Uma análise institucionalista do papel do planejamento estratégico na Embrapa

Karine Daiane Zingler, Petula Ponciano do Nascimento, Leonardo Xavier da Silva, Glauco Schultz

Resumo


A Embrapa foi criada em 1973 para aumentar a produtividade da agricultura brasileira, em meio ao esgotamento do Processo de Substituição de Importações. Mas, ao longo do tempo o contexto institucional modificou-se, exigindo diferentes prioridades de pesquisa. Este artigo tem a intenção de analisar a evolução da estrutura de planejamento da Embrapa, seus objetivos e foco de pesquisa. O que foi realizado a partir da leitura de documentos e avaliação dos Planos Diretores, fontes bibliográficas sobre o assunto e sobre Economia Institucional. Verificou-se que a estrutura de planejamento de pesquisa passou de uma visão centrada na reprodução dos objetivos do governo federal na década de 1970 para uma integração maior com a sociedade na década de 1980 e inserindo o planejamento estratégico a partir da década de 1990. Com monitoramento das demandas da sociedade por tais técnicas, passou-se também a diversificar a agenda de pesquisa, porém esta mudança é dependente em sua trajetória.

Texto completo:

PDF

Referências


CABRAL, J. Irineu. Sol da manhã: memória da Embrapa. Brasília: UNESCO, 2005.

CASTRO, Ana Célia. Ciência e Tecnologia para Agricultura: uma análise dos planos de desenvolvimento. Cadernos Difusão de Tecnologia. Vol. 1. nº3. 1984.

CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à Teoria Geral da Administração: uma visão abrangente da moderna administração das organizações. 7. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003.

DUARTE, Jorge. Prosa com Eliseu: entrevista a Jorge Duarte. Brasília: Embrapa, 2018.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA – EMBRAPA. Boletim de Comunicações Administrativas, Brasília, ano 1, n. 1, 1974.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA – EMBRAPA. I Plano Diretor da Embrapa: 1988-1992. Brasília: Secretaria de Planejamento, 1988.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA – EMBRAPA. Boletim de Comunicações Administrativas. Ano XVI. Nº25. Brasília: Embrapa, 1990.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA – EMBRAPA. II Plano Diretor da Embrapa: 1994-1998. Brasília: Embrapa-SPI, 1994.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA – EMBRAPA. III Plano Diretor da Embrapa: 1999-2003. Brasília: Embrapa-SPI, 1998.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA – EMBRAPA. Pesquisa Agropecuária e Qualidade de Vida: a história da Embrapa. Brasília: Embrapa, 2002.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA – EMBRAPA. Relatório de gestão 2002. Brasília, DF: Embrapa, 2003.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA – EMBRAPA. IV Plano Diretor da Embrapa: 2004-2007. Brasília: Embrapa, 2004a.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA – EMBRAPA. Relatório de Gestão da Embrapa 2003. Brasília: Embrapa, 2004b.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA – EMBRAPA. V Plano Diretor da Embrapa: 2008-2011-2023. Brasília: Embrapa, 2008a.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA – EMBRAPA. Balanço Social 2007. Brasília: Embrapa, 2008b.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA – EMBRAPA. Visão 2014-2034: o futuro do desenvolvimento tecnológico da agricultura brasileira. Brasília, DF: Embrapa, 2014.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA – EMBRAPA. VI Plano Diretor da Embrapa: 2014-2034. Brasília: Embrapa, 2015.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA – EMBRAPA. Visão 2030: o futuro da agricultura brasileira. – Brasília: Embrapa, 2018.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA – EMBRAPA. Embrapa lança plataforma de inteligência estratégica. Disponível em: https://www.embrapa.br/busca-de-noticias/-/

noticia/1490628/embrapa-lanca-plataforma-de-inteligencia-estrategica Acesso em 28 de setembro de 2019a.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA – EMBRAPA. Pedro Arraes é reconduzido à Presidência da Embrapa. Disponível em: https://www.embrapa.br/busca-de-noticias/-/noticia/1481723/pedro-arraes-e-reconduzido-a-presidencia-da-embrapa Acesso em 01 de setembro de 2019b.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA – EMBRAPA. O que é o Agropensa? Disponível em: https://www.embrapa.br/agropensa/sistema-agropensa Acesso em 28 de setembro de 2019c.

FONSECA, Pedro C. D. Sobre a Intencionalidade da Política Industrializante no Brasil na Década de 1930. Revista de Economia Política, São Paulo, v.23, nº 1, jan/mar 2003.

FREITAS FILHO, Antônio de. Planejamento Estratégico: conceitos e metodologia para sua formulação. Brasília: Embrapa- DPL, 1989.

GONÇALVES NETO, Wenceslau. Estado e agricultura no Brasil: política agrícola e modernização econômica brasileira 1960-1980. São Paulo: HUCITEC, 1997.

GOEDERT, W. J.; CASTRO, A. M.G.; PAEZ, M.L.D’A. O Sistema Embrapa de Planejamento. Revista de Administração, São Paulo, v.30 nº4, out/dez, 1995.

LOPES, Maurício Antônio. A Agricultura Brasileira na Agenda Global de Desenvolvimento Sustentável. Embrapa, Brasília-DF, s.d. Disponível em: https://www.embrapa.br/olhares-para-2030/artigo/-/asset_publisher/SNN1QE9zUPS2/content/mauricio-antonio-lopes?inheritRedirect=true Acesso em: 03 set. 2019b.

MANTZAVINOS, C.; NORTH, Douglass; SHARIQ, Syed. Learning, Institutions, and Economic Performance. Perspectives on Politics, Cambridge, v.2, nº1, 2004.

NORTH, Douglass. Institutions. The Journal of Economic Perspectives, v. 5, nº 1, 1991.

NORTH, Douglass. Economic Performance Through Time. The American Economic Review, v. 84, nº 3, 1994.

NORTH, Douglass. Understanding the Process of Economic Change. Princeton, New Jersey: Princeton University Press, 2005.

NORTH, Douglass. Instituições, Mudança Institucional e Desempenho Econômico. Trad. MORALES, Alexandre. São Paulo: Três Estrelas, 2018.

PENTEADO, Maria I. de O.; FONTES, Ruy R.; CAMPOS, Fernando A.de A.; EUCLIDES FILHO, Kepler. A Trajetória do Planejamento na Embrapa. Cadernos de Ciência & Tecnologia, Brasília-DF, v. 31, nº1, 2014.

RIVALDO, Ormuz Freitas. Estratégias para o fortalecimento do Sistema Brasileiro de Pesquisa Agropecuário. Brasília: Embrapa, 1986.

SAMUELS, Warren J. The Present State of Institutional Economics. Cambridge Journal of Economics, v.19, 1995.

VEBLEN, Thorstein. Why is Economics not an Evolutionary Science? Quarterly Journal of Economics, v.12, nº 4, 1898.

VEBLEN, Thorstein. A Teoria da Classe Ociosa: um estudo econômico das instituições. Trad: Krähenbühl, Olívia. 2ª ed. São Paulo: Nova Cultural, 1987.




DOI: https://doi.org/10.26767/coloquio.v18i1.1895

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.