Motivos para cooperar: uma análise das empresas de TI do Vale do Rio Pardo

Pietro Cunha Dolci, Ingridi Vargas Bortolaso, Rejane Maria Alievi, Anelise Rebelato Mozzato, Denize Grzybovs

Resumo


O objetivo desse estudo foi analisar os motivos que levam as empresas integrantes de uma aglomeração produtiva em TI a cooperarem, em uma região do Rio Grande do Sul não tradicional nessa indústria. Para alcançá-lo, foi realizada uma pesquisa qualitativa de caráter exploratório e de natureza descritiva com o APL de TI da Região do Vale do Rio Pardo. Das 26 empresas, sete, de diferentes características e perfis, aceitaram participar do estudo devido a sua representatividade no mercado regional. A escolha do setor de TI se deve ao fato de que essas empresas podem contribuir para ampliar a competitividade, inovação e a produtividade do setor e da indústria de transformação em geral, ao fornecer serviços e produtos intensivos em tecnologia e capital humano. Dessa forma, a partir das análises das informações coletadas, pode-se identificar que os motivos das empresas do APL cooperarem foram para ter acesso a cursos, viagens, eventos, novas ferramentas, treinamentos e recursos, que de maneira individual não teriam formas de viabilizar. Enfim, oportunidades de novos negócios, parcerias para melhorar produtos e serviços, e projetos colaborativos ajudam as empresas a fazerem parte de redes e atuarem em conjunto.

Texto completo:

PDF

Referências


AMATO NETO, J. A. Redes de cooperação produtiva e clusters regionais: oportunidades para as pequenas e médias empresas. São Paulo: Atlas, 2000.

AMORIM, M, A.; MOREIRA, M.V.C; IPIRANGÁ, A.S.R. A construção de uma metodologia de atuação nos arranjos produtivos locais (APLs) no Estado do Ceará: um enfoque na formação e fortalecimento do capital social e governança. Interações: Revista Internacional de Desenvolvimento Local, Campo Grande, v. 4, n. 9, p.25-34, set. 2004.

BALESTRIN, A.; VERSCHOORE, J. Redes de cooperação empresarial: estratégias de gestão na nova economia. Porto Alegre: Bookman, 2008.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BRANDENBURGER, A. M.; NALEBUFF, B. J. Co-opetition. Harvard Business School Press, Boston, MA, 1996.

BRITTO, J.; STALLIVIERI, F. Inovação, cooperação e aprendizado no setor de software no Brasil: análise exploratória baseada no conceito de Arranjos Produtivos Locais (APLs). Economia e Sociedade, Campinas - SP, v. 19, n. 2 (39), p. 315 - 358, ago 2010.

BUARQUE, S. C. Construindo o desenvolvimento local sustentável: metodologia de planejamento. Rio de Janeiro: Garamond, 2006.

CROPPER, S.; EBERS, M.; HUXHAM, C. (Eds.). The Oxford Handbook of Interorganizational Relation. Oxford: University Press, 2008.

DIAS, C. N. Arranjos produtivos locais (APLs) como estratégia de desenvolvimento. Desenvolvimento em Questão, Ijuí. v. 9, n. 17, p. 93-122, 2011.

DYER, J. H.; SINGH, H. The relational view: cooperative strategy and sources of interorganizational competitive advantage. The Academy of Management Review, v. 23, n. 4, p.660-679, 1998.

EBERS, M.; JARILLO, C. The construction, forms, and consequences of industry networks. International Studies of Management & Organization, v.27, p.3-21, 1998.

ESTIVALETE, V. F. B.; PEDROZO, E.; BEGNIS, H. Em busca da ação coletiva: estratégias de aprendizagem interorganizacional adotadas pelas organizações que estabelecem relacionamentos horizontais em redes. Revista de Administração e Contabilidade da Unisinos – Base, v. 5, n. 3, p. 224-235, 2008.

FERREIRA, R. H. M.; MELLO, N. A.; PERONDI, M. A.; SANTOS, G. D. Arranjo Produtivo Local – APL de Tecnologia de Informação – TI no Sudoeste do Paraná: mudanças paradigmáticas da inovação à dimensão social. Redes Santa Cruz Sul, online, v. 20, n. 3, p. 241-254, set/dez 2015.

FROZZA, M. S.; TATSCH, A. L. Inovação, cooperação e aprendizagem nas empresas produtoras de biodiesel no Rio Grande do Sul. Ensaios FEE, v. 33, Número Especial, p. 887-908, 2013.

GALINDO, A. G.; CÂMARA, S. F.; LOPES JÚNIOR, E. P.. Identificação dos desafios do arranjo produtivo local de tecnologia da informação de Fortaleza - CE. Organizações & Sociedade, [S. l.], v. 18, n. 57, p. 265-283, 2011.

