Gestão da segurança no turismo de aventura no produto rafting: estudo de caso em uma agência de viagens receptiva no município de Três Coroas – Rio Grande do Sul

Daniela Eveline Stein, Beatriz Barreto Machado Athanásio

Resumo


O presente trabalho tem por finalidade analisar a gestão da segurança, observando a utilização dos equipamentos de proteção individual no turismo de aventura no produto rafting1 ofertado por uma agência de viagens receptiva situada no município de Três Coroas, no Rio Grande do Sul. Como forma de aprofundar o estudo, buscou-se identificar os equipamentos de proteção individual utilizados pela organização, observando a legislação vigente, verificar a gestão da organização com relação ao item segurança, visando à satisfação dos clientes, e averiguar a satisfação dos clientes com relação à segurança na prestação do serviço ofertado por parte da organização. Para melhor entendimento, procurou-se abordar temas relativos ao assunto como a conceituação de turismo, o segmento turismo de aventura, a segurança no turismo de aventura, equipamentos de proteção individual, organizações (agências de viagens receptivas e emissivas) e a satisfação do cliente. A pesquisa, quanto aos objetivos, é exploratória e descritiva e, quanto aos procedimentos técnicos, é estudo de caso e bibliográfica. A abordagem do problema é qualitativa e o método do trabalho é dedutivo. A pesquisa foi realizada através de dois questionários fechados e um questionário aberto para uma amostra não probabilística e mensurada por meio de planilha Excel e análise de conteúdo. Dessa forma, constata-se que a agência de viagens receptiva instrui seus colaboradores e os usuários do produto rafting na utilização dos equipamentos de proteção individual essenciais e necessários para a prática da modalidade citada, denotando a preocupação da organização em gerir, de forma adequada, o item segurança, o que se revela, de forma positiva, na satisfação de seus clientes.

Texto completo:

PDF

Referências


ABETA – RAFTING. Sobre a Atividade. Disponível em: . Acesso em: 14 jul. 2015.

ABNT - NORMAS BRASILEIRAS – TURISMO DE AVENTURA. Sistema de Gestão de Segurança - Requisitos. Disponível em: < http://www.serragaucha.com/upload/page_file/15331-sgs.pdf >. Acesso em: 30 mar. 2015.

ABNT – TURISMO DE AVENTURA- CONDUTORES DE RAFTING . Competências de Pessoal. Rio de Janeiro: Copyright, 2006.

ABREU, José Augusto Pinto de; TIMO, Gustavo Fraga: normalização e certificação em turismo de aventura no Brasil In UVINHA, Ricardo Ricci (org). Turismo de Aventura: Reflexões e Tendências. São Paulo: Aleph, 2005.

ASTORINO, Claudia. Agências e serviços receptivos In BRAGA, Debora Cordeiro (org). Agências de Viagens e Turismo: Práticas de mercado. São Paulo: Elsevier, 2007.

BRAGA, Debora Cordeiro. Discussão Conceitual e Tipologias das agências de turismo In BRAGA, Debora Cordeiro (org.). Agências de Viagens e Turismo: Práticas de mercado. São Paulo: Elsevier, 2007.

BRASIL. Lei nº 11.77, de 17 de setembro de 2008. Disponível em: Acesso em: 15 jun. 2015.

BRASIL. Ministério do Turismo: Gabinete do Ministro Portaria n° 27, de 30 de Janeiro de 2014. Disponível em: < http://www.turismo.gov.br/legislacao/?p=117> Acesso em: 20 jun. 2015.

______. Decreto nº 946, de 1° de outubro de 1993. Disponível em: . Acesso em: 10 abr. 2015.

______. Decreto nº 7.381, de 2 de dezembro de 2010. Disponível em: . Acesso em: 10 abr. 2015.

CARNEIRO, Murilo. Administração de Organizações: Teoria e lições práticas.São Paulo: Atlas, 2012.

