ENTRE O IDEAL E O REAL NA AVALIAÇÃO DE APRENDIZAGEM EM TREINAMENTO CORPORATIVO

Leticia Horn Oliveira, Julia Schneider Krimberg, Lilian Milnitsky Stein

Resumo


O objetivo deste estudo foi investigar como se dá avaliação de aprendizagem em treinamento corporativo. Foi realizada uma pesquisa de cunho qualitativo com 15 instrutores com  experiência em treinamento corporativo que responderam a entrevistas semiestruturadas. Os relatos dos entrevistados evidenciaram que há um hiato entre investimento em treinamento e resultados efetivos para as organizações pois falta aplicação de métricas de avaliação de aprendizagem. Mesmo compreendendo a importância de se aplicar uma avaliação efetiva e voltada à aprendizagem, os instrutores entrevistados relataram aplicar apenas avaliação de reação na maioria dos seus treinamentos, imediatamente após a conclusão do curso. Os participantes relataram que isso se deve a uma falta de suporte e conhecimento sobre o processo de aprendizagem por parte das organizações, que disponibilizam aos instrutores recursos de tempo limitado para a realização do processo de avaliação.

Palavras-chave: treinamento corporativo, aprendizagem, avaliação


Texto completo:

PDF

Referências


Abbad, G. A. (1999). Um modelo integrado de avaliação do impacto do treinamento no trabalho - IMPACT. Brasília, Tese (Doutorado) - Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília.

Abbad, G., Gama, A. L. G., & Borges-Andrade, J. E. (2000). Treinamento: análise do

relacionamento da avaliação nos níveis de reação, aprendizagem e impacto no trabalho. Revista de Administração Contemporânea, 4(3), 25-45. doi 10.1590/S1415-65552000000300003

Abbad, G., & Borges-Andrade, J. E. (2004). Aprendizagem humana em organizações de

Trabalho. In J. C. Zanelli, J. E. Borges-Andrade & A. V. B. Bastos (Orgs.), Psicologia, Organizações e Trabalho no Brasil (p. 237-275). Porto Alegre: Artmed.

Abu-Zaid, A., & Khan, T. A. (2013). Assessing declarative and procedural knowledge

using multiple-choice questions. Medical Education Online, 18. doi: 10.3402/meo.v18i0.21132

Alipour,M., Salehi, M., & Shahnavaz, A. (2009). A Study of on-the-Job Training

Effectiveness: Empirical Evidence of Iran. International Journal of Business and Management, 4(11), 63-68. doi: 10.5539/ijbm.v4n11p63

Araujo, M. C. S. Q., Abbad, G. S., & Freitas, T. R. (2017). Revista Psicologia:

Organizações e Trabalho, 17(3), 171-179. doi: 10.17652/rpot/2017.3.13089

Balarin, C.S., Zerbini, T., & Martins, L.B. (2014). A relação entre suporte à a

aprendizagem e impacto do treinamento no trabalho. REAd, 78 (2), 341-37. doi: 10.1590/1413-2311017201341925.

Balsan, L. , Costa, M. F. V., Bastos. A.V.B., Lopes, L.F.D. , Lima, M.P., & Santos, A.S.

(2017). A influência do comprometimento, do entrincheiramento e do suporte à transferência de treinamento sobre o impacto do treinamento no trabalho. Revista de Administração da UFSM, 10 (6), 976-989. doi: 10. 976. 10.5902/1983465913316

Bardin, L. (2010). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70 (Trabalho original publicado

em 1977).

Bastos, L. F. L. (2012). Avaliação da reação, aprendizagem e impacto de treinamento

em um hospital do Município de São Paulo. (Dissertação de Mestrado). Universidade de São Paulo, São Paulo.

Bastos, L. F. L., Ciampone, M. H. T., & Mira, V. L. (2013). Avaliação de suporte à

transferência e impacto de treinamento no trabalho dos enfermeiros. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 21(6), 1274-1281. doi: 10.1590/0104-1169.2913.2364

Bell, B. S., Tannenbaum, S. I., Ford, J. K., Noe, R. A., & Kraiger, K. (2017). 100 years

of training and development research: What we know and where we should go. Journal of Applied Psychology, 102(3), 305-323. doi.org/10.1037/apl0000142

Borges-Andrade, J. E. (2006). Competência técnica e política do profi ssional de TD&E.