GIBB, J.; SUNE, A.; ALBERS, S. Network learning: episodes of interorganizational learning towards a collective performance goal. European Management Journal, v. 35, n. 1, p. 15–25, 2017.

GRAY, David E. Pesquisa no mundo real. 2 ed. Porto Alegre: Penso, 2012.

Guia Socioeconômico do Vale do Rio Pardo e Centro-Serra, 2018. http://www.gaz.com.br/arquivos_biblioteca/2018/07/04/GUIA_2018_1928918d86a708dd24cb7c977ff84ec7.pdf

HIBBERT, P.; HUXHAM, C.; SYDOW, J.; LERCH, F. Barriers to process learning: Authority and anomie in regional clusters. Management Learning, v. 41, n.4, p.453-471, 2010.

HUMAN, S. E; PROVAN, K. G. An emergent theory of structure and autcomes in small-firm strategic manufacturing networks. Academy of Management Journal, v.40, n.2, p.368-403, 1997.

IPARDES. Arranjo produtivo local de software de Londrina: estudo de caso. Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social, Secretaria de Estado do Planejamento e Coordenação Geral, Universidade Estadual de Londrina. – Curitiba : IPARDES, 2006, 74p.

INSTITUTO EUVALDO LODI. Núcleo Central. Estudo de sistema produtivo tecnologias de informação e comunicação. Instituto Euvaldo Lodi, Paulo Bastos Tigre, Emanoel Querette, Alessandro Pinheiro, Sérgio Bampi. -- Brasília: IEL/NC, 2018, 138 p.

JORDE, T. M.; TEECE, D. J. Competition and cooperation: striking the right balance. Business & Public Policy, spring 1989.

LARSSON, R.; BENGTSSON, L.; HENRIKSSON, K.; SPARKS, J. The Interorganizational Learning Dilemma: Collective Knowledge Development in Strategic Alliances. Organization Science v.9, n.3, p. 285-305, 1998.

LASTRES Helena Maria Martins; CASSIOLATO, José Eduardo. Glossário de arranjos e sistemas produtivos e inovativos locais. 2003. Disponível em: . Acesso em: 29 nov. 2019.

LASTRES, H. M. M.; CASSIOLATO, J. E (Orgs). Glossário de arranjos produtivos locais: Projeto Políticas Promoção de Arranjos Produtivos Locais de MPME. Rio de Janeiro: UFRJ/IE/RedeSist, 2003.

LEÃO, A. L. M. S.; GAIÃO, B. F. S.; SOUZA, I. L.; MELLO, S. C. B. O Habitus de uma Rede em Expansão: as disposições do arranjo vitivinícola do Vale do São Francisco. Rev. bras. gest. neg. São Paulo, v. 15, n. 46, p. 39-55, mar. 2013.

LIU, R. Management learning in business networks: The process and the effects. Management Learning, v. 46, n. 3, p. 337-360, 2015. DOI: 10.1177/1350507614537019

LUNARDI, G. L.; DOLCI, P. C.; MAÇADA, A. C. G. Adoção de Tecnologia de Informação (TI) e seu Impacto no Desempenho Organizacional: Um Estudo realizado com Micro e Pequenas Empresas. RAUSP. Revista de Administração, São Paulo, v. 45, n. 1, p. 05-17, jan./fev./mar., 2010.

MARCHIORI, D.; FRANCO, M. Knowledge transfer in the context of inter-organizational networks: Foundations and intellectual structures. Journal of Innovation & Knowledge [no prelo] 2019.

MELLO, C. H. P.; PAIVA, A. P. ; OLIVEIRA, G. S. ; CARVALHO, L. A. ; SILVA, M. C. D. V. ; CARMELOSSI, M. S. ; REZENDE, N. A. ; ROCHA, G. V. ; SOUZA, C. S. ; TOLEDO, C. P. ; BORDON, J. S.. Diagnóstico e caracterização de arranjo produtivo local (APL) de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC). 2014. (Relatório de pesquisa).

MINAYO, Maria Cecília de Souza (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Vozes. Petrópolis, 2002.

MOZZATO, A. R.; BITENCOURT, C. C. Understanding interorganizational learning based on social spaces and learning episodes. Brazilian Administration Review, v. 11, n. 3, p. 284-301, 2014.

MOZZATO, A. R.; BITENCOURT, C. C. The process of interorganizational learning in the context of spatial agglomeration. International Journal of Innovation and Learning, v. 24, n. 2, p. 176 -199, 2018.

MUTHUSAMY S. K.; WHITE, M. A. Learning and knowledge transfer in strategic alliances: a social exchange view. Organization Studies, v.26, n.3, p. 415-441, 2005.

