A RELAÇÃO ENTRE SÍNDROME DE BURNOUT, STRESS, DEPRESSÃO, ANSIEDADE E QUALIDADE DE VIDA DE MÉDICOS

Paula Cristina Lizot, Cássia Ferrazza Alves

Resumo


A Síndrome de Burnout ou também conhecida como esgotamento profissional tem se mostrado cada vez mais presente no cotidiano de diferentes ocupações, em especial, no profissional médico, correlacionando fatores interligados para o seu possível surgimento. Este estudo tem como objetivo analisar a relação entre stress, burnout, ansiedade, depressão e qualidade de vida em médicos. Configura-secomo uma pesquisa quantitativa ecorrelacional com amostra por conveniência. Ao total, responderam aos questionários de qualidade de vida (WHOQOL-BREF), burnout (CESQT) e depressão, ansiedade e estresse (DASS – 21) de forma completa,43 participantes (58,1% mulheres), com idades entre 26 e 71 anos (M =41,58; DP =11,09). Foram realizadas análises descritivas, correlacionais (correlações de Pearson) e de diferença de média (Testes t de Student). De modo geral, foi possível identificar diferença estatisticamente significativa nos profissionais que realizam plantão, plantão noturno e trabalho nos finais de semana apresentandorelação negativa com os domínios físico, ambiente, social, psicológico da qualidade de vida, e positiva com stress e ansiedade.Não foram identificados profissionais com Burnout, a partir do CESQT. Discute-se sobre as possíveis interações negativas destes domínios sobre a qualidade de vida profissional e pessoal do médico.

Palavras-chave: Burnout, stress, qualidade de vida, ansiedade, depressão, médicos.

 


Texto completo:

PDF

Referências


American Psychiatric Association. (2014). Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: DSM-5.5.ed. Porto Alegre: Artmed.

Azevedo, W. F., & Mathias, L. T. (2017). Adição ao trabalho e qualidade de vida: um estudo com médicos. Einstein, 15(2), 130-135. doi: 10.1590/s1679-45082017ao3960

Bond, M. M. K.,Bond, M. M. K., Bressan, B. J., Merlo, A. R. C., Oliveira, M. S. & Silva, A. L. F. A (2018). Prevalência de Burnout entre médicos residentes de um hospital universitário. Revista Brasileira de Educação Médica, 42(3), 97-107.doi:10.1590/1981-52712015v42n3rb20170034.r3

Borine, B., Assis, C. L., Lopes, M. S. & Santini, T. O. (2012). Estresse hospitalar em equipe multidisciplinar de hospital público de interior de Rondônia. Revista da SBPH,15(1), 22-40.

Collado, C. F., Lúcio, M. P. B., & Sampieri, R. H. (2013). Metodologia de pesquisa. Porto Alegre: Penso.

Dicionário Linguee (2019). Disponível em: https://www.linguee.com.br/portugues-ingles/search?source=auto&query=to+burn+out. Acessado em 16/10/2019.

Dias, B., Pereira, M., Sousa, I., & Almeida, R. (2016). Qualidade de vida de médicos residentes de um hospital escola. Scientia Medica, 26(1), 1-9. doi: 10.15448/1980-6108.2016.1.22315

Diehl, L, & Carlotto, M. (2015). Síndrome de Burnout: indicadores para a construção de um diagnóstico. Psicologia Clínica, 27(2), 161-179.

Farsen, T., Boehs, T., Ribeiro, A., Biavati, V., & Silva, N. (2018). Qualidade de vida, bem-estar e felicidade no trabalho: sinônimos ou conceitos que se diferenciam? Interação em Psicologia, 22(1), 31-41.doi: 10.5380/psi.v22i1.48288

Fleck, M. PA., Louzada, S., Xavier, M., Chamovich, E., Vieira, G., Santos, L., Pinzon, V. (2000). Aplicação da versão em português do instrumento abreviado de avaliação da qualidade de vida “WHOQOL-bref”. Revista de saúde pública, 34(2), 178-183.

França, A. C. L., &Rodrigues, A. L. (2013). Stress e trabalho: uma abordagem psicossomática. 4th ed. São Paulo: Atlas.

Friedman, G., Nunes, F. C. L., Wenczenovicz, C., Coelho, V. P.,Chinelato, J. R., Kissmann, N., & Hoppen, C. Monte M. S. (2017).Alta prevalência de Síndrome de Burnout em médicos intensivistas da cidade de Porto Alegre. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, 29(1), 115-120.doi: 10.5935/0103-507x.20170017

Gil-Monte, P. R. (2005) El síndrome de quemarse por el trabajo (burnout). Una enfermidad laboral en la sociedad del bienestar. Pirâmide, Madrid.

