A DIFERENCIAÇÃO DE GÊNERO ESTÁ RELACIONADA À ESCOLHA DE VEÍCULOS? UM ESTUDO SOBRE DOIS MODELOS DE CARROS E AS CARACTERÍSTICAS ATRIBUÍDAS AOS SEUS CONDUTORES

Bruna Benicio Rodrigues

Resumo


Esse artigo visou apurar a correlação existente entre a construção social de gênero e a escolha de veículos, a partir de uma pesquisa que verificou as características e o sexo atribuídos aos condutores de dois modelos diferentes de veículos por meio de um questionário neutro, isto é, que não induziu o participante a escolha alguma. Diante da problemática, Mattos (2017) aponta que as demandas relativas à diferenciação de gênero estão intimamente relacionadas à escolha de objetos utilizados, o que torna esse estudo relevante ao demonstrar que diferentes tipos de veículos foram associados à figura masculina e feminina. A pesquisa foi realizada com participantes virtuais. Para coletar os dados, os participantes responderam a um questionário virtual criado a partir da ferramenta Google Drive e divulgado em diferentes comunidades do Facebook. A amostra foi composta por 157 participantes voluntários que responderam anonimamente ao questionário. A análise dos dados demonstrou a diferença estatisticamente significativa em 16 das 20 características investigadas. Nos resultados foi possível constatar as diferenças de gênero, uma vez que o condutor de um veículo foi considerado homem e a ele atribuído características diferentes do condutor do outro veículo que foi considerado mulher. A escolha do sexo do condutor não foi em nenhum momento sugestionada no questionário e deveria ser julgada somente a partir do porte do veículo.

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, N.D.V., Lima, A.K.B., & Albuquerque, L.A. (2005). As relações de gênero e as percepções dos/das motoristas no âmbito do sistema de trânsito. Psicologia: Ciência e Profissão, 25(2), 172-185.

Altmann, H. (2013). Barbie e sua história: gênero, infância e consumo. Pro-Posições, 24(1), 275-279.

Andrade, M.A.R. (2011). Estigma e Velhice: ensaios sobre a manipulação da idade deteriorada. Revista Kairós Gerontologia, 1(14), 79-97.

Botero, C.A., Gardner, B., Kirby, K.R., Bulbulia, J., Gavin, M.C., & Gray, R.D. (2014). The ecology of religious beliefs. Proceedings of the national academy of sciences of the united states of America, 111(47), 16784–16789.

Caminhas, L.R.P. (2019). Imagens de violência de gênero em telenovelas brasileiras. Revista Estudos Feministas, 27(1), 1-11.

Carvalho, M.P. (2012). Teses e dissertações sobre gênero e desempenho escolar no Brasil (1993 - 2007): um estado da arte. Pro-Posições, 23(1), 147-161.

Chen, L.Z., Hu, W.M, Szulga, R., & Zhou, X. (2018). Demographics, gender and local knowledge - Price discrimination in China’s car market. Economics Letters, 163, 172-174.

Faleiros, F., Kappler, C., Pontes, F.A.R., Silva, S.S.C., Goes, F.S.N. & Cucick, C.D. (2016). Uso de questionário online e divulgação virtual como estratégia de coleta de dados em estudos científicos. Texto, contexto e enfermagem, 25(4), 1-6.

Filha, C.X. (2016). Gênero e resistências em filmes de animação. Pro-Posições, 27(1), 19-36.

Ipea. (2015). Acidentes de trânsito nas rodovias federais brasileiras: caracterização, tendências e custos para a sociedade. Relatório de pesquisa. Guedes, M.C. (2008). A presença feminina nos cursos universitários e nas pós-graduações: desconstruindo a idéia da universidade como espaço masculino. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, 15, 117-132.

Knoll, G.F. (2012). Gender discourses in advertising: critical analysis of advertising texts in magazines. Sociais e humanas, 25(2), 239-252.

Lira, A.G., Ganen, A.P., Lodi, A.S., & Alvarenga, M.S. (2017). Uso de redes sociais, influência da mídia e insatisfação com a imagem corporal de adolescentes brasileiras. Redes sociais e insatisfação corporal, 66(3), 164-171.

Lorentz, M. (2008). “Só podia ser mulher”- as relações de gênero no trânsito. Mestrado em Educação nas Ciências. Universidade do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, UFGRS, Brasil.

Machado, C.J.S., Santiago, I.M.F.L., & Nunes, M.L.S. (2010). Gêneros e práticas culturais: desafios históricos e saberes interdisciplinares [online]. Campina Grande: EDUEPB.

