A evolução do emprego na região do Corede Vale do Rio dos Sinos (Consinos) no Estado do Rio Grande do Sul: o caso da Indústria Criativa nos anos de 2000

Judite Sanson de Bem, Moisés Waismann, Margarete Panerai Araujo

Resumo


Um dos melhores indicadores de desempenho econômico e social de uma região é o emprego de sua mão de obra, haja vista que representa a possibilidade de inserção social e a melhoria dos padrões de vida da população. Também representa uma possibilidade de diversificação de ocupações e, assim, variados graus de alternativas, no caso de crises, que possam ocorrer em um mercado específico. A região do Corede Vale do Rio dos Sinos (Consinos), no RS, especializada na produção do complexo calçadista, vem, ao longo das décadas de 1990 e de 2000, perdendo participação no PIB e na geração de emprego no Rio Grande do Sul. Mesmo a acumulação de conhecimento, a criatividade, as inovações e as competências tecnológicas, presentes na economia local, não foram suficientes para reverter as adversidades da abertura do mercado brasileiro aos importados. No entanto, outras opções de atividades produtivas vêm sendo perseguidas, através do que se denominam indústrias criativas. O objetivo deste trabalho é apresentar o comportamento do emprego formal e da renda, na década de 2000, provenientes dos empregos totais, e das indústrias criativas, entre 2000 e 2010, verificando se o primeiro acompanha o mesmo ritmo do segundo. Utilizando-se do CAGED/MTE e da estatística descritiva, o trabalho buscará verificar se houve uma evolução positiva do emprego. Conclui-se que, no médio prazo, ainda há muitas possibilidades de avanço quanto à diversificação da matriz produtiva, sobretudo quando se considera que a atual conformação da indústria criativa no Consinos traz em si um fortíssimo impacto nas atividades ligadas ao calçado, motivo que eleva as dificuldades enfrentadas por ela.

Texto completo:

PDF

Referências


BEM, Judite Sanson de; GIACOMINI, Nelci M. Richter. Avaliação das áreas homogêneas e dos impactos econômicos da cultura e das indústrias culturais: estudo do Corede do Vale do Rio dos Sinos - Corede Sinos no período de 2000 até 2011. Porto Alegre: CNPQ/UNILASALLE, 2012. (Relatório de Pesquisa - Impresso).

BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Disponível em: . Acesso em: 3 nov. 2014a.

______. Ministério do Trabalho e Emprego. Bases Estatísticas RAIS/CAGED. Disponível em: . Acesso em: 3 nov. 2014b.

CHAHAD, José Paulo Zeetano. Mercado de Trabalho: Conceitos, Definições e Funcionamento. In: Pinho, Diva Benevides; Vasconcellos, Marco Antonio S. de. Manual de Economia. 5. ed. São Paulo: Saraiva, 2004.

FEE. Fundação de Economia e Estatística do Rio Grande do Sul. FEEDADOS. Disponível em: . Acesso em: 4 nov. 2014.

FIRJAN. Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro. A cadeia da Indústria Criativa no Brasil. n. 2, maio 2012. (Estudos para o desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro). Disponível em: . Acesso em: 4 nov. 2013.

FLORIDA, Richard. The rise of the creative class. New York: Basic Books, 2002.

HOWKINS, John. Economia criativa: como ganhar dinheiro com ideias criativas. São Paulo: M. Books do Brasil, 2013.

PREFEITURA MUNICIPAL DE ARARICÁ. Araricá Hoje. Disponível em: . Acesso em: 12 dez. 2014.

PREFEITURA MUNICIPAL DE DOIS IRMÃOS. Legislação: Lei Municipal de nº 2448/2007. Disponível em: . Acesso em: 12 nov. 2014.

PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA SANTA RITA (PMNOVA SANTA RITA). Perfil do Município. Disponível em: . Acesso em: 12 dez. 2014.

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO LEOPOLDO. Gabinete do Prefeito, 2010. Governança Municipal: o novo caminho para a eficiência na gestão pública. Disponível em: . Acesso em: 8 dez. 2014.

SANDRONI, Paulo. Novíssimo dicionário de economia. São Paulo: Best Seller, 2009.

SECRETARIA DA FAZENDA DO MUNICÍPIO CANOAS. Portal da Transparência. Disponível em: . Acesso em: 16 nov. 2010.

TOWSE, Ruth. Creative industries. In: ______. A handbook of cultural economics. 2. ed. Northampton: Edward Elgar, 2011. p. 125-131.

UNCTAD. United Nations Conference on Trade and Development. Creative Economy. Report 2008. Geneva; New York: UNCTAD; UNDP, 2008, p. 9-16. Disponível em: . Acesso em: 16 nov. 2011.




DOI: http://dx.doi.org/10.26767/coloquio.v12i2.321

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.