FORMAÇÃO DE MULTIPLICADORES NO ENSINO MÉDIO: CONTRIBUIÇÕES DE UMA INTERVENÇÃO NA ESCOLA PÚBLICA

Mariana Mateus Ferraz, Felipe Eduardo De Carvalho Ferreira, Letícia Lovato Dellazzana-Zanon

Resumo


A escola é um ambiente educacional e social favorável para o desenvolvimento de mudanças de comportamento. Portanto, ela pode ser considerada um contexto propício para a formação de adolescentes multiplicadores que ajudem na promoção de saúde e de qualidade de vida. Este estudo tem como objetivo apresentar uma intervenção para a promoção de multiplicadores no ambiente escolar e relatar a experiência de estágio de dois alunos do oitavo período do curso de psicologia de uma universidade do interior de São Paulo. Participaram da intervenção 24 alunos de uma escola pública, com média de idade de 16 anos, do Ensino Médio que eram membros do Grêmio Estudantil e/ou representantes de turma da escola. A intervenção foi composta por oito encontros, nos quais foram trabalhados os seguintes temas: respeito ao próximo/bullying, sexualidade, projeto de vida, política/atualidades, saúde mental e drogas. Apesar das dificuldades presentes no ambiente, os resultados mostraram que os alunos que participaram do projeto tornaram-se multiplicadores. O contrato de trabalho estabelecido entre os estudantes e os estagiários foi fundamental para garantir que os estudantes se sentissem à vontade para compartilhar suas experiências pessoais e opinar sobre os temas discutidos. Como perspectivas para melhorar o ambiente escolar, os estudantes mencionaram que pretendem trabalhar no sentido de ajudar outros colegas, por meio da conscientização e da orientação, sobre o conhecimento que obtiveram durante os meses de intervenção.

 

Palavras-chave: multiplicadores; adolescência; psicologia escolar; protagonismo juvenil.


Texto completo:

PDF

Referências


Alves, R. (2014). A grande arte de ser feliz. 1 ed. São Paulo: Planeta do Brasil.

Amaral, A. M. S., Santos, D., Paes, H. C. S., Dantas, I. S., & Santos, D. S. S. (2017) Adolescência, gênero e sexualidade: uma revisão integrativa. Revista Enfermagem Contemporânea, 6(1), 62-67.

Araújo, C. P. Da S., & Silva L. R. Da. (2011) Bullying Na Escola: Essa Brincadeira Não Tem Graça! V Colóquio Internacional “Educação e Contemporaneidade”. São Cristovão, Brasil.

Araujo, A. M., & Muñoz, N. M. (2020). A promoção à saúde na experiência de jovens promotores da saúde. Psicologia em Estudo,25, e46795. Epub May 18, 2020.

htt ps://doi.org/10.4025/psicolestud.v25i0.46795

Brasil (1997). Criança, adolescente e adulto jovem. Brasília. Documento de referência para o trabalho de prevenção das DST, Aids e drogas. Ministério da Saúde. Coordenação Nacional de DST e Aids.

Cachão, J., Oliveira, I., & Raminhos, I. (2017). Adolescência e Abuso de Substâncias. Revista Nascer e Crescer (26)2, 103-108.

Carvalho, A. M., Rodrigues, C. S., & Medrado, K. S. (2005) Oficinas em sexualidade humana com adolescentes. Revista Estudos de Psicologia, 10(3), 377-384.

Coutinho, M. P. L, Pinto, A. V. L., Cavalcanti, J. G., Araújo, L. S., & Coutinho, M. L. (2016). Relação entre depressão e qualidade de vida de adolescentes no contexto escolar. Psicologia, Saúde & Doenças, 17(3), 28-41. Doi: https://doi.org/10.15309/16psd170303

Dallo, L. (2012) Formação de multiplicadores para a prevenção ao uso de drogas e condutas sexuais desprotegidas Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, 7(2),137-147.

Dellazzana-Zanon, L. L. & Freitas, L. B. L. (2015). Uma revisão de literatura sobre a definição de projeto de vida na adolescência. Interação em Psicologia 19(2), 281-292.

Dellazzana-Zanon, L. L., Riter, H. S., & Freitas. (2015). Projetos de vida de adolescentes que cuidam e que não cuidam de seus irmãos menores. In R. M. S. De Macedo (Org.), Expandindo horizontes da terapia familiar (pp. 111-122). Curitiva, PR: CRV.