Mattos, L.M. (2017). Julgamento visual de cadeiras de rodas: contribuições para o design de produtos assistivo. Mestrado Acadêmico em Artes e Comunicação. Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Unesp, Brasil.

Miller, G. (2012) Darwin vai às compras: sexo, evolução e consumo. Tradução: Elena Gaidano, 2. ed. Rio de Janeiro: BestSeller. Miskolci, R., & Pelúcio, L. (2017). Gênero, sexualidades e mídias contemporâneas: do pessoal ao político. Revista de Estudos Feministas, 25(1), 263-268.

Monteleone, J. M. (2019). Costureiras, mucamas, lavadeiras e vendedoras: o trabalho feminino no século XIX e o cuidado com as roupas (Rio de Janeiro, 1850-1920). Revista Estudos Feministas, 27(1), 1-11.

Oliveira, G.F., Batista, H.M.T, Rufato, D. O., & Guedes, J.D. (2015). Psicologia do trânsito: uma revisão sistemática. Revistas Eletrônicas da Universidade Regional do Cariri, 13(2),124-145.

Papalia, D. E. & Olds, S. W. (1998). O mundo da criança: da infância à adolescência. São Paulo: Markon Books. Paradis, C. G. (2018). A prostituição no marxismo clássico: crítica ao capitalismo e à dupla moral burguesa. Revista Estudos Feministas, 26(3), 1-20.

Pereira, M. E. (2002). Psicologia social dos estereótipos. São Paulo: EPU. Pitanga, C.V., & Damatta, R. (2012). Fé em Deus e pé na tábua: ou como e por que o trânsito enlouquece no Brasil. Rio de Janeiro: Rocco.

Porto, R.B. & Torres, C.V. (2012). Comparações entre preferência e posse de carro: predições dos valores humanos, atributos do produto e variáveis sociodemográficas. Revista de Administração, 47(1), 140-154.

Rabelo, A.O. (2010). Contribuições dos Estudos de Género às Investigações que Enfocam a Masculinidade. Ex aequo, 21, 161-176.

Ramão, S.R., Meneghel, S.N., & Oliveira, C. (2005). In the paths of Iansã: mapping the subjectivity of women who are victims of gender violence. Psicologia e Sociedade, 17(2), 79-87.

Reis, C.F. & Maia, A.C.B. (2009). Estereótipos sexuais e a educação sexista no discurso de mães. São Paulo: Cultura Acadêmica.

Ribeiro, C.A.C. (2016). Desigualdades de gênero no ensino superior e no mercado de trabalho no Brasil: uma análise de idade, período e corte. Sociedade e Estado, 31(2), 301- 323.

Serrano-barquín, C., Serrano-barquín, H., Zarza-Delgado, P., & Vélez-Bautista, G. (2018). Estereotipos de género que fomentan violencia simbólica: desnudez y cabellera. Revista Estudos Feministas, 3(26), 1-14.

Serpa, M., & Felipe, J. (2019). O conceito de exploração sexual e seus tensionamentos: para além da dicotomia vitimização-exploração. Revista Estudos Feministas, 27(1), 1- 14. Silva, E.F. (2015). Metodologia feminista e direitos reprodutivos no Centro de Saúde

Santa Sousa, L.F.L.S., Leal, A.L. & Sena, E.F.C. (2010). A importância da comunicação não-verbal do professor universitário no exercício de sua atividade profissional. Revista CEFAC, 12(5), 784-787.

Souza, F.C. (2006). Meninos e meninas na escola: um encontro possível? Porto Alegre: Zouk. Rosa, Niterói (RJ). Saúde e Poder, 39(106), 893-903.

Toneli, MJF. (2012). Sexualidade, gênero e gerações: continuando o debate. In Jacó-vilela, A.M. & Sato, L. (Orgs). Diálogos em psicologia social [online] (47-167). Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais.

Trégouët, T. (2015). Gender-based price discrimination in matching maskets. Journal of Economic Literature, 42, 34-45.

Whitaker, D.C.A. (1995). Menino - Menina: sexo ou gênero? In: Serbino, R.V. & Grande, M.A.R.L. (Orgs.). A escola e seus alunos: o problema da diversidade cultural (31-52). São Paulo: Unesp.

Yaccoub, H. (2011). A chamada "nova classe média": cultura material, inclusão e distinção social. Horizontes Antropológicos, 17(36), 197-231.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.