Meio ambiente e desenvolvimento: uma perspectiva de valoração ambiental de resíduos sólidos em uma iniciativa de economia solidária

Vinicius de Camargo Machado, Silvio Cesar Arend

Resumo


A preocupação com o meio ambiente toma proporções em nível mundial, uma vez que embora haja consenso de que é preciso existir ações coletivas de maior prudência na utilização dos recursos naturais, tanto no presente como para as gerações futuras, não há uma percepção de comportamento que sustente essa necessidade, pelo menos de forma empírica. Dessa forma o objetivo desse estudo tratou de estabelecer a relação entre a teoria de alguns métodos e técnicas de valoração ambiental. O artigo está organizado em seis subseções: aspectos teóricos do desenvolvimento sustentável; valoração ambiental perspectiva metodológica; método de valoração econômica e ambiental; o case e as considerações finais. Utilizou-se de um caso real a fim de verificar a conexão entre a teoria e a prática, sendo oportuno destacar que ao final do estudo foi possível apontar algumas considerações conclusivas tais como a inviabilidade da implantação de aterro sanitário para um contexto de um Município com capacidade geradora de resíduos sólidos de pouco mais de 52 toneladas/dia. Iniciativa de inclusão social e potencializadora de trabalho e renda, via inclusão de indivíduos vulneráveis, mesmo em pequena escala, mostrou-se significativa, econômica e financeiramente, quando comparada à alternativa de implantação de aterros, com resultados substanciais tanto monetariamente como em relação ao volume de resíduos sólidos retirados do meio ambiente: 175 toneladas em 17 meses de projeto, com baixo investimento pela Prefeitura Municipal que financia o projeto gerenciado pela instituição proponente. A projeção dos resíduos sólidos retirados chega à estimativa de 2,4 milhões de toneladas em 20 anos.

Texto completo:

PDF

Referências


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EMPRESAS DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS. Estudo sobre os Aspectos Econômicos e Financeiros da implantação e Operação de Aterros Sanitários – elaborado pela Fundação Getúlio Vargas. 2007. Disponível em: . Acesso em: 25 maio. 2019.

BANCO CENTRAL DO BRASIL. Taxa Selic. Disponível em: < https://www.bcb.gov.br/controleinflacao/taxaselic >. Acesso em: 25 maio. 2019.

BRASIL SABIDO. População das cidades brasileiras. Disponível em: . Acesso em 25 maio.2019.

BURSZTYN, Marcel. BURSZTYN, Maria A. Fundamentos de política e gestão ambiental: os caminhos do desenvolvimento sustentável. Ed. Rio de Janeiro: Garamond, 2012.

DIAS, Reinaldo. Gestão ambiental: responsabilidade social e sustentabilidade. 2. Ed. São Paulo: Atlas, 2011.

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS. Índice de Custo da Construção. Disponível em: < https://portalibre.fgv.br/revista-conjuntura-economica/estatisticas-e-indices/ >.Acesso em: 25 maio. 2019.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTIVA. Censo demográfico 2010. Disponível em: . Acesso em: 25 maio 2019.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Impacto das embalagens no meio ambiente. Disponível em : . Acesso em: 25 maio. 2019.

MOTA, José Aroudo; BURSZTYN, Marcel; CÂNDIDO Jr., José e ORTIZ, Ramon. A valoração da biodiversidade: conceitos e concepções metodológicas. In: MAY, P. Economia do Meio

Ambiente: teoria e prática. 2º Ed. SP: Campus/Elsevier, cap. 12, p. 265 – 287, 2010.

ORTIZ, Ramon Arigoni. Economia ou Economia Política da Sustentabilidade. In: MAY, P.H; LUSTOSA, M.C; VINHA, V.D. Economia do Meio Ambiente: teoria e prática. Ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003. Cap.3, p.81-100.

PORTAL BRASIL. Índice Nacional de Custo da Construção do Mercado. Disponível em: . Acesso em: 25 maio. 2019.

ROMEIRO, Ademar Ribeiro. Economia ou Economia Política da Sustentabilidade. In: MAY, P.H; LUSTOSA, M.C; VINHA, V.D. Economia do Meio Ambiente: teoria e prática. Ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003. Cap.1, p.1-30.




DOI: https://doi.org/10.26767/coloquio.v18i1.1889

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.