Gaspar T., Ribeiro J. P., Matos M. & Leal, I. (2008). Promoção de qualidade de vida em crianças e adolescentes. Psicologia, Saúde e Doenças, 9 (1), 55-71.

Gomes, F. Z.; Tomasi, C. D.; Ceretta, L. B.; Birollo I. V. B., & Amboni, G. (2016). Adolescentes e construção do projeto de vida: um relato de experiência. Revista do Programa de Residência Multiprofissional em Atenção Básica/Saúde da Família, 3, 1-14.

Gurgel M. G. I, Alves M. D. S., Moura E. R. F., Pinheiro P. N. C. & Rego R. M. V. (2010). Desenvolvimento de habilidades: estratégia de promoção da saúde e prevenção da gravidez na adolescência. Revista Gaúcha de Enfermagem, 31(4),640-646.

Lacerda, M. A. (2004) Adolescentes falando “daquilo”: um estudo qualitativo das fontes de informação sobre sexualidade e saúde reprodutiva em duas escolas municipais de Betim, MG. XIV Encontro Nacional de Estudos Populacionais (ABEP). Caxambú, Brasil.

Martins, R. R., & Castro, R. M. M. (2016) Diversidade sexual e de gênero no contexto escolar: conceitos, políticas públicas e função da escola. Revista Profissão Docente,16(34), 128-138.

Miguel, L. F. (2016). Da “doutrinação marxista” à "ideologia de gênero" - Escola Sem Partido e as leis da mordaça no parlamento brasileiro. Revista Direito e práxis, 7(15), 590-621.

Minto, E. C., Pedro, C. P., Netto, J. R. Da C., Bugliani, M. A. P. & Gorayeb, R. (2006) Ensino de habilidades de vida na escola: uma experiência com adolescentes. Psicologia em Estudo, 11(3), 561-568.

Miranda, F. H. F., & Alencar, H, M. (2015). Projetos de vida na adolescência: Um estudo na área da ética e da moralidade. Diaphora, 15(2), 27-33.

Oliveira, C. B. E. de O.; Marinho-Araújo, C. M. (2009). Psicologia escolar: cenários atuais. Estudos e Pesquisas em Psicologia,9(3), 648-663.

Pereira, F. C. (2017) O Bullying Escolar e a Ferida Identitária. Revista Ciência Contemporânea, 1(1), 16- 29.

Petroni, A. P. & Souza, V. L.T. D. (2014). Psicólogo escolar e equipe gestora: tensões e contradições de uma parceria. Psicologia: Ciência e Profissão, 30(2), 444-459.

Reis, T. G., & Oliveria, L. C. M. (2015). Padrão de consumo de álcool e fatores associados entre adolescentes estudantes de escolas públicas em município do interior brasileiro. Revista Brasileira de Epidemiologia, 18(1), 13–24.

Riter, H. S., Dellazzana-Zanon, L. L., & Freitas, L. B. L. (2019). Projetos de vida de adolescentes de nível socioeconômico baixo quanto aos relacionamentos afetivos. Revista da SPAGESP,20(1), 55-68.

Santos, M. & Araújo M. S. (2016) Amizades e decisão de consumo de drogas na adolescência. Anais do IX Encontro Internacional de Formação de Professores, X Fórum Permanente de Aracaju, Brasil.

Santos, M. M.; Mota, R. S.; Carvalho, M. R. S.; Araújo, G. S.; gomes, N. P.; Oliveira, J. F. (2017). Consumo de drogas e fatores associados: estudo transversal com adolescentes escolares do ensino fundamental. Online Brazilian Journal of Nursing, 16(1), 64-72.

Schuler, C., Watte, C. S. B., Schütz, M. F. S., Ritter, M. C. S., Nath, S., Erthal, V. K., Silva, G. P., & Silva W. S. (2015). Multiplicadores adolescentes do Programa Saúde na Escola: a prevenção entre pares. Adolescência e Saúde, 12(supl. 1), 38-43.

M., Mello D., & Carlos D. (2010). O adolescente enquanto protagonista em atividades de educação em saúde no espaço escolar. Revista Eletrônica de Enfermagem, 12(2), 287-93. doi:https://doi.org/10.5216/ree.v12i2.5301

Tondo, R., Rhoden J. L. M. & Rhoden, V. (2016) “Chega de bullying”: um olhar sobre a mobilização de crianças e adolescentes contra o bullying na internet. Revista Temática,12(1), 16-32.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.