Gestão do controle de cães e cidade digital estratégica: caso de Curitiba

Beatriz Alcantara Castelo, Denis Alcides Rezende, Giovana Goretti Feijó de Almeida

Resumo


O aumento de cães em situação precária nas cidades e a ausência de legislações específicas desafiam as decisões da gestão municipal no meio urbano. É ainda um problema de saúde e políticas públicas que levam às reflexões sobre o desenvolvimento territorial-regional. O objetivo é analisar as estratégias municipais para gestão do controle de cães e suas relações com cidade digital estratégica. A metodologia da pesquisa enfatizou um estudo de caso em Curitiba, Paraná. É uma pesquisa qualitativa que se vale de um protocolo com 7 variáveis. Os resultados auferidos confirmaram a existência de legislação específica para a gestão de controle de cães no meio urbano, porém, ainda são insuficientes em relação ao número de cães abandonados e fiscais que realizam esse controle. A conclusão reitera a existência de relações entre gestão de controle de cães e cidade digital estratégica por meio de dois subprojetos, estratégias e tecnologia da informação. Ao mesmo tempo, a realidade curitibana revelou lacunas nos planos de governo vigentes em relação a animais domésticos abandonados na cidade. É um cenário que merece atenção, visto que esses animais fazem parte do cotidiano urbano e, se não for gerido adequadamente, pode causar problemas à população e, inclusive, problemas no desenvolvimento territorial-regional.

Texto completo:

PDF

Referências


ABRACHIP. Site institucional da Abrachip banco de dados de microchips em animais. http://www.abrachip.com.br. Acesso em: 12 abr. 2017.

BELLINGIERI, J. C. Teorias do desenvolvimento regional e local: uma revisão bibliográfica. RDE, v.2, n.37, 2017.

BRASIL. Constituição Federal. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1998.

BRASIL. Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998. Diário Oficial, Brasília, 19 jul. 2000a. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9605.htm. Acesso em: 19 abr. 2017.

BRASIL. Lei nº 11.126, de 27 de junho de 2005. Diário Oficial, Brasília, 19 jul. 2000b. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Lei/L11126.htm. Acesso em: 19 abr. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Manual de vigilância, prevenção e controle de zoonoses: normas técnicas e operacionais [recurso eletrônico] / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Brasília: Ministério da Saúde, 2016.

BRASIL. Site Institucional do Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Manual de vigilância e controle da peste / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância Epidemiológica. Brasília: Ministério da Saúde, 2008.

CAMARGOS, M. A.; DIAS, A. T. Estratégia, administração estratégica e estratégia corporativa: uma síntese teórica. Caderno de Pesquisas em Administração, v.10, n.1, p.27-39, 2003.

CASTELO, L. A. Avaliação das ações implementadas nas unidades operacionais do instituto CENTEC como forma de viabilizar o planejamento estratégico: análise da mesorregião do Jaguaribe-Ce. 2008. Dissertação (Mestrando em Engenharia de Produção), Universidade Federal da Paraíba, Paraíba, 2008.

COPPINGER, R.; COPPINGER, L. Dogs: a startling new understanding of canine origin, behavior and evolution. New York: Scribner, 2001.

DOMINGUES, L. R. et al. Responsible pet animal guardianship in the urban area of the municipality of Pelotas in the state of Rio Grande do Sul, Brazil. Ciênc. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 20, n. 1, p. 185-192, 2015. Acesso em: 20 jun. 2017.

IBGE. Site Institucional do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. www.ibge.gov.br. Acesso em: 06 mar. 2020.

KIMURA, L. M. S. Principais zoonoses. Animais de laboratório: Criação e Experimentação. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2012. http://books.scielo.org/id/sfwtj/pdf/andrade-9788575413869-26.pdf. Acesso em: 10 mai. 2018.

LEVINE, G. N. et al. Pet ownership and cardiovascular risk: a scientific statement from the American Heart Association. Circulation, v. 127, n. 23, p. 2353-2363, 2013.

LIMA, A. E. M. A. Teoria do Desenvolvimento Regional e o papel do Estado. Análise Econômica, v. 24, n. 45, 2006.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de Metodologia Científica, 8. ed. Atlas, 2017.

MCGEE, J. V.; PRUSAK, L. Gerenciamento estratégico da informação: aumente a competitividade e a eficiência de sua empresa utilizando a informação como uma ferramenta estratégica. 11 ed. Rio de Janeiro: Campus, 2002.

