O papel do Setor Público na promoção de Inovações: uma análise da estrutura do Sistema Regional de Inovação do Rio Grande do Sul

Samuel Martim de Conto, José Antônio Valle Antunes Jr, Gabriel Machado Braido

Resumo


A formação histórica da economia do Rio Grande do Sul está alicerçada na produção primária em geral, com predomínio das pequenas propriedades rurais. Atualmente, a característica do setor industrial gaúcho é distinta da maior parte dos demais Estados do país, como por exemplo, São Paulo. Dessa forma, com o constante aumento da competitividade e tendo no RS o predomínio de micro, pequenas e médias empresas de capital nacional, faz-se necessário compreender as estruturas de apoio no desenvolvimento e introdução de inovações nas empresas. Objetivando analisar como as empresas gaúchas se relacionam com o sistema regional de inovação realizou-se uma pesquisa quantitativa e descritiva, na qual os dados foram coletados por meio da aplicação de um questionário junto à 83 empresas da indústria de transformação, localizadas nas cinco maiores regiões do RS em número de estabelecimentos industriais, a saber: Metropolitano Delta do Jacuí, Paranhana – Encosta da Serra, Serra, Vale do Rio dos Sinos e Vale do Taquari. Os resultados gerais apontaram que o relacionamento das empresas industriais participantes da pesquisa com o Sistema Regional de Inovação ocorreu principalmente com o ator Universidades, particularmente as regionais, que tem um amplo conhecimento das necessidades e demandas da região onde atuam. Quanto à interação com o ator ‘Setor público’, foi constatado que ocorrem principalmente via financiamentos de agências e bancos públicos do RS.

Texto completo:

PDF

Referências


AAKER, D. A.; KUMAR, V.; DAY, G. S. Pesquisa de marketing. São Paulo: Atlas, 2001.

AGREST, A.; FUNLAY, B. Métodos estatísticos para as Ciências Sociais. Trad. Lori Viali. 4ª ed. Porto Alegre: Penso, 2012.

ALBUQUERQUE, E. M. Sistema Nacional de Inovação no Brasil: uma análise introdutória a partir de dados disponíveis sobre a ciência e a tecnologia. Revista de Economia Política, v. 16, n. 3 (63), julho-setembro, 1996.

ALLISON, J.; EVERSOLE, R. A new direction for regional university campuses: catalyzing innovation in place. Innovation: The European Journal of Social Sciences, v. 21, n. 2, p. 95-109, 2008.

BROEKEL, T.; BRENNER, T. Regional factors and innovativeness: an empirical analysis of four German industries. Annals of Regional Science, v. 47, n. 1, p. 169-194, 2011.

CASALI, G. F. R.; SILVA, O. M.; CARVALHO, F. M. A. Sistema Regional de Inovação: estudo das regiões brasileiras. Revista Economia Contemporânea, Rio de Janeiro, v. 14, n. 3, p. 515-550, set./dez. 2010.

COOKE, P.; URANGA, M. G.; ETXEBARRIA, G. Regional innovation systems: Institutional and organisational dimensions. Research Policy, n. 26, p. 475-491, 1997.

COOPER, D. R.; SCHINDLER, P. S. Métodos de pesquisa em administração, 7ª ed. Porto Alegre: Bookman, 2003, 640p.

CORNETT, A. P. Aims and strategies in regional innovation and growth policy: A Danish perspective. Entrepreneurship & Regional Development, v. 21, n. 4, p. 399-420, 2009.

COSTA, A. B. O desenvolvimento econômico na visão de Joseph Schumpeter. Cadernos IHU Idéias. Ano 4, nº47, 2006.

DELLADETSIMA, P.-M. A. Planning for knowledge infrastructure and capacity building in a distinct insular regional context (Cyclades-Southern Aegean): the role of higher education institutions' research actions. Innovation: The European Journal of Social Sciences, v. 24, n. 1/2, p. 107-131, 2011.

DOLOREUX, D.; DIONNE, S. Is regional innovation system development possible in peripheral regions? Some evidence from the case of La Pocatière, Canada. Entrepreneurship & Regional Development, v. 20, n. 3, p. 259-283, 2008.

ETZKOWITZ, H.; LEYDESDORFF, L. The dynamics of innovation: from National Systems and “Mode 2” to a Triple Helix of university - industry - government relations. Research Policy, n. 29, p. 109-123, 2000.

FIELD, A. Discovering statistics using IBM SPSS statistics. Sage, 2013.

FLORESA, M.; BOËRB, C.; HUBERC, C.; PLÜSS, A.; SCHOCHC, R.; POULYDET, M. Universities as key enablers to develop new collaborative environments for innovation: successful experiences from Switzerland and India. International Journal of Production Research, v. 47, n. 17, p. 4935-4953, 2009.

FREEMAN, C. The National System of Innovation in historical perspective. Cambridge Journal of Economics, p. 5-24, 1995.

FREITAS, H.; OLIVEIRA, M.; SACCOL, A.Z.; MOSCAROLA, J. O método de pesquisa survey. Revista de Administração. São Paulo, v. 35, p. 105-112, julho-setembro 2000.

FRITSCH, M.; SLAVTCHEV, V. How does industry specialization affect the efficiency of regional innovation systems? Annals of Regional Science, v. 45, n. 1, p. 87-108, 2010.

GAUSDAL, A. H. Developing regional communities of practice by network reflection: the case of the Norwegian electronics industry. Entrepreneurship & Regional Development, v. 20, n. 3, p. 209-235, 2008.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

_______. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

GUNNARSSON, J.; WALLIN, T. An evolutionary approach to regional systems of innovation. Journal of Evolutionary Economics, v. 21, n. 2, p. 321-340, 2011.

