A produção de alimentos para autoconsumo na região Oeste Catarinense

Rosana Maria Badalotti, Clóvis Dorigon, Cristiano Nunes Nesi, Cristiane Tonezer, Juliano Luiz Fossá, Luiz Gustavo S. Cortelini

Resumo


Este artigo é resultado do diálogo entre duas pesquisas de naturezas metodológicas diferentes realizadas na região Oeste Catarinense sobre a produção de alimentos para autoconsumo. Dada a crescente relevância socioeconômica e acadêmica do tema, instituições e pesquisadores da região tem realizado parcerias para obter conhecimentos e informações básicas a respeito da temática. O objetivo deste texto é analisar a importância socioeconômica da produção de alimentos para o autoconsumo na região Oeste Catarinense. Este estudo se caracteriza como qualitativo, com análise de dados quantitativos acerca do autoconsumo. A importância que este tipo de produção possui para o ethos cultural e reprodução social da agricultura familiar se revela em dados e informações relacionados à segurança alimentar, gênero e biodiversidade doméstica. A produção de alimentos para o autoconsumo identificada se caracteriza como parte da produção animal, vegetal e transformação caseira produzida pela família e consumida por esta, incluindo-se também a produção de plantas medicinais. Segundo a percepção dos agricultores, somados os valores médios que estimam economizar com a produção para o autoconsumo, se tivessem que comprar os alimentos, obteve-se o valor de R$ 1.227,72 mensais. Não ocorre diferenciação entre o que se consome e o que se comercializa em cadeias curtas, a exemplo da batata-doce, mandioca, amendoim, pipoca, milho verde, feijão. A transferência ou doação de alimentos se estende para os filhos casados que residem na mesma área de terra dos pais, em outras unidades do meio rural, filhos casados e solteiros que residem no meio urbano, parentes e vizinhos.

Texto completo:

PDF

Referências


BOURDIEU, Pierre. Esquisse d’une théorie de la pratique; précedé de trois études d’ethnologie kabyle. Paris: Seuil, 1972.

CHAYANOV, Alexander. La organizacion de la unidad econômica campesina. Buenos Aires: Editora Nueva Vision, 1974.

DIGARD, J-P. A biodiversidade doméstica. Porto Alegre: Anuário Antropológico, II, 2012. p. 205-223.

DORIGON, C. Mercados de produtos coloniais da Região Oeste de Santa Catarina: em construção. 2008, 437 f. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) – Programa de Engenharia de Produção – Coordenação dos Programas de Pós-Graduação de Engenharia - COPPE, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008.

DORIGON, C.; RENK, A. Técnicas e métodos tradicionais de processamento de produtos coloniais: de “miudezas de colonos pobres” aos mercados de qualidade diferenciada. In: Revista de Economia Agrícola. São Paulo: Instituto de Economia Agrícola. v. 58, n. 1, p. 101-113, jan./jun. 2011. p. 101-113.

DORIGON, C.; RENK, A; SILVA, C. A. Produtos coloniais como narrativas de comida e migração no oeste catarinense. In: 28ª Reunião Brasileira de Antropologia, 2012, São Paulo. Desafios Antropológicos Contemporâneos. São Paulo: ABA, 2012. p. 1-21

DORIGON, C.; RENK, A.; SILVESTRO, M. L.; SILVA, C. A.; SAVIO, J. Produtos coloniais: tradição e mudança. Chapecó: Argos, 2015. 432 p.

DORIGON, C.; RENK, A. Juventude e as transformações no mundo rural: um estudo de caso do oeste catarinense. In: XVII Congresso Brasileiro de Sociologia, 2015, Porto Alegre. Anais... XVII Congresso Brasileiro de Sociologia. Porto Alegre: SBS, 2015. p. 1-20.

DORIGON, C; NESI, C. N; TONEZER, C; HAAG, A. L; Agricultura familiar e produção de alimentos para o autoconsumo na região de Chapecó – Santa Catarina, Brasil. Anais.Trird Internacional Conference Agriculture and Food in an Urbanizing Society. Porto Alegre: UFRGS, 17 a 21 de setember 2018.