In J. E. Borges-Andrade, G. S. Abbad, & L. Mourão (Orgs.), Treinamento, desenvolvimento e educação em organizações e trabalho: Fundamentos para a gestão de pessoas (pp. 177-195). Porto Alegre: Artmed.

Butler, A.C., & Roediger, H.L (2008). Feedback enhances the positive effects and reduces

the negative effects of multiple-choice testing. Memory & Cognition, 36 (3), 604-616. doi: 10.3758/MC.36.3.604

Cassiano, S. K., & Borges-Andrade. J. E. (2017). Methodological delimitations of the

Brazilian research on effects of training. Revista Psicologia: Organizações e Trabalho, 17(3), 141-149. doi: 10.17652/rpot/2017.3.13053

Creswell, J. W., & Clark, V. L. (2013). Pesquisa de métodos mistos. 2. ed. Porto

Alegre: Penso.

Dahiya, S., & Jha, A. (2011). Training Need Assessment: a critical study. International

Journal of Information Technology and Knowledge Management, 4(1), 263-267.

Fante, R. M., Bucklin, B. R., Diener-Ludwig, L., Sundberg, D. B., & Dickinson, A. M.

(2016), A Comparison of Training Methods on the Acquisition of Automotive Product Knowledge. Perf Improvement Qrtly, 29, 287-305. doi:10.1002/piq.21223

Ferraz, F.A., & Gallardo-Vazquez, D. (2016). Measurement tool to assess the relationship

between corporate social responsibility, training practices and business performance. Journal of Cleaner Production, 129, 659-672.

Fregonese, C., Caputo, A., & Langher, V. (2018) Italian translation of the questionnaire

for professional training evaluation. International Journal of Training and Development, 22 (1). doi: 10.1111/ijtd.12117

Froehlich, C., & Scherer, C. E. (2013). Treinamento e Desenvolvimento: um estudo de

caso na empresa LLV Metalúrgica situada no Rio Grande do Sul. Desenvolve: Revista de Gestão do Unilasalle, 2(2), 137-154. doi10.1:8316/1160

Gondim, S. M. G., Bastos, A. V. B., Borges-Andrade, J. E., & Melo, L. C. T. (2006). Práticas inovadoras em gestão de produção e de pessoas e TD&E. In J. E. Borges-Andrade, G. S. Abbad, & L. Mourão (Orgs.), Treinamento, desenvolvimento e educação em organizações e trabalho: Fundamentos para a gestão de pessoas. Porto Alegre: Artmed, p.p 65-84.

Grohmann, A., & Kauffeld, S. (2013). Evaluating training programs: development and

correlates of the questionnaire for professional training evaluation, International Journal of Training and Development, 17 (2), 135–55. doi: 10.1111/ijtd.12005

Grossman, R., & Salas, E. (2011). The transfer of training: what really

matters. International Journal of Training and Development, 15 (2), 103-120.

doi: 10.1111/j.1468-2419.2011.00373.x

Hasselqvist, H,. & Thomas, L. (2012). Manual Training Needs Assessment and

Training Outcome Evaluation. In an Urban Context.UN-Habitat, pp1-72

Hynes, G.E. (2012). Improving Employees’ Interpersonal Communication

Competencies: A Qualitative Study, Business Communication Quarterly, 75 (4), 466-475. doi: 10.1177/1080569912458965

Kasim, R.S.R., & Ali, S. (2011) The Influence of Training Design on Training Transfer

Performance among Support Staff of Higher Education Institution in Malaysia. International Journal of Innovation Management and Technology, 2(5), 377-382

Keen, C. M., & Berge, Z. L. (2014). Beyond cost justification: evaluation frameworks in

corporate distance training. Performance Improvement, 53 (10), 22-28. doi: 10.1002/pfi.21443

Kirchherr, J., & Charles, K. (2018). Enhancing the sample diversity of snowball samples:

Recommendations from a research project on anti-dam movements in Southeast Asia. PloS one, 13(8). doi:10.1371/journal.pone.0201710

Kirkpatrick, D. (1996). Great ideas revisited. Training and Development Magazine,

(1), 54 -59.

Kirkpatrick, D. & Kirkpatrick, J. (2005). Transfering learning to behavior: using the four

levels to improve performance. Koehler Publishers.