Gil-, P. R., Carlotto, M. S.,& Câmara, S. G. (2010). Validação da versão brasileira “Cuestionario para La Evaluacióndel Síndrome de Quemarse por el Trabajo” em professores. Revista de Saúde Pública, 44(1), 140-147. doi: 10.1590/S0034-89102010000100015

Gomes, R. K., & Oliveira, V. B. (2013). Depressão, ansiedade e suporte social em profissionais de enfermagem. Boletim de Psicologia, 63(138), 23-33.

Gonsalez, E., Lourenção, L., Teixeira, P., Rotta, D., Gazetta, C.,& Pinto, M. (2017). Ansiedade e depressão entre profissionais de programas de aprimoramento profissional. Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental, 1(18), 51-58.doi:10.19131/rpesm.0192

Lentini, E. C., Sonoda, T. K., & Biazin, D. T. (2003).Estresse de profissionais de saúde das unidades básicas do município de Londrina. Revista Terra e Cultura, 19(37), 103-123.

Lima, R. A. dos S., Souza, A. I.de., Galindo, R. H., & Feliciano, K. V. de O. (2013). Vulnerabilidade ao Burnout entre médicos de hospital público do Recife. Ciência & Saúde Coletiva, 18(4), 1051-1058.doi:10.1590/S1413-81232013000400018

Lovibond, P. F., & Lovibond, S. H. (1995). The structure of negative emotional states: Comparison of the Depression Anxiety Stress Scales (DASS) with the Beck depression and anxiety inventories. Behavior Research and Therapy, 33(3), 335-343. doi: 10.1016/j.rbp.2012.05.003

Machado, W. L. (2013). A saúde mental como um estado completo: Instrumentos de avaliação e sua relação com qualidade de vida, personalidade e variáveis biossociodemográficas. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Psicologia. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Moreira, H. de A., Souza, K. N. de. & Yamaguchi, M. U. (2015). Síndrome de Burnout em médicos: uma revisão sistemática. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 43(3), 1-11.doi:10.1590/2317-6369000013316

Oliveira, V., & Pereira, T. (2012). Ansiedade, depressão e burnout em enfermeiros – impacto do trabalho por turnos. Revista de Enfermagem Referência, 3(7), 43-54.doi:10.12707/RIII1175

Pereira, E. F., Teixeira, C. S.,& Santos, A. (2012). Qualidade de vida: abordagens, conceitos e avaliação. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, 26(2), 241-250.doi:10.1590/S1807-55092012000200007

Spoorthy, M., Pratapa, S., & Mahant, S. (2020). Mental health problems faced by healthcare workers due to the COVID-19 pandemic – A review. Asian Journal of Psychiatry, 51, 102-119.doi: 10.1016/j.ajp.2020.102119

Silva, G. de N. (2019). (Re)Conhecendo o Estresse no Trabalho: uma Visão Crítica. Revista Interinstitucional de Psicologia, 12(1), 51-61. doi: 10.36298/gerais2019120105.

Silva, M. C. M., & Gomes, A. R. S. (2009). Stress ocupacional em profissionais de saúde: um estudo com médicos e enfermeiros portugueses. Estudos de Psicologia, 14(3), 239-248. doi: 10.1590/S1413-294X2009000300008

The Whoqol Group. (1998). Development of the World Health Organization WHOQOL-bref. Quality of Life Assesment 1998. Psychol Med,28, 551-558.

Tomaz, H., Tajra, F., Lima, A., & Santos, M. (2020). Síndrome de Burnout e fatores associados em profissionais da Estratégia Saúde da Família. Interface - Comunicação, Saúde, Educação. 24, e190634. doi: 10.1590/Interface.190634.

Torres, A. R., Lima, M. C. P., Ruiz, T. & Muller, S. S. (2011). Qualidade de vida e saúde física e mental de médicos: uma autoavaliação por egressos da Faculdade de Medicina de Botucatu – UNESP. Revista Brasileira Epidemiológica, 14(2), 264-275. doi: 10.1590/S1415-790X2011000200008.

Zaka, A., Shamloo, S., Fiorente, P., & Tafuri, A. (2020). COVID-19 pandemic as a watershed moment: A call for systematic psychological health care for frontline medical staff. Journal of Health Psychology, 25(7) 883-887.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.