NGUYEN, T. H.; NEWBY, M. e MACAULAY, M. J. Information Technology Adoption in Small Business: Confirmation of a Proposed Framework. Journal of Small Business Management 2015 53(1), pp. 207–227

OLIVEIRA, M. F.; MARTINELLI, D. P. Negociação, cooperação e desenvolvimento local sob uma perspectiva sistêmica um estudo de caso no Arranjo Produtivo Local de Fruticultura de Jaíba-MG. Desenvolvimento em Questão, v. 12, n. 28, p. 193-223, 2014.

PALVIA, P.; PALVIA, S. An examination of the IT satisfaction of small business users. Information & Management, Netherlands, v.5, n.35, p.127-137, Mar. 1999.

SANTOS, Aysa Eliude Aguiar dos; CÂNDIDO, Gesinaldo Ataíde. Estruturas de governança em arranjos produtivos locais: uma aplicação no arranjo calçadista no município de Campina Grande-PB. Encontro da ANPAD, 37, 2013, Rio de Janeiro, RJ. Anais... Rio de Janeiro, RJ, 2013. p. 1-16.

SCHMITZ, H. Collective efficiency: growth path for small-scale industry. The journal of development studies, v. 31, n.4, 1995.

SAUAIA, A. C. A.; KALLAS, D. O dilema cooperação-competição em mercados concorrenciais: o conflito do oligopólio tratado em um jogo de empresas. Rev. adm. contemp. Curitiba, v. 11, n. spe1, p. 77-101, 2007.

SCHUMPETER, J. Teoria do desenvolvimento econômico. São Paulo: Abril Cultural, 1982.

SOUZA, G. H. S. et al. A influência das redes de cooperação no desenvolvimento de micro e pequenas empresas (MPES). Desenvolvimento em Questão, Ijuí, n. 31, p. 259-294, 2015.

SYDOW, J. Management von Netzwerkorganisationen: Zum Stand der Forschung. In: Sydow, J. (Ed.). Management von Netzwerkorganisationen. Gabler: Wiesbaden, 2006. p.387–472.

TAHIM, E. F.; ARAÚJO JUNIOR, I. F. Mecanismos de aprendizagem, cooperação e inovação em aglomerações produtivas: o caso da indústria de móveis de Marco. Ensaios FEE, v. 36, n. 3, p. 541-568, 2015.

TENÓRIO, F. G. (Org). Cidadania e Desenvolvimento Local. Ijuí: Unijuí, 2007.

TISOTT, P. B.; TOMIELO, T.; KROTH, D. F.; OLEA, P. M.; BORELLI, V. A.; NESPOLO, D. O arranjo produtivo local - Tecnologia da Informação da Serra Gaúcha como um sistema de inovação. R. Intelig. Compet., São Paulo, v. 6, n. 6, p. 25-47, jan./mar. 2016.

VERSCHOORE FILHO, J. R. S.; KLANOVICZ, C.; DURAYSKI, J.; VIEIRA, l. Como a gestão das redes estratégicas regionais afeta os ganhos proporcionados às pequenas empresas associadas. Gestão & Regionalidade, v. 32, n. 94, p. 131-146, 2016.

VERSCHOORE FILHO, J. R. S.; WEGNER, D.; BALESTRIN, B. The evolution of collaborative practices in small-firm networks: a qualitative analysis of four Brazilian cases. International Journal of Management Practice, v. 8, n. 2, 2015.

VIZEU, F.; GUARIDO FILHO, E. R.; GOMES, M. A. Para além do olhar econômico nas alianças estratégicas: implicações sociológicas do caso Unihotéis. Revista de Administração Mackenzie – RAM, v. 14, n. 3, p. 15- 43, 2013.

WEGNER, D.; BEGNIS, H. S. M.; ALIEVI, R. M.; MAEHLER, A. E. The dynamics of cooperation: proposal of a life cycle model of small-firm networks. Gestão & Regionalidade, v. 32, n. 94, p. 118-130, 2016.

WEGNER, D.; DURAYSKI, J.; VERSCHOORE, J. R. Governança e eficácia de redes interorganizacionais: Comparação entre iniciativas brasileiras de redes de cooperação. Desenvolvimento em Questão, v. 15, n. 41, p. 275-302, 2017.

WEGNER, D.; ZARPELON, M. F.; VERSCHOORE, J. R.; BALESTRIN, A. Management practices of small-firm networks and the performance of member firms. Business: Theory and Practice, v. 18, p. 197, 2017.

YIN, R. K. Estudo de Caso: planejamento e métodos. 5.ed. Porto Alegre: Bookman, 2015.

ZACCARELLI, S. B.; TELLES, R.; SIQUEIRA, J. P. L.; BOAVENTURA, J. M. G.; DONAIRE, D. Clusters e redes de negócios: uma nova visão para a gestão dos negócios. São Paulo: Atlas, 2008.




DOI: https://doi.org/10.26767/coloquio.v17i3.1751

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.