A IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO NÃO-VIOLENTA NOS PROCESSOS PEDAGÓGICOS PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL

Claudia Natali Malagari, Edilaine Vieira Lopes, Gabriela Martins Schlesner

Resumo


O Desenvolvimento Regional ocorre através de diversos esforços, entre eles, a educação, caminho responsável pela melhoria da qualidade de vida da sociedade. E a partir de processos educativos assertivos, que valorizam a aprendizagem, a comunicação não-violenta se destaca pelo poder agregador e facilitador das relações interpessoais. Tem como propósito a doação e as conexões sinceras, verdadeiras, propondo a aprendizagem de uma nova forma de expressão e linguagem que valoriza a paz, a clareza e o cuidado, a própria comunicação não-violenta. O artigo pretende provocar o leitor às reflexões acerca de processos comunicativos, conduzindo-o por caminhos de conceitos comunicativos a processos metodológicos focados na promoção da não violência e a novas propostas para o enfrentamento de situações do cotidiano, principalmente, no ambiente escolar.

Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, Mikahil. Para uma filosofia do ato responsável. São Carlos: Pedro Editores, 1975.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Rio de Janeiro. Jorge Zahar Ed., 2001.

DELORS, Jacques. Educação: um tesouro a descobrir. São Paulo. Cortês Ed., 2018.

FERREIRA, A. B. H. Miniaurélio: o dicionário da língua portuguesa. 8. ed. Curitiba: Positivo, 2010.

FREIRE. Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

______. Pedagogia do Oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

MAFFESOLI, Michel. A comunicação sem fim (teoria pós-moderna da comunicação). Revista FAMECOS, Porto Alegre, n. 20, p. 13-20, abr. 2003. Disponível em: https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/revistafamecos/article/view/3198. Acesso em: 20 jul. 2021.

MALAGRI, Claudia Alba Natali; LOPES, Edilaine Vieira. V. Escola Violenta? Diálogo, Afetividade, Leitura e Escrita para a Cultura da Paz. Revista de Pastoral, Brasília, ano 4, n. 7, p. 39-52, 2019.

MARTINOT, Annegret F.; FLEDLER, Augusto José C. B. do Prado. importância da CNV - Comunicação não violenta na realização do processo de autoconhecimento. Revista Educação, Guarulhos, v. 11, n. 1, 2016. Disponível em: http://revistas.ung.br/index.php/educacao/article/view/2174. Acesso em: 14 jul. 2021.

MONTEIRO, Luana Silva et al. A importância da comunicação não violenta (CNV) nas organizações públicas. Revista Femass, Macaé, n. 2, p. 126-146, jul./dez 2020. Disponível em: https://revistafemass.org/index.php/femass/article/view/23/30. Acesso em: 15 jul. 2021.

PELIZZOLI, Marcelo L. Diálogo, mediação e cultura de paz. Recife: Editora da UFPE, 2012.

PIAGET, Jean. Relações entre a afetividade e a inteligência do desenvolvimento mental da criança. Tradução e organização: Cláudio J.P. Saltini e Doralice B. Cavenaghi. Rio de Janeiro: Wak, 2014.

ROSENBERG, Marshall B. Comunicação não-violenta: técnicas para aprimorar relacionamentos pessoais e profissionais. São Paulo: Ágora, 2006.

______. Vivendo a Comunicação Não Violenta. Rio de Janeiro: Sextante, 2019.

SEN, A. Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2010. E-book Kindle. Disponível em: https://www.gov.br/mdr/pt-br/assuntos/desenvolvimento-regional. Acesso em: 19 jul. 2021.

SILVA, Maria Julia Paes da. Comunicação tem remédio: a comunicação nas relações interpessoais em saúde. 2. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2003.

VIGOTSKI, Lev S. A formação social da mente. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.