Endomarketing: o olhar da geração y para as ações internas de motivação

Fernanda Bugs, João Carlos Bugs

Resumo


Nas organizações, o conceito de endomarketing ainda não é percebido como uma ferramenta de auxilio às ações de motivação. Com base nesse pressuposto, o objetivo desta pesquisa é compreender como são percebidas, pelo público interno que pertence à Geração Y, as ações de endomarketing desenvolvidas em uma instituição de ensino de grande porte, com 40 unidades/escolas em todo o Estado do Rio Grande do Sul, Brasil. Avaliou-se, então, a importância para a gestão das instituições de ações efetivas relacionadas ao tema.

Texto completo:

PDF

Referências


ARGENTI, Paul. A. A Comunicação empresarial. A construção da identidade, imagem e reputação. Rio de Janeiro. Campus, 2006.

BEKIN, Saul Faingaus. Conversando sobre Endomarketig. São Paulo: Makron Books, 1995.

BRUM, Analisa de Medeiros. Felicidade: responsabilidade da empresa? Disponível em: HSM online em 13/07/2009. Acesso em 12/10/2011.

CERQUEIRA, Wilson. Endomarketing: educação e cultura para a qualidade. Rio de Janeiro. Qualitymark. 1999.

CHIAVENATO, Idalberto. Gestão de Pessoas: e o novo papel dos recursos humanos nas organizações. Rio de Janeiro/RJ: Editora Elsevier, 2004.

__________________. Administração de Recursos Humanos. Barueri, SP: Manole. 2009.

CUNHA, Marcio Freitas. Endomarketing: Ferramenta de Estratégia para atingir uma satisfação interna 23 de março de 2007, Disponibilizado em: http://www.administradores.com.br/. Acesso em: 12/10/2011.

DUTRA, Joel Souza. Gestão de pessoas: um modelo, processo, tendências e perspectivas. São Paulo/SP: Editora Atlas, 2006.

ERICKSON, Tamara. E agora, Geração X ? : Como se manter no auge profissional e exercer a liderança plena numa época de intensa transformação. Rio de Janeiro. Elsevier, 2011.

KARTAJAYA, Hermawan, KOTLER, Philip, STIAWAN, Iwan. Marketing 3.0: as forças que estão definindo o novo marketing centrado no ser humano. Rio de Janeiro. Elsevier. 2010.

KOTLER, Philip. Administração de marketing. São Paulo: Prentice Hall, 2000.

KUNSH, Margarida Maria Krohling. Planejamento de Relações Públicas na Comunicação Integrada. São Paulo/SP: Editora Summus, 2003.

LIPKIN, Nicole, PERRYMORE, April. A geração y no trabalho: como lidar com a força de trabalho que influenciará definitivamente a cultura da sua empresa. Rio de Janeiro, 2010.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de metodologia científica. São Paulo: Atlas, 2009.

MATOS, Gustavo Gomes. A Cultura do Diálogo. Uma estratégia de comunicação nas empresas. Rio de Janeiro/RJ: Editora Elsevier, 2006.

MORGENSZTERN, Vitor. Desenvolvendo um novo sentido de liderança e de equipe. In: BOOG,Gustavo e Magdalena (Coord.) Manual de Gestão de Pessoas e Equipes Operações . 6o Ed. São Paulo. Gente. 2002, pp. 495 – 489.

OLIVERIA, Sidney. Geração Y. O nascimento de uma nova versão de líderes. São Paulo: Integrate 2010.

BIEHL, Kátia. Grupos e Equipes de trabalho: Uma estratégia de gestão. In: BITENCOURT, Claudia. Gestão Contemporânea de Pessoas. Novas práticas, conceitos tradicionais. Porto Alegre. Bookmann, 2010, pp. 104 – 114.

RÉ E RÉ, César Augusto De. Maria Alice De. Processos do Sistema de Gestão de pessoas. In: BITENCOURT, Claudia. Gestão Contemporânea de Pessoas. Novas práticas, conceitos tradicionais. Porto Alegre. Bookmann, 2010, pp. 79 – 99

TOTH, Elizabeth. Gestão de Comunicação em função das diversidades nas organizações. In KUNSCH, Margarida Maria Krohling. A Comunicação como fator de humanização das organizações. São Caetano do Sul/SP: Difusão Editora, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.