COBRA, Marcos. Administração de Marketing no Brasil. 3. ed. 2009. Elsevier. Disponível em: < https://books.google.com.br/books?hl=pt-BR&lr=&id=lC6WmnOV4kC&oi=fnd&pg=PR17&dq=,+Marketing+Direto+no+Varejo.+S%C3%A3o+Paulo:+Makron+Books,+2001.&ots=Pvy63SN0i&sig=Ojq6jWvPb_RjOukbH01uy4jd5Rs#v=onepage&q&f=false>. Acesso em: 13 jun. 2015.

DETZEL, Denis H; DESATNICK, Robert L. Gerenciar Bem é Manter o Cliente. São Paulo: Pioneira, 1995.

DIAS, Reinaldo. Introdução ao Turismo. São Paulo: Atlas, 2013.

DICIONÁRIO INFORMAL. 2009. Disponível em: Acesso em: 24 ago. 2015.

FARAH, Soraya Diniz: políticas de incentivo ao turismo de aventura no Brasil – O papel do Ministério do Turismo In UVINHA, Ricardo Ricci (org). Turismo de Aventura: Reflexões e Tendências. São Paulo: Aleph, 2005

GIL, Antonio C. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2005.

IGNARRA, Luiz Renato. Fundamentos do turismo. São Paulo: Pioneira, 1999.

INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA –INMETRO. INMETRO Certifica Turismo de Aventura. 2012. Disponível em: Acesso em: 22 jul. 2015.

KOTLER, Philip. Administração de Marketing: análise, planejamento, implementação, controle. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1998.

MARCONI, Marina de A.; LAKATOS, Eva M LAKATOS, Eva M. Metodologia científica. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS – Aventura Segura – Rafiting. Belo Horizonte, 2009.

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS – Aventura Segura – Sistema de Gestão da Segurança.. Belo Horizonte, 2009.

MARCO CONCEITUAL. 2015. Disponível em: Acesso em: 27 mar. 2015

MAXIMIANO, Antônio C. Introdução à Administração. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2004.

NORMA REGULAMENTADORA 6 – NR6. Equipamento de Proteção Individual – EPI. Disponível em: < http://www.guiatrabalhista.com.br/legislacao/nr/nr6.htm>. Acesso em: 30 mar. 2015.

PORTAL ECO HOSPEDAGEM – TURISMO DE AVENTURA. 2014. Disponível em: . Acesso em: 28 mar. 2015.

PRODANOV, C.C.; FREITAS, E.C. de. Métodos e Técnicas da Pesquisa e do Trabalho Acadêmico. 2009. Disponível em: < https://books.google.com.br/books?hl=pt-BR&lr

=&id=zUDsAQAAQBAJ&oi=fnd&pg=PA13&dq=PRODANOV%3B+FREITAS&ots=daZ88gA7CQ&sig=2w0xkgYS1zTg31UjoqxLyaG25qk#v=onepage&q=PRODANOV%3B%20FREITAS&f=false>. Acesso em: 13 abr. 2015.

REGULAMENTAÇÃO, NORMALIZAÇÃO E CERTIFICAÇÃO EM TURISMO DE AVENTURA - RELATÓRIO DIAGNÓSTICO. Brasília, 2005.

SEGURANÇA NO ATRATIVO TURÍSTICO. Disponível em:. Acesso em: 26 mar. 2015.

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS – SEBRAE. Segurança no Atrativo Turístico. Disponível em: . Acesso em: 26 mar. 2015.

SILVA, Sibele C. ; FILHO, Hélio B. Turismo e Desenvolvimento Local: o turismo de negócios como possibilidade para o desenvolvimento econômico de Franca-SP. 2015. Disponível em: Acesso em: 29 jul. 2015.

SWARBROOKE, John. Turismo de Aventura: Conceitos e estudos de Casos. São Paulo: Elsevier, 2003.

TURISMO DE AVENTURA. Orientações Básicas.2006. Disponível em: . Acesso em: 04 abr. 2015.

TURISMO DE AVENTURA: Orientações Básicas. 3. ed. Brasília, 2010.

VERGARA, Assione. Procedimento Operacional Padrão Pop – Orientações Para Elaboração. 2004. Disponível em: < http://www.toledo.pr.gov.br/sites/default/files/POP%20-%20Procedimentos%20Operacionais%20Padr%C3%A3o.pdf>. Acesso em: 11 abr. 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.