A FUNDAÇÃO EVANGÉLICA DE NOVO HAMBURGO E AS ATIVIDADES CÍVICAS MUNICIPAIS DE 1943: EDUCAÇÃO E ESTRATÉGIAS POLÍTICAS

Rodrigo Luis dos Santos

Resumo


Este artigo tem o objetivo de unir aspectos da História da Educação com o campo da História Política, tendo como objeto de análise a escola Fundação Evangélica, no município de Novo Hamburgo/RS, no contexto do Estado Novo, especialmente o ano de 1943. Naquele momento, o Brasil vivenciava um período ditatorial, com forte sentimento nacionalista e adoção de medidas repressivas, com um direcionamento bastante acentuado na área educacional. A Fundação Evangélica, um dos principais educandários evangélico-luteranos do Rio Grande do Sul, esteve sempre na mira das autoridades do Estado Novo, com a alegação de não cumprir com as medidas determinadas pela política de nacionalização. Entretanto, no ano de 1943, a adoção de um conjunto de estratégias por parte das lideranças da instituição permite uma mudança nesse panorama. Neste sentido, pretendemos fazer uma arrolamento e análise crítica destas ações, imbricando aspectos educacionais e políticos.

Texto completo:

PDF

Referências


ARENDT, Isabel Cristina. Educação, Religião e Identidade Étnica: o Allgemeine Lehrerzeintung e a escola evangélica alemã no Rio Grande do Sul. São Leopoldo: Oikos, 2008.

BOURDIEU, Pierre. O Poder Simbólico. Lisboa: Difel, 1989.

COUTROT, Aline. Religião e política. In: RÉMOND, René (org.). Por Uma História Política. Rio de Janeiro: UFRJ, FGV, 1996.

DREHER, Martin N. Igreja e Germanidade. São Leopoldo: Editora Sinodal, 1984.

DREHER, Martin N. O Estado Novo e a Igreja Evangélica Luterana. In: MÜLLER, Telmo Lauro. Nacionalização e Imigração Alemã. São Leopoldo: Ed. UNISINOS, 1994.

GERTZ, René E. O Estado Novo no Rio Grande do Sul. Passo Fundo: ed. Universidade de Passo Fundo, 2005.

GINZBURG, Carlo; CASTELNUOVO, Enrico; PONI, Carlo. A Micro-História e Outros Ensaios. Lisboa: Difel, 1991. (Memória e sociedade).

KANNENBERG, Hilmar. Fundação Evangélica, um Século a Serviço da Educação, 1886-1986. São Leopoldo: Rotermund, 1987.

KERBER, Alessander Mario. Wilhelm Pommer: memória e trajetória de um pastor imigrante no sul do Brasil. São Leopoldo: Oikos, 2008.

KONRATH, Gabriela Michel. O Município de Novo Hamburgo e a Campanha de Nacionalização do Estado Novo no Rio Grande do Sul. 2009. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em História) – Curso de História, Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS, Porto Alegre, RS, 2009.

KREUTZ, Lúcio. O Professor Paroquial: magistério e imigração alemã. Porto Alegre: Ed. da Universidade UFRGS/ Florianópolis: Ed. UFSC / Caxias do Sul: EDUCS, 1991.

MEYRER, Marlise Regina. Evangelisches Stift: uma escola para “moças das melhores famílias”. 1997. Dissertação (Mestrado em História) - Programa de Pós-Graduação em História, Universidade do Vale do Rio dos Sinos – UNISINOS, São Leopoldo, RS, 1997.

NEUMANN, Rosane Marcia. “Quem nasce no Brasil é brasileiro ou traidor”. As colônias germânicas e a campanha de Nacionalização.2003.Dissertação (Mestrado em História) - Programa de Pós-Graduação em História, Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS, São Leopoldo, RS, 2003.

PETRY, Andrea Helena. É o Brasil gigante, liberto do estrangeiro, uno, coeso e forte, é o Brasil do Brasileiro: Campanha de Nacionalização efetivada no Estado Novo. São Leopoldo, 2003. Dissertação (Mestrado em História) --Programa de Pós-Graduação em História, Universidade do Vale do Rio dos Sinos – UNISINOS, São Leopoldo, RS, 2003.

RÉMOND, René (org.). Por Uma História Política. Rio de Janeiro: UFRJ, FGV, 1996.

SANTOS, Rodrigo Luis dos. Tramas enlaçadas: política, religião e educação na religião e educação no Rio Grande Rio Grande do Sul da primeira metade do século XX. Porto Alegre: Editora Fi, 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.