de São de Paulo, Caderno Equilíbrio e Saúde. Acesso em: 17 dez. 2014.

MARSON, L. S. C. et al. A relação entre motivação e Qualidade de vida no trabalho: um estudo com técnicos administrativos de uma universidade pública do estado do Rio de Janeiro. VII Congresso Nacional de Excelência em Gestão. Rio de Janeiro: 2011.

MELECCHI, D. 28 de fevereiro - Dia Mundial de combate a LER/DORT. Disponível em: . Acesso em: 18 dez. 2014.

MINAYO, M.C.; HARTZ, Z. M.; BUSS, P.M. Qualidade de vida e saúde: um debate necessário. Ciência & Saúde Coletiva. Rio de Janeiro, v. 5, n. 1, 2000.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Promoção da Saúde: Cartas de Ottawa, Adelaide, Sundsvalle e Santa Fé de Bogotá. Brasília: MS/IEC, 1996.

MONACO, F.; GUIMARÃES, V. Gestão da qualidade total e qualidade de vida no trabalho: o caso da Gerência de Administração dos Correios. Revista de Administração Contemporânea. Curitiba. v. 4, n. 3, Dec. 2000. Disponível em: . Acesso em: 18 jan. 2014.

NASCIMENTO, R. H. Qualidade de Vida no trabalho. 2013. Disponível em: http://www.hospvirt.org.br/enfermagem/port/qvt.html. Acesso em: 20 dez. 2014.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). CID-10 Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde. 10a rev. São Paulo: EDUSP, 1997.

ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE (OPAS). Prevenção de doenças crônicas: um investimento vital. Brasília: Organização Mundial da Saúde, 2005.

PITANGA, F. J.; LESSA, I. Prevalence and Variables Associated with Leisure-time Sedentary Lifestyle in Adults. Cadernos de Saúde Pública, v. 21, n. 3, p. 870-877, 2005.

PRATES, C.; DANA, D. Cresce o número de afastamentos no INSS por uso de álcool e drogas. Publicado em 05/03/2014. Disponível em:

http://www.previdenciatotal.com.br/integra.php?noticia=1721. Acesso em: 19 dez. 2014.

PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO (PNUD) – Material de Apoio: Perguntas Frequentes. Desenvolvimento Humano, IDH e IDHM. 2013. Disponível em: . Acesso em: 6 jan. 2015.

ROBBINS, S. Comportamento organizacional. São Paulo: Pearson Higher Education, 2005.

SENADO FEDERAL. Serviço de Qualidade de Vida e Reabilitação Funcional – SEQVR. Relatório final das atividades desenvolvidas pelo SEQVR em 2013. Trabalho não publicado. Brasília, 2013a.

______. Relatório preliminar do grupo de trabalho: Revisar as doenças que motivam os afastamentos dos servidores do Senado Federal e propor ações relativas à saúde ocupacional. Trabalho não publicado. Brasília: 2013b.

______ Serviço de Qualidade de Vida e Reabilitação Funcional – SEQVR. Relatório- Pesquisa de opinião: Prevalência de Sintomas Osteomusculares em Servidores do Senado Federal. Trabalho não publicado. Brasília: 2013c.

______ Cartilha do Serviço de Qualidade de Vida e Reabilitação Funcional – SEQVR. Brasília: SEGRAF, 2014.

______ Ato do 1° Secretário n. 12, de 21 de agosto de 2014. Dispõe sobre as restrições ao uso de produtos fumígenos nos espaços do Senado Federal. Brasília: 2014.

______ Ato do 1° Secretário n. 10, de 12 de junho de 2014. Brasília: 2014.

______ Ato da Diretoria Geral n. 8, de 3 de julho de 2014. Regulamenta o ato do Primeiro Secretário n. 10 de 2014. Brasília: 2014.

SOUZA, J. F. V.; CANDIOTO, R. A. Qualidade de vida e meio ambiente: um debate para mudanças socioeconômicas e políticas no Brasil. Cadernos de Direito. Piracicaba, v. 13, n. 24, p. 9-34, jan./jun. 2013.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. WHOQOL: measuring quality of life. Genebra: WHO, 1997.




DOI: http://dx.doi.org/10.26767/coloquio.v14i2.724

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.