O valor de frutas, legumes e verduras comercializadas em feiras livres e sua interface com a Segurança Alimentar e Nutricional (SAN)

Camila Irigonhé Ramos, Evander Eloi Krone, Renata Menasche

Resumo


O presente estudo objetivou promover a reflexão sobre a valoração dos alimentos que os feirantes produzem e/ou comercializam, e, além disso, como este processo relaciona-se com a segurança alimentar e nutricional de todos os atores envolvidos no sistema alimentar. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, com inspiração etnográfica. Na coleta dos dados realizou-se entrevistas em profundidade e observação participante em feiras orgânicas e convencionais, além de locais de produção de orgânicos, durante os anos de 2013 e 2014 no município de Pelotas/RS e região. Como principais resultados obteve-se que existem nas feiras aqueles que são apenas produtores, os que produzem e revendem e os revendedores, este fato influencia na relação que o feirante tem com o alimento que comercializa e com o seu freguês. Os feirantes orgânicos são apenas produtores e demonstraram cuidado com o alimento e com as pessoas que buscam o seu produto, diferentemente dos feirantes convencionais que tratam o alimento como mercadoria. Para os feirantes ecológicos seus fregueses buscam este alimento porque se preocupam com a sua saúde e com o meio ambiente, percepção distinta dos feirantes convencionais que tem um padrão de alimentos que são comercializados, e que apontam que as pessoas buscam o alimento pela estética e não pela saudabilidade. É preciso relativizar os fatores que podem estar imbricados no valor agregado aos alimentos comercializados nas feiras, assim como na produção e na escolha de alimentos que são socialmente e culturalmente concebidos como saudáveis e que promovem a saúde e a segurança alimentar e nutricional.

Texto completo:

PDF

Referências


AMON, Denise; MENASCHE, Renata. Comida como Narrativa da Memória Social. Sociedade e Cultura, v.11, n.1, p. 13 – 21, 2008. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/fcs//article/view/4467. Acesso em: 15 mar. 2019

BRASIL. Lei nº 11.346, de 15 de setembro de 2006. Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (SISAN) com vistas em assegurar o direito Humano à alimentação adequada e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 15 set. 2006.

CICOUREL, Aaron. Teoria e método em pesquisa de campo. In: GUIMARÃES, Alba Zaluar. Desvendando máscaras sociais . Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1980.

COMERFORD, John Cunha. Comunidade Rural. In: Motta, Márcia (Org.). Dicionário da Terra. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

CONTRERAS, Jesus. Patrimônio e Globalização: o caso das culturas alimentares. In: CANESQUI, Ana Maria; GARCIA, Rosa Wanda Diez. Antropologia e nutrição: um diálogo possível. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2005.

CONTRERAS, Jesus; GRACIA, Mabel. Alimentação, sociedade e cultura. Rio de janeiro: Fiocruz; 2011.

CRISTÓVÃO, Artur. Mundo Rural: Entre as representações (dos urbanos) e os benefícios reais (para os rurais). In: RIEDL, Mario; ALMEIDA, Joaquim A.; VIANA, Andyara L. B.. Turismo rural: Tendências e sustentabilidade. Santa Cruz do Sul: EDUNISC; 2002.

DANIEL, Jungla Maria Pimentel; CRAVO, Veraluz Zicarelli. Valor Social e Cultural da Alimentação. In: CANESQUI, Ana Maria; GARCIA, Rosa Wanda Diez. Antropologia e nutrição: um diálogo possível. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2005.

FISCHLER, Claude. L'homnivore. Paris: Poche Odile Jacob ; 2001.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das Culturas. 1ª ed. 13º reimp. Rio de Janeiro: LTC; 2008.

LIFSCHITZ, Javier. Alimentação e cultura: em torno ao natural. Revista Physis, v.7, n.2, p. 69-83, 1997. Disponível em: https://scielosp.org/article/physis/1997.v7n2/69-83/pt/. Acesso em: 10 fev. 2019

MACIEL, Maria Eunice; CASTRO, Helisa Canfield de. A comida boa para pensar: sobre práticas, gostos e sistemas alimentares a partir de um olhar socioantropológico. Demetra, v. 8, Supl.1, p. 321-28, 2013. Disponível em: https://pdfs.semanticscholar.org/d3fb/4c417092638e3342297d85f801ac1c6d5af9.pdf. Acesso em: 10 fev. 2019

MALUF, Renato. Segurança alimentar e nutricional. Petrópolis - Rio de janeiro : Vozes; 2009.

MENASCHE, Renata. Campo e cidade, comida e imaginário: percepções do rural à mesa. Ruris, .v 3, n.2, 195-218, 2010. Disponível em: https://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/ruris/article/view/700. Acesso em: 10 fev. 2019

MINAYO, Maria Cecília de Souza. O Desafio do Conhecimento: Pesquisa Qualitativa em Saúde. São Paulo: Hucitec, 2014.

MINTZ, Sidney. Comida e Antropologia: Uma breve revisão. RBCS, v. 16, n.47, p. 31-41, 2001. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbcsoc/v16n47/7718.pdf. Acesso em: Acesso em: 19 mai. 2019

POULAIN, Jean-Pierre; PROENCA, Rossana Pacheco da Costa. O espaço social alimentar: um instrumento para o estudo dos modelos alimentares. Rev. Nutr., Campinas, v. 16, n. 3, p. 245-256, Sept. 2003. Disponível em: . Acesso em 10 mar. 2019

VICTORA, Ceres Gomes; KNAUTH, Daniela Riva; HASSEN, Maria de Nazareth. Pesquisa qualitativa em saúde: uma introdução ao tema. Porto Alegre: Tomo Editorial, 2000.

WILLE, Danielle Neugebauer. No Supermercado, “o Segredo é o Carinho”: um Estudo sobre Consumo a partir do Rural, Caseiro e Natural em Embalagens de Alimentos. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais), Universidade Federal de Pelotas. 2014.

WOORTMANN, Ellen Fensterseifer. Herdeiros, Parentes e Compadres: colonos do Sul e sitiantes do Nordeste. São Paulo: Hucitec, 1995.




DOI: https://doi.org/10.26767/coloquio.v18i1.1898

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.