Long,L.K., DuBois, C. Z.,& Faley, R. H. (2008) Online training: the value of capturing

trainee reactions, Journal of Workplace Learning, 20(1), 21-37.doi:

1108/13665620810843629

Lynch, K., Akridge, J. T., Schaffer,S.P. & Gray, A. (2006). A Framework for Evaluating

Return on Investment in Management Development Programs. International Food and Agribusiness Management Review, 9 (2), 1-21.

Masalimova,A.R., Usak, M., & Shaidullina, A.R. (2016). Advantages and disadvantages

of national and international corporate training techniques in adult education. Current Science, 111 (9), 1480-1485 URI: https://dspace.kpfu.ru/xmlui/handle/net/142615

Martin, H. J. (2010). Improving training impact through effective follow-up: techniques

and their application. Journal of Management Development, 29(6), 520-534. doi: 10.1108/02621711011046495

Mourão, L., & Marins, J. (2009). Avaliação de treinamento e desenvolvimento nas

organizações: resultados relativos ao nível de aprendizagem. Rev. Psicol., Organ. Trab, 9 (2), 72-85.

Mourão, L. , Abbad, G. S. & Zerbini, T. (2014). Avaliação da efetividade e dos preditores

de um treinamento a distância em uma instituição bancária de grande porte. R.Adm., São Paulo, 49 (3), 534-548. doi: 10.5700/rausp1166.

National Safety Council (2015), Summary from Injury Facts, 2010 Edition.

Nickols, F.W. (2005). Why a stakeholder approach to evaluating training, Advances in

Developing Human Resources, 7, 121- 34. doi: 10.1177/1523422304272175

Phillips, J. & Phillips, P. (2013). Measuring ROI in Learning and Development: Case

Studies from Global Organizations, ASTD Press. ROI Institute.

Phillips, J. & Phillips, P. (2016). Handbook of training evaluation and measurement

methods. New York: Routledge

Pilati, R., & Borges-Andrade, J. E. (2004). Estudo empírico dos antecedentes de medidas

de impacto do treinamento no trabalho. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 20, 31-38. doi: 10.1590/S0102-37722004000100005.

Pilati, R., & Abbad, G. (2005). Análise fatorial confirmatória da escala de impacto do

treinamento no trabalho. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 21(1), 43-51. doi: 10.1590/S0102-37722005000100007.

Pineda,P. (2010) Evaluation of training in organisations: a proposal for an integrated

model, Journal of European Industrial Training, 34 (7), 673-693. doi: 10.1108/03090591011070789

Ritzmann, S., Hagemann, V., & Kluge, A. (2014). The Training Evaluation Inventory

(TEI)evaluation of training design and measurement of training outcomes for predicting training success, Vocations and Learning, 7 (1), 41–73. doi: 10.1007/s12186-013-9106-4

Smith, M. A., Blunt, J. R., Whiffen, J. W., & Karpicke, J. D. (2016) Does Providing

Prompts During Retrieval Practice Improve Learning? Appl. Cognit. Psychol., 30, 544-553. doi: 10.1002/acp.3227.

Sung, S. Y., & Choi, J. N. (2014). Do organizations spend wisely on employees? Effects

of training and development investments on learning and innovation in organizations. Journal of Organizational Behavior, 35, 393 - 412. doi: 10.1002/job.1897

T&D Inteligência Corporativa (2017). O Panorama do Treinamento no Brasil: fatos,

indicadores, tendências e análises 2017/2018. 12 ed. São Paulo, 14p.

Zerbini, T., & Abbad, G.. (2008). Estratégias de aprendizagem em curso a distância:

validação de uma escala. PsicoUSF, 13(2),177-187. doi:10.1590/S1413-82712008000200005.

Zerbini,T., & Abbad, G. (2010).Aprendizagem induzida pela instrução em contexto de

organizações e trabalho: uma análise crítica da literatura. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 13 (2), 177-193. doi: 10.11606/issn.1981-0490.v13i2p177-193

Warr, P., Allan, C., & Birdi, K. (1999). Predicting three levels of training outcome.

Journal of Occupational and Organizational Psychology, 72, 351–375

Williams, R. C., & Nafukho, F. M. (2015). Technical training evaluation revisited: an

exploratory, mixed-methods study, Performance Improvement Quarterly, 28(1), 69-92. doi: 10.1002/piq.21187


Apontamentos

  • Não há apontamentos.