Violência Contra a Mulher no Território da 25ª Agência de Desenvolvimento Regional (ADR) catarinense: realidade social, políticas públicas e implicações para o desenvolvimento

Jaqueline Fátima Previatti, Maria Luiza Milani

Resumo


O estudo refere-se à violência contra a mulher no território da 25a Agência de Desenvolvimento Regional (ADR) catarinense, descrevendo a realidade social, as políticas públicas e suas implicações para o desenvolvimento dessa região. O desenvolvimento do estudo processou uma pesquisa bibliográfica e diagnóstica, nos municípios de Mafra, São Bento do Sul, Rio Negrinho, Campo Alegre, Itaiópolis, Papanduva e Monte Castelo, onde foram pesquisados 3769 BO com registros de violência contra as mulheres, entre 2009 a 2012, em cinco delegacias de polícia civil e duas delegacias de proteção à criança, adolescente, mulher e idoso. Com o objetivo de estudar o cenário, na 25a ADR, da violência contra as mulheres e as implicações no processo de desenvolvimento, tem-se como resultados que, em municípios onde há rede de atenção ao atendimento às mulheres, o número de denúncias aumentou. Também fica evidente a presença da violência na região, havendo, pois, comprometimento ao bem-estar e interferências nos processos para o desenvolvimento regional. A violência doméstica, quando os conflitos familiares e sociais promovem riscos e vulnerabilidades, interfere no bem-estar social. Mas as políticas públicas para o enfrentamento da violência contra as mulheres se ampliaram, intensificando as perspectivas de enfrentamento desse dilema social que interfere individual e coletivamente nas sociedades. Os aspectos preocupantes que a pesquisa apontou referem-se ao seu desconhecimento pelos setores e instituições sociais. Se as políticas públicas não estão efetivamente sendo implantadas pelas mais variadas questões, comprometem-se as expectativas do desenvolvimento humano, social e regional.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBERDI, I. et al. Cómo reconocer y cómo erradicar la violencia contra las mujeres. In: Violencia: Tolerancia Cero. Programa de prevención de la Obra Social “la Caixa”. Barcelona: Fundación La Caixa, 2002.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Promulgada em 5 de outubro de 1998.

______. Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres (SPM). Pacto Nacional pelo Enfrentamento à Violência contra as Mulheres. Brasília, 2011a.

______. ______. Política Nacional de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres. Brasília, 2011b.

______. ______. II Plano Nacional de Políticas para as Mulheres. Brasília, 2008.

______. ______. Plano Nacional de Políticas para as Mulheres. Brasília, 2004.

______. Supremo Tribunal de Justiça. Lei no 11.340/2006, Lei Maria da Penha, 7 de agosto de 2006. Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2011.

FARAH, Marta Ferreira dos Santos. Parcerias, novos arranjos institucionais e políticas públicas no nível local de governo. Rio de Janeiro: Revista de Administração Pública, 2001.

MINAYO, M. C. S.; SOUZA, E. R. (Orgs.). É possível prevenir a violência? Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro: 1999.

______; ______ (Orgs.). Violência sob o olhar da saúde: a infra política da contemporaneidade brasileira. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2006.

MONTEIRO C. F. Marcas no corpo e na alma de mulheres que vivenciam a violência conjugal: uma compreensão pela Enfermagem. Rio de Janeiro: Escola de Enfermagem Anna Nery/UFRJ, 2005.

MORGADO, Rosana. Mulheres em situação de violência doméstica. In: GONÇALVES, H. S.; BRANDÃO, E. P. (Orgs.) Psicologia Jurídica no Brasil. 2. ed. Rio de Janeiro: NAU, 2008.

NASCIMENTO, M. L. Violência doméstica e sexual contra as mulheres. Psiqweb. Disponível em: . Acesso em: 10 nov. 2004.

OPAS. Organização Panamericana da Saúde. Violência y salud. Washington, 2007.

SAFFIOTTI, Heleieth Iara Bongiovani. Gênero, patriarcado, violência. São Paulo: Perseu Abrano, 2004.

SUÁREZ, Mireya; BANDEIRA, Loudes (Orgs.). A violência de gênero e crime no Distrito Federal. Brasília: Paralelo 15, UNB, 2002.




DOI: https://doi.org/10.26767/coloquio.v13i2.498

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.