Canais de comercialização da produção agroecológica: análise de uma propriedade em São Miguel do Iguaçu (PR)

Giovana Riva Maggi, Marcio Roberto Ramos, Cláudia Regina Oliveira, Adriana Maria de Grandi

Resumo


O objetivo deste artigo é analisar os canais de comercialização de uma propriedade agroecológica. A propriedade analisada é considerada como modelo de agroecologia no Oeste do Paraná e está localizada no município de São Miguel do Iguaçu, no Paraná. A agroecologia é uma ciência que estabelece uma base teórica para os diferentes movimentos de agricultura não convencional. A propriedade trabalha hoje com três canais de comercialização: o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) e o Turismo Rural. A metodologia adotada foi qualitativa, concebida por levantamento bibliográfico, aplicação de questionário semiestruturado e sistematização dos resultados e da análise dos dados. Pode-se concluir que a agroecologia, ao longo dos anos, vem ganhando espaço em setores da sociedade.

Texto completo:

PDF

Referências


ALTIER, M. A. Agroecologia - a dinâmica produtiva da agricultura sustentável. Porto Alegre UFRGS, 1998.

ASSIS, R. L. Desenvolvimento rural sustentável no Brasil: perspectivas a partir da integração de ações públicas e privadas com base na Agroecologia. Revista Economia Aplicada, v. 10, n. 1. Ribeirão Preto, jan./mar. 2006.

AQUINO, A. M.; ASSIS R. L. Agricultura orgânica em áreas urbanas e periódicos urbanas com agroecologia. Ambiente & Sociedade, v. 10, n. 1, p. 137-150, 2007.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. PAA 5 anos: balanço e perspectivas. 2011. Disponível em: . Acesso em: 4 abr. 2014.

CAMPANHOLA, C. O. Agroturismo como fonte de renda para o pequeno agricultor brasileiro. In: ALMEIDA, J. A.; RIEDL, M. Turismo rural: ecologia, lazer e desenvolvimento. Bauru: Edusc, 2000. p. 145-179.

DELGADO, L. A questão agrária no Brasil, 1950-2003. In: RAMOS, L. R.; ALY, O. J. (Eds.) Questão agrária no Brasil: perspectiva histórica e configuração atual. São Paulo: Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária, 2005.

DEL GROSSI, M. E.; GRAZIANO DA SILVA, J. Movimentos recentes da Agricultura Familiar. Cadernos do CEAM, Brasília, v. 6, n. 24, p. 91-102, 2006.

FERNANDES, Ângela Esther Borges. O Perfil da Agricultura Familiar Brasileira. 2009.Disponível em: . Acesso em: 5 maio 2014.

FROEHLICH, J. M. Turismo rural e agricultura familiar: explorando (criticamente) o cruzamento de abordagens e estratégias para o desenvolvimento. In: ALMEIDA, J.;

RIEDL, M. (Orgs.). Turismo Rural: ecologia, lazer e desenvolvimento. Bauru: Edusc, 2000. p. 181-197.

GUZZATTI, T. C.; TURES, V. A. O papel da Associação de Agroturismo. Acolhida na Colônia (SC) na construção de políticas públicas de turismo focadas no desenvolvimento rural e na promoção da agricultura familiar. V ENAPGS - Encontro Nacional de Pesquisadores de Gestão Social, Florianópolis, maio 2011.

KUMMER, L. Metodologia participativa no meio rural: uma visão interdisciplinar conceitos, ferramentas e vivências. Salvador: GTZ, 2007.

LACEY, H. Há alternativas ao uso dos transgênicos? Novos Estudos. 2007. Disponível em:

arttext>. Acesso em: 4 abr. 2014.

MATTEI, L. Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (PRONAF): Concepção, abrangência e limites observados. Texto apresentado no IV Encontro da Sociedade Brasileira de Sistemas de Produção, realizado em Belém (PA), de 19 a 23 de março de 2001.

PARRA, C. S.; SILVA, C. P.; CHEHADE, M. B. Agroturismo como fonte de renda para pequenos agricultores. Revista Científica Eletrônica Turismo, ano 3, n. 5, p. 1-7, jun. 2006.

PARANÁ. Lei no 15.143, de 31 de maio de 2006. Define as atividades turísticas que especifica, como atividades de “Turismo Rural na Agricultura Familiar”. Curitiba (PR): Diário Oficial, 2006.

PORTUGUEZ, A. P. Agroturismo e desenvolvimento regional. São Paulo: Hucitec, 1999.

RUAS, Elma Dias et al. Metodologia participativa de extensão rural para o desenvolvimento sustentável: MEXPAR. Belo Horizonte: Governo do Estado de Minas

Gerais, 2006.

SCHNEIDER, S. Teoria social, Agricultura Familiar e pluriatividade. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 18, n. 51, p. 99-122, fev. 2003.

______. Turismo em Comunidades Rurais: inclusão social por meio de atividades não-agrícolas. In: BRASIL. Ministério do Turismo. Turismo social, diálogos do turismo: uma viagem de inclusão. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Administração Municipal, 2006. p. 264-293.

SIORG. Sistema de Informações Organizacionais do Governo Federal. 2008. Disponível em: . Acesso em: 10 abr. 2014.

WANDERLEY, M. N. B. A Agricultura Familiar no Brasil: um espaço em construção. Reforma Agrária, Campinas, v. 25, n. 2/3, p. 37-57, 1995.

______. Raízes Históricas do Campesinato Brasileiro. In: TEDESCO, J. C. (Org.). Agricultura Familiar Realidades e Perspectivas. 2. ed. Passo Fundo: EDIUPF, 1996. p. 21-55.

WILKINSON, J. A pequena produção e sua relação com os sistemas de distribuição. In: Anais do Seminário Políticas de Seguridad Alimentaria y Nutrición en América Latina. Campinas: UNICAMP, 2003.

ZYLBERSZTAJN, D. Economia das Organizações. In: ZYLBERSZTAJN, D.; NEVES, M. F. (Orgs.) Economia e Gestão dos Negócios Agroalimentares. São Paulo: Pioneira, 2000.




DOI: https://doi.org/10.26767/coloquio.v12i1.219

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.