CARACTERÍSTICAS DE PERSONALIDADE DE MÃES DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM CÂNCER: ANÁLISE A PARTIR DA BATERIA FATORIAL DE PERSONALIDADE (BFP)

Mariana Endres, Carine Tabaczinski, Sibeli Carla Garbin Zanin

Resumo


O câncer infantil acarreta mudanças significativas na dinâmica familiar, principalmente no que diz respeito à saúde psicológica das mães, cujos filhos estão em tratamento oncológico. Muitas destas mulheres renunciam à vida familiar e pessoal para acompanhar, quase que por tempo integral, o tratamento destinado à cura e amenização da doença de seus filhos. Desta forma, objetivou-se analisar as principais características de personalidade- por meio do instrumento Bateria Fatorial de Personalidade (BFP)- de mães, cujos filhos estão em tratamento oncológico. Participaram da pesquisa dois grupos de mães. O primeiro grupo foi composto por dez mães de crianças ou adolescentes portadores de doenças oncológicas e o segundo composto por dez mães com filhos saudáveis. Para análise dos dados foram utilizadas estatísticas descritivas e comparação das médias dos grupos com teste U de Mann-Whitney. Como resultados, foram evidenciados altos índices do fator Neuroticismo nas facetas depressão e passividade nas mães com filhos doentes.

 Palavras-chave: mães; personalidade; psicologia.


Texto completo:

PDF

Referências


Alves, D.F.S., Guirardello, E.B., & Kurashima, A.Y. (2013). Estresse relacionado ao cuidado: o impacto do câncer infantil na vida dos pais. Revista Latino Americana de Enfermagem, 21(1), 356-362. doi: 10.1590/S0104-11692013000100010.

Benedetti, G. M. dos S., Higarashi, I. H., & Sales, C. A. (2011). Vivencias de pais/mães de crianças e adolescentes com câncer: uma abordagem fenomenológica- existencial heideggeriana. Texto Contexto de Enfermagem, 24(2), 554-62. doi: 0.1590/0104-07072015002702014.

Castro, E. H. B. (2010). Mães de crianças com câncer: repercussões familiares, pessoais e sociais. Revista Psicologia e Saúde, 2(2). doi: 10.20435/pssa.v2i2.64.

Costa, M. A. D. J., Agra, G., de Souza Neto, V. L., da Silva, B. C. O., Braz, L. C. D. S. B., & de Mendonça, A. E. O. (2016). Desvelando a experiência de mães de crianças com câncer em uma unidade de cuidados paliativos. Revista de Enfermagem do Centro-Oeste Mineiro, 1(6), 2052-2065. doi: 10.19175/recom.v0i0.965.

Duarte, M. D. L. C., Zanini, L. N., &Nedel, M. N. B. (2012). O cotidiano dos pais de crianças com câncer e hospitalizadas. Revista Gaúcha de Enfermagem, 33(3), 111-118.

Farinhas, G. V., Wendling, M. I., & Dellazzana-Zanon, L. L. (2013). Impacto psicológico do diagnóstico de câncer na família: um estudo de caso a partir da percepção do cuidador. Pensando familias, 17(2), 111-129.

Instituto Nacional do Câncer (2017). O que é câncer? Recuperado de http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/cancer/site/oquee

Júnior, T. C. P. C., Pimentel D. P. S. M., de Cássia F. A. V., Bezerra S. A. R., & Parente, G. A. A. M. (2014). Apreender as repercussões do diabetes mellitus em crianças sob a ótica das mães. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, 15(1). doi: 10.15253/2175-6783.2014000100009.

Leal, H. Z, Bressianini, P. H, & Benute, G. R. G. (2016). O dinamismo das relações familiares à luz do câncer infantil. Revista Científica Semana Acadêmica, 1. Recuperado de http://semanaacademica.org.br/artigo/o-dinamismo-das-relacoes-familiares-luz-do-cancer-infantil.

Moreira, N. S., Sousa, C. S., de Brito Poveda, V., & Turrini, R. N. T. (2015). Autoestima dos cuidadores de doentes oncológicos com capacidade funcional reduzida. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, 19(2), 316-322. doi: 10.5935/1414-8145.20150043

Nunes, C. H. S. da S., Hutz, C. S., & Nunes, M. F. O. (2013). Bateria Fatorial de Personalidade (BFP) - Manual técnico. São Paulo, SP: Casa do Psicólogo.

Paiva, C. V. A., Saburido, K. A. L., Vasconcelos, M. N. D., & Silva, M. A. M. D. (2013). Aleitamento materno de recém-nascidos internados: dificuldades de mães com filhos em unidade de cuidados intensivos e intermediários neonatais. Revista Mineira de Enfermagem, 17(4), 924-939. doi: 10.5935/1415-2762.20130067.

Passos, M. F., & Laros, J. A. (2014). O modelo dos cinco grandes fatores de personalidade: Revisão de literatura. Revista portuguesa de psicologia, 21, 13-21. doi: 10.5935/1414-8145.20150043.

Primi, R. (2010). Avaliação psicológica no Brasil: fundamentos, situação atual e direções para o futuro. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 26(25), 25-36.

Santos, A. D. F., de Brito, G. E., & Yamaguchi, K. A. (2013). Estresse relacionado ao cuidado: o impacto do câncer infantil na vida dos pais. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 21(1).

Silva, I. B., Nakano, T. de C. (2011). Modelo dos cinco grandes fatores da personalidade: análise de pesquisas. Avaliação psicológica, 10(1).

Simões, C. C., Silva, L., dos Santos, M. R., Misko, M. D., & Bousso, R. S. (2013). A experiência dos pais no cuidado dos filhos com paralisia cerebral. Revista Eletrônica de Enfermagem, 15(1), 138-45. doi: doi.org/10.5216/ree.v15i1.13464.

Sociedade Brasileira de Oncologia Pediátrica. (2017). Câncer Infantil. Recuperado de: http://sobope.org.br/apex/f?p=106:13:8224130819874::NO::DFL_PAGE_ID:201

Sousa Pinto, J. M., & Nations, M. K. (2012). Cuidado e doença crônica: visão do cuidador familiar no Nordeste brasileiro. Ciência & Saúde Coletiva, 17(2). doi: 10.1590/S1413-81232012000200025.

Thomas, C. V., & Castro, E. K. D. (2012). Personalidade, comportamentos de saúde e adesão ao tratamento a partir do modelo dos cinco grandes fatores: uma revisão de literatura. Psicologia, Saúde & Doenças


Apontamentos

  • Não há apontamentos.