HERRLEIN Jr., R. A transição capitalista no Rio Grande do Sul, 1889-1930: uma nova interpretação. Economia e Sociedade, Campinas, v. 13, n. 1, p. 175-207, jan./jun. 2004.

HITT, M. A.; IRELAND, D. R.; HOSKISSON, R. B. Administração Estratégica: competitividade e globalização. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2002.

HORN, C. H.; PELLEGRIN, I. D.; ANTUNES JÚNIOR, J. A. V.; VAZ, I. E. Bases conceituais da política industrial do Rio Grande do Sul. In: Remando contra a maré: política industrial e desenvolvimento econômico no Rio Grande do Sul (2011-2014). Org. José Antônio Valle Antunes Júnior et al. Porto Alegre: Bookman, 2017.

IBATA-ARENS, K. The Kyoto Model of Innovation and Entrepreneurship: Regional Innovation Systems and Cluster Culture. Prometheus, v. 26, n. 1, p. 89-109, 2008.

INEP – Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Anísio Teixeira. Sinopse Estatística da Educação Superior 2015. Brasília: Inep, 2016. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/web/guest/sinopses-estatisticas-da-educacao-superior . Acesso em: 01 de maio de 2019.

KARLSEN, J.; ISAKSEN, A.; SPILLING, O. R. The challenge of constructing regional advantages in peripheral areas: The case of marine biotechnology in Tromsø, Norway. Entrepreneurship & Regional Development, v. 23, n. 3/4, p. 235-257, 2011.

KAUFFELD-MONZ, M. Knowledge Spillovers Within Regional Networks of Innovation and the Contribution Made by Public Research. ICFAI Journal of Knowledge Management, v. 7, n. 3/4, p. 41-63, 2009.

KIM, H.-Y.; JUNG, C. M. Does a Technology Incubator Work in the Regional Economy? Evidence from South Korea. Journal of Urban Planning & Development, v. 136, n. 3, p. 273-284, 2010.

LASTRES, H. M. M.; CASSIOLATO, J. E.; LEMOS, C.; MALDONADO, J.; VARGAS, M. A. In: CASSIOLATO, J. E.; LASTRES, H. M. M. Globalização e inovação localizada: experiências de sistemas locais no Mercosul. Cap. 1: Globalização e inovação localizada. Brasília: IBICT/MCT, 800 p. 1999.

MALHOTRA, N. K. Pesquisa de marketing. 3.ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.

MANUAL DE OSLO: Proposta de Diretrizes para Coleta e Interpretação de Dados sobre Inovação Tecnológica. Traduzido em 2004 sob a responsabilidade da FINEP — Financiadora de Estudos e Projetos. Documento disponível em: www.finep.gov.br/imprensa/sala_imprensa/oslo2.pdf.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Metodologia do trabalho científico: procedimentos básicos, pesquisa bibliográfica, projeto e relatório, publicações e trabalhos científicos. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2001.

MCTI – Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Estudo de Projetos de Alta Complexidade: indicadores de parques tecnológicos / Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico. Brasília: CDT/UnB, 2014. 100f.

PAIVA, E. L.; CARVALHO JR., J. M.; FENSTERSEIFER, J. E. Estratégia de produção e operações. Porto Alegre: Bookman, 2004.

PESTANA, M. H.; GAGEIRO, J. N. Análise de Dados para Ciências Sociais. A complementaridade do SPSS, 5ª edição revista e corrigida. Lisboa, Edições Sílabo, p. 527-528, 2008.

PINTEC. Pesquisa de Inovação. Disponível em: http://www.pintec.ibge.gov.br/. Acesso em: 14 de novembro de 2018.

PUFFAL, D. P. Os determinantes da interação universidade-empresa e o desenvolvimento tecnológico das empresas. 172 f. Tese (doutorado) -- Universidade do Vale do Rio dos Sinos. Programa de Pós-Graduação em Administração, São Leopoldo, RS, 2011.

ROESCH, S.M. A. Projetos de estágio e pesquisa em administração: guia para estágios, trabalhos de conclusão, dissertações e estudos de casos. São Paulo: Atlas, 2005.

SCHUMPETER, J. A. Capitalism, Socialism, and Democracy. New York: Harper and Brothers Publishers, 1942.

SEBRAE - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. Sobrevivência das Empresas no Brasil. Sebrae, 68p, 2016.

SKINNER, W. Manufacturing-missing link in corporate strategy. Harvand Business Review, p.136-145, may/jun.1969.

TARGA, L. R. P. Negações da identidade do Rio Grande do Sul. Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 24, n. 2, p. 299-322, 2003.

UYARRA, E. What is evolutionary about ‘regional systems of innovation’? Implications for regional policy. Journal of Evolutionary Economics, v. 20, n. 1, p. 115-137, 2010.

VARGAS, M. A.; SANTOS FILHO, R.; ALIEVI, R. M.. In: CASSIOLATO, J. E.; LASTRES, H. M. M. Globalização e inovação localizada: experiências de sistemas locais no Mercosul. Cap. 12: Sistema gaúcho de inovação: avaliação de arranjos locais selecionados. Brasília: IBICT/MCT,800 p., 1999.

VON BERTALANFFY, L. Théorie Générale des Systèmes. Paris: Dunod, 1973.

WHEELWRIGHT, S.; HAYES, R. Competing through manufacturing. Harvard Business Review, jan./feb, p. 99-111, 1985.

ZAWISLAK, P. A. A relação entre conhecimento e desenvolvimento: essência do progresso técnico. Análise. Porto Alegre, v. 6, nº 1, p. 125-149, 1995.




DOI: https://doi.org/10.26767/coloquio.v17i3.1753

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.