GAZOLLA, M. Agricultura familiar, segurança alimentar e políticas públicas: uma análise a partir da produção para o autoconsumo no território do Alto Uruguai/RS. 2004. 287 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Rural) – Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2004.

GRISA, C.; GAZOLLA, M.; SCHNEIDER, S. A “produção invisível” na agricultura familiar: autoconsumo, segurança alimentar e políticas públicas de desenvolvimento rural. Agroalimentaria, v. 16, n. 31, julio-diciembre 2010. P. 65-69

GRISA, C.; SCHNEIDER, S.; CONTERATO, M. A. A produção para autoconsumo no Brasil. Relatório de Pesquisa. Brasília: 2013. 42 p.

GUATAMBU. Estado de Santa Catarina. Disponível em:

HAVERROTH, Célio. Extensão Rural Pública: métodos, possibilidades e limites para a transição agroecológica no Oeste de Santa Catarina. 2012. Dissertação (Mestrado em Extensão Rural), Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, 2012.

IBGE, Município de Guatambu, Santa Catarina. Disponível em:

IBGE, Município de Guatambu, Santa Catarina. Disponível em:

MALUF, R. S. et. al. Cadernos de segurança alimentar. 2001. Disponível em: http://ideiasnamesa.unb.br/upload/bibliotecaIdeias/1391606568Caderno_Seguranca_Alimentar.pdf. Acesso em: 24 mai. 2018

MALUF, Renato S.. Mercados agroalimentares e a agricultura familiar no Brasil: agregação de valor, cadeias integradas e circuitos regionais. Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 25, n. 1, p. 299-322, abr. 2004.

MARCHESAN, J. ; BADALOTTI, R. M. Formação histórica, territorial e econômica da Mesorregião Oeste Catarinense: limites e possibilidades de constituição de Indicações Geográficas. In: Valdir Roque Dallabrida. (Org.). Indicação Geográfica e Desenvolvimento Territorial: reflexões sobre o tema e potencialidades no Estado de Santa Catarina. 1ed. São Paulo: LiberArs, 2015, v. 01, p. 213-240.

MENASCHE, R. (Org.) A agricultura familiar à mesa: saberes e práticas da alimentação no Vale do Taquari. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2007.

MENASCHE, R.; MARQUES, F. C.; ZANETTI, C. Autoconsumo e segurança alimentar: a agricultura familiar a partir dos saberes e práticas da alimentação. Revista de Nutrição, Campinas: 21 (suplemento) 145s-158s, jul/ago. 2008. p. 145-158.

ZANETTI, C.; MENASCHE, R.. Segurança alimentar, substantivo feminino: mulheres agricultoras e autoconsumo. In: MENASCHE, R. (Org.) A agricultura familiar à mesa: saberes e práticas da alimentação no Vale do Taquari. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2007.

MIOR, Luiz Carlos. Agricultores familiares, agroindústrias e redes de desenvolvimento rural. Chapecó: Argos, 2005.

NESI, C. N; DORIGON, C; BADALOTTI, R.M; PIEREZAN, S. A transferência de alimentos de a gricultores familiares para filhos que moram na cidade: Um estudo de caso do Oeste de Santa Catarina. Anais...IV Seminário Nacional de Planejamento e Desenvolvimento - IV SNPD/ Ruralidades - Urbanidades: Potencialidades e Desafios para o Desenvolvimento. Chapecó, 11 e 12 de abril de 2019. Disponível em: < http://snpd.ct.utfpr.edu.br/wp-content/uploads/2019/10/Cristiano-Nunes-Nesi.pdf >

PETRONE, Maria Thereza Schorer. O imigrante e a pequena propriedade. São Paulo: Brasiliense, 1982.




DOI: https://doi.org/10.26767/coloquio.v17i3.1747

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.