MDR. Site Institucional do Ministério do Desenvolvimento Regional. Codificação Brasileira de Desastres (COBRADE). 2020. https://www.mdr.gov.br/protecao-e-defesa-civil/centro-nacional-de-gerenciamento-de-riscos-e-desastres-cenad/entenda-os-desastres.

MEIRELLES, H. L. Direito administrativo brasileiro. 39 ed. São Paulo: Malheiros, 2013.

MICHEL, M. H. Metodologia e pesquisa cientifica em ciências sociais: um guia prático para acompanhamento da disciplina e elaboração de trabalhos monográficos. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2015.

MINTZBERG, H. et al. O processo da estratégia: conceitos, contextos e casos selecionados. 4. ed. Porto Alegre: Bookman, 2014.

MORAIS, R. T. R. Planejamento estratégico: um bem ou mal necessário? Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 2005.

DI NAPOLI, R. B. Animais como pessoas? O lugar dos animais na comunidade moral. Princípios Revista de Filosofia, Natal, v. 20, n. 33, p. 47-78, 2013.

OLIVEIRA, K. D.; ALMEIDA, K. L.; BARBOSA, T. L. Amostragens probabilísticas e não probabilísticas: técnicas e aplicações na determinação de amostras. Universidade Federal do Espírito Santo. Centro de Ciências Agrárias: Programa de Pós-Graduação em Ciências Florestais; 2013.

PENNISI, E. Where did your dog come from? New tree of breeds may hold the answer. 2017. http://www.sciencemag.org/news/2017/04/where-did-your-dog-come-new-tree-breeds-may-hold-answer. Acesso em: 01 jul. 2018.

PORTAL. Site institucional da Prefeitura Municipal de Curitiba. http://www.curitiba.pr.gov.br

/busca/?por=animais&filtro=4. Acesso em: 07 mar. 2018.

PNDR. Site institucional da Política Nacional de Desenvolvimento Regional. 2020. https://www.mdr.gov.br/

desenvolvimento-regional-e-urbano/politica-nacional-de-desenvolvimento-regional. Acesso em: 2 abr. 2018.

REDE. Site institucional da Rede de Proteção Animal. Disponível em: http://www.

protecaoanimal.curitiba.pr.gov.br/Consulta/PesquisaSIC.aspx. Acesso em: 01 fev. 2018.

RDPAC. Rede de Defesa e Proteção Animal da Cidade de Curitiba. Resumo executivo do projeto rede de defesa e proteção animal da cidade de Curitiba. 2009.

REZENDE, D. A. Planejamento de estratégias e informações municipais para cidade digital: guia para projetos em prefeituras e organizações públicas. São Paulo: Atlas, 2012.

REZENDE, D. A. Planejamento estratégico público ou privado: guia para projetos em organizações de governo ou de negócios. São Paulo: Atlas, 2011.

REZENDE, D. A.; CASTOR, B. V. J. Planejamento estratégico municipal: empreendedorismo participativo nas cidades, prefeituras e organizações públicas. 2. ed. Rio de Janeiro: Brasport, 2006.

REZENDE, D. A.; GUAGLIARDI, J. A. Sistemas de Informação e de Conhecimentos para contribuir na gestão municipal. Revista Produto & Produção, v. 8, n. 3, p. 45-61, 2005.

SANT’ANNA, A.; OLIVEIRA, G. B. Os atores locais como promotores de Desenvolvimento Territorial Endógeno. Colóquio (Faccat), v. 16, n. 3, 2019.

SAMPIERI, R. H.; COLLADO, C. F.; LUCIO, M. del P. B. Metodologia da pesquisa. 5. ed. São Paulo: Penso, 2013.

SOUZA, A. Direitos dos animais domésticos: análise comparativa dos estatutos de proteção. Rev. Direito Econ. Socioambiental, Curitiba, v. 5, n. 1, p. 110-132, 2014.

WANG, G. D. et al. Out of southern East Asia: the natural history of domestic dogs across the world. Cell Research, 26, p. 21-33, 2015.

WSPA. Site institucional World Animal Protection. https://www.worldanimalprotection.org. Acesso em: 10 mar. 2018.

WHO. Site institucional World Health Organization. Guidelines for the Dog Population Management. Geneva: WHO/WSPA. 1992.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. Bookman: Porto Alegre. 2015.




DOI: https://doi.org/10.26767/coloquio.v18i1.1890

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.