A dinâmica entre a tradição e a modernidade no contexto de Sant’Ana do Livramento - RS e suas inflexões sobre a sociedade e o desenvolvimento local e regional

Rut Friedrich Marquetto, Marcos Artêmio Ferreira, Mario Riedl

Resumo


Este artigo tem por objetivo discutir a dinâmica entre a tradição e a modernidade, no Município de Sant’Ana do Livramento - RS, cujo recorte temporal se refere ao período de 1970 a 2010. Trata-se de um município essencialmente  tradicional, imerso em um contexto de modernidade, retratado pela efetiva movimentação de pessoas e mercadorias, bem como pela situação de fronteira, onde houvera a possibilidade de inclusão de departamentos de free shops na Intendência de Rivera - UY, sua cidade gêmea. De cunho quantitativo e qualitativo, a pesquisa privilegiou entrevistas semiestruturadas aplicadas a 33 representantes institucionais, selecionados pela técnica “Bola de Neve”. Evidenciaram-se os valores tradicionais presentes nas relações pessoais e sociais da vida cotidiana, na família e no trabalho, muitos dos quais com predominância de elementos hierárquicos. Isso revela vieses característicos do clientelismo e do caudilhismo que atende aos interesses de uma minoria hegemônica. Implica, portanto, esferas econômicas e sociais reveladas pelos interlocutores que atribuem a ideia de desenvolvimento ao progresso e ao processo da modernidade, ignorando que o desenvolvimento local pode ser comandado pelos segmentos  endógenos.

Texto completo:

PDF

Referências


ACAUAN, Ana P. B. Comunicação: Correio do Povo na gestão Ribeiro - ideologia e poder. 2009. 233 f. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social) – Faculdade de Comunicação Social, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.

BOBBIO, Norberto. Estado, governo, sociedade - para uma teoria geral da política. 10. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2003.

CANCLINI, Nestor G. Culturas Híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. São Paulo: Edusp, 2003.

CARVALHO, José M. Mandonismo, Coronelismo, Clientelismo: uma discussão conceitual. Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 40, n. 2, 1997. Disponível em:

&Ing=en&nrm+iso>. Acesso em: 18 dez. 2011.

CHIZZOTTI, Antônio. Pesquisa em Ciências Humanas e Sociais. São Paulo: Cortez, 1998.

DUMONT, Louis. Homo Hierarchicus: o sistema das castas e suas implicações. São Paulo: Edusp, 1997.

______. O individualismo: uma perspectiva antropológica da ideologia moderna. Rio de Janeiro: Rocco, 1985.

ELETROBRAS. Ventos da mudança. Desenvolvido pela Companhia do Setor de Energia Elétrica. 2011. Disponível em:

LUMISEB7EA1A1ITEMID29feb428C6FD4B30A>. Acesso em: 6 ago. 2011.

FUNDAÇÃO DE ECONOMIA E ESTATÍSTICA. FEE. Emprego/Desemprego-RMPA. Disponível em:

pedmensalsh.php. Acesso em: 20 fev. 2012.

GEERTZ, Cliford. A Interpretação das Culturas. Rio de Janeiro: LTC, 1989.

GIDDENS, Anthony. A constituição da sociedade. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

______. As consequências da modernidade. São Paulo: Unesp, 1991.

HOBSBAWM, Eric; RANGER, Terence. A Invenção das Tradições. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICAS. IBGE. Apresenta informações sobre os municípios do RS. 2010. Disponível em: . Acesso em: 11 jun. 2011.

LAPLANCHE, Jean; PONTALIS, Jean-B. Vocabulário da Psicanálise. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

LOOCWOOD, A.; MEDLIK S. Turismo e hospitalidade no século XXI. Barueri: Manole, 2003.

MARQUETTO, R. M. F.; RIEDL, M. Fronteira da Paz: segregação urbana X Zona de Livre Comércio. In: NETO, E. M. C.; MASSENA, F. S.; LONDERO, J. C. (Orgs.). Novos olhares para o desenvolvimento regional sustentável: caminhos e perspectivas. Santa Cruz do Sul: Edunisc, 2010.

MAUSS, Marcel. Sociologia e Antropologia. v. 2. São Paulo: Edusp, 1974.

MÉLO, José L. B. O “velho” e o “novo” da violência rural na fronteira Brasil – Uruguai. Revista Sociedade e Estado, Brasília, n. 1, jan./jun. 2004.

OBRAS DE PARQUE EÓLICO vão começar na sexta. Zero Hora Digital. Porto Alegre, 16 jun. 2010. Disponível em: . Acesso em: 30 ago. 2011.

PASSIANI, Ênio. Max Weber: um pensador da cultura. Dialogia, São Paulo, out. 2001.

PORTAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS. Disponível em:

. Acesso em: 30 ago. 2011.

SÁNCHEZ, Andrea Q. A fronteira inevitável: um estudo sobre as cidades de fronteira de Rivera (Uruguai) e Santana do Livramento (Brasil) a partir de uma perspectiva antropológica. 2002. 209 f. Tese (Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas) - Universidade Federal do Rio Grande Sul, Porto Alegre, 2002.

STEIMAN, Rebeca; MACHADO, Lia O. A questão da classificação das fronteiras. Limites e fronteiras internacionais: uma discussão histórico-geográfica. Grupo Retis, Rio de Janeiro, 2005. Disponível em: . Acesso em: 21 fev. 2011.

WEBER, Max. A ética protestante e o espírito do capitalismo. São Paulo: Pioneira, 2000.




DOI: http://dx.doi.org/10.26767/coloquio.v9i2.4

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.