Avaliação da sustentabilidade do município de Ipanguaçu-RN sob a ótica do Índice de Desenvolvimento Sustentável Municipal (IDSM)

Natasha Almeida de Moraes Rego, Tereza Amelia Lopes Cizenando Guedes Rocha, Leci Martins Menezes Reis

Resumo


Um novo paradigma de desenvolvimento, que contemple além do crescimento econômico, tem sido posto em prática no século XXI. Nesse contexto, surge a necessidade de repensarmos a produção e o consumo, a relação com o meio ambiente, as políticas públicas e as formas de atuação dos atores sociais envolvidos com as iniciativas, para a geração de um desenvolvimento local sustentável. Este estudo tem o objetivo de identificar o Índice de Desenvolvimento Sustentável Municipal (IDSM) da cidade de Ipanguaçu-RN. Para isso, utilizou-se a metodologia que mede os índices de sustentabilidade de municípios, criada por Martins e Cândido (2008). Os resultados não são satisfatórios nas dimensões político-institucional, demográfica, ambiental e cultural. Já as dimensões social e econômica apresentaram valor aceitável, o que, todavia, não exclui a necessidade de redefinição de políticas públicas e de mudanças na postura dos agentes sociais e institucionais em prol de um desenvolvimento sustentável.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBANO, G. P.; SÁ, A. J. de. Políticas públicas e globalização da agricultura no Vale do Açu-RN. Revista de Geografia, Recife, v. 25, n. 2, p. 58-80, 2008. Disponível em: Acesso em: 19 nov. 2016.

AQUINO, J. R.; SILVA FILHO, R. I. S. Vale do Açu: uma região estratégica para a economia potiguar. O Mossoroense, Mossoró, p. 5, 10 jan. 2015.

BELTRÃO, B. A. et al. (Org.) Projeto cadastro de fontes de abastecimento por água subterrânea: diagnóstico do município de Ipanguaçu. Recife: CPRM/PRODEEM, 2005. Disponível em: Acesso em: 19 nov. 2016.

BUARQUE, S. C. Construindo o desenvolvimento local sustentável. Rio de Janeiro: Garamond, 2008.

CMMAD – COMISSÃO MUNDIAL SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO. Nosso futuro comum. 2a ed. Tradução de Our common future. 1 ed. 1988. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas, 1988.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

GUERRA, A. G. Banana: sistema de cultivo para o Vale do Açu no Rio Grande do Norte. Natal: EMPARN, 2008.

GUIMARÃES, R. P. Aterrizando una Cometa: indicadores territoriales de sustentabilidad. Santiago do Chile: CEPAL/ILPES, 1998. (Serie Investigación, Documento 18/98, LC/IP/G.120). INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. IBGE. Cidades. 2010. Disponível em: . Acesso em: 19 nov. 2016.

MACÊDO, N. M. M. N.; CÂNDIDO, G. A. Índice de Desenvolvimento Sustentável Local e suas influências nas políticas públicas: um estudo exploratório no município de Alagoa Grande – PB. Gestão e Produção, São Carlos, v. 18, n. 3, p. 619-632, maio 2011. Disponível em: . Acesso em: 12 nov. 2016

MARCONI, M. de A.; LAKATOS, E. M. Técnicas de pesquisa. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2013.

MARTINS, M. F.; CÂNDIDO, G. A. Índice de Desenvolvimento Sustentável para Municípios (IDSM): Metodologia para análise e cálculo do IDSM e classificação dos níveis de sustentabilidade – uma aplicação no Estado da Paraíba. João Pessoa: Sebrae, 2008.

MASERA, O.; ASTIER, M.; LÓPEZ-RIDAURA, S. Sustentabilidad y manejo de recursos naturales: el marco de evaluación Mesmis. México: Mundi Prensa, 1999.

PNUD, Programa das Nações Unidas Para o Desenvolvimento no Brasil. Ranking IDHM Municípios 2010. 2013. Disponível em: . Acesso em: 20 jan. 2017.

QUIROGA, R. Indicadores de sostentabilidad y desarrollo sostenible: estado del arte y perspectivas. Santiago de Chile: División de Medio Ambiente y Asentamientos Humanos, 2001.

REIS, L. M. M. Avaliação de sustentabilidade de agroecossistemas de bananeira irrigada de formas diferentes de produção moderna e tradicional: o caso de Ipanguaçu–RN. 2013. 210 f. Tese (Doutorado - Curso de Doutorado em Recursos Naturais, Centro de Tecnologia e Recursos Naturais) - Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, 2013. Disponível em: . Acesso em: 21 jan. 2017.

SACHS, I. Caminhos para o desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro: Garamond, 2000.

SEN, A. Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

WAQUIL, P. D. et al. Avaliação de desenvolvimento territorial em quatro territórios rurais no Brasil. Porto Alegre: UFRGS, 2006. Disponível em: . Acesso em: 20 nov. 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.26767/coloquio.v14